[update]Toyota RAV4 GR Sport apresentado

|0 comentários
A gama desportiva da Toyota pode ser um pouco complicado de seguir - temos no topo os GRMN (só houve o Yaris), seguidos dos GR (Corolla, 86 e Supra) e finalmente os GR Sport (Yaris, Yaris Cross, C-HR e Hilux). Agora mais um modelo da Toyota a receber o tratamento GR Sport - agora o RAV4 e vem para a Europa. A receita GR Sport é simples - um look desportivo e melhorias mecânicas ligeiras.
Exteriormente recebe nova grelha dianteira, alargadores das cavas das rodas, proteções laterais e traseiras em plástico preto piano e o spoiler dianteiro em cinzento. Logos "GR" e novos rebordos dos faróis de nevoeiro, jantes especificas em preto de 19 polegadas completam a imagem.




No interior recebe assentos específicos elétricos forrados a couro sintético com ponteado em cinzento com o logo GR - tal como no fole da caixa de velocidades e volante, e recebe aplicações em cinzento no interior. O RAV4 GR Sport vem de série com o conjunto de instrumentos digital de 12,3 polegadas e um ecrã táctil de 10,5 polegadas para o sistema multimédia.


Mecanicamente falando poderá ter o RAV4 GR Sport em hibrido e hibrido plug-in. Segundo a Toyota as suspensões foram melhoradas, recebendo molas e amortecedores desportivos para melhorar comportamento e prazer de condução.



update 06-02-2023

Restaurar o Porsche 959 Paris Dakar - webseries

|0 comentários
Numa manobra publicitária de gênio com lançamento do novo 911 Dakar a Porsche resolveu arrancar e documentar em vídeo o Porsche 959 Paris Dakar que participou na icónica prova. É um dos meus super-carros preferidos. O objetivo é trazer o modelo de volta à vida, mas manter tudo o resto que o torna histórico e único.

Episódio 1


Episódio 2


Episódio 3

[update]Momento "Só na América" do dia

|0 comentários
A California pode ter milhares de problemas mas um maniaco num Tesla X a atacar outros condutores com uma barra metálica não é um deles - a policia deteve Nathaniel Walter Radimak de 36 anos como o suspeito e não o mataram, provavelmente porque não era afroamericano. Chega ao fim o reinado de terror de Radimak que pelos vistos já andava a causar disturbios desde março 2022.

post original
Aparentemente há um tipo num Tesla Model X sem placas de matricula a encurralar e atacar com um bastão outros condutores numa autoestrada na Califórnia. Uma pergunta: tendo em conta que é um pais com mais armas que pessoas ninguém tinha uma à mão para lhe aquecer o rabo?! 🤬


[update]Sono Motors Sion apresentado

|0 comentários
Mais uma startup que quer construir um automóvel elétrico - mas esta tem alguns pormenores que a tornam mais interessantes que as restantes: um automóvel 100% elétrico com painéis solares capazes de carregar a bateria, tem um preço acessível e...é uma monovolume! Este é o Sono Motors Sion, o primeiro automóvel elétrico solar para o povo. Este é ainda um protótipo, facilmente identificável por alguns acabamentos, mas o importante é que parece apenas faltar os pequenos detalhes.
Tirando uma lição do Ford Model T o Sion só estará disponível num formato de monovolume, sem opcionais, numa única cor preto mare e forrada a painéis solares.



O tablier é simples com dois ecrãs. A cabine espaçosa muito Dacia é principalmente em preto mas gosto do detalhe da luz verde vivo que ilumina a totalidade da parte baixa do tablier. Os materiais foram escolhidos pela resistência e capacidade de reciclagem.


Tem um único motor elétrico de 161 cavalos alimentado por uma bateria LFP de 54 kWh. Tudo alimentado por um sistema elétrico de 400 volts prometendo uma autonomia de 305 quilómetros, acelera dos 0 aos 100km\h em 9 segundos e atinge os 140 km\h. É compatível com carregamento rápido DC até 75kW (carrega dos 5 a 80% em 35 minutos) e 11kW em carregamento AC, mas trata-se de um sistema bidirecional é capaz de alimentar a sua casa com a bateria do seu Scion.

Mas ainda temos os 456 painéis solares a adicionar - não carregam completamente a bateria de 54kWh, mas em locais com bastante sol (Portugal por exemplo) é capaz de adicionar até 240 quilómetros de autonomia por semana.


E os preços até parecem interessantes - 25.126 euros na Alemanha sem incentivos e a marca já confirmou mais de 19.000 reservas. Manutenção será feita por parceiros ou pelos proprietários com ajuda da fábrica.

O protótipo está agora em validação e a produção deverá ser feita pela Valmet Automotive a partir da segunda metade de 2023 e atingir uma produção anual de 257.000 unidades até 2030.



Talvez um dos mais interessantes vídeos do Sono Scion porque já fizeram a validação de vários carateristicas em condições reais - e ainda esperam melhorar a eficiência e autonomia com melhorias na aerodinamica ainda em desenvolvimento, escolhas de pneus e pressões, optimização do sistema de controlo termico e gestão de energia, entre outras. Eis então os primeiros números WLTP validados do automovel 100% eletrico solar para o povo: eficiencia em cidade sem perdas de carga: 10.2 kWh/100 km; eficiencia média sem perdas de carga: 14.5 kWh/100 km; eficiencia média com perdas de carga (valor normalmente comunicado pelas marcas): 16.1 kWh/100 km; autonomia só bateria: 305 km; autonomia bateria + solar: 417 km (112 km adicionais de solar por semana); autonomia adicional graças ao solar: 5.800 km/ano;



update 03-02-2023
Uma das perguntas que tinha sobre o Sion era como integravam as células solares na carroçaria externa do Sion. Neste vídeo, que está em alemão logo terá que usar as legendas automáticas, podemos ver como são fabricadas, como é feito o encapsulamento, tratamento antirreflexo, moldagem por injeção e sombreamento parcial.

[update]Novo Opel Astra GSe apresentado

|0 comentários
A Opel tinha recentemente anunciado a sua nova sigla para os modelos eletrificados desportivos, os modelos GSe, e já temos o primeiro modelo: o Opel Astra GSE disponível em hatchback e carrinha. Principais dados: motorização hibrida plug-in de 225 cavalos, kit de carroçaria e acertos de chassis específicos.


Exteriormente o Astra GSe é recebe um kit aerodinâmico mais agressivo que inclui o para-choques da GS Line ligeiramente modificado. A distancia ao solo foi reduzida em 10 milímetros e recebe as jantes de 18 polegadas do concept Opel Manta GSe ElektroMOD. 




No interior recebe assentos forrados a Alcantara.

A mecânica hibrida plug-in já é conhecida, exceto que no Astra GSe apenas estará disponível na variante de 225 cavalos e 360 Nm de binário enquanto o Astra PHEV "normal" apenas terá direito à versão de 180 cavalos. Alem da potência a direção e suspensão ativa (de série) foram recalibradas.
update 03-02-2022

Esticar autonomia do seu automóvel elétrico

|0 comentários
Todos nós já ouvimos várias dicas em como poupar combustível no nosso automóvel com motor de combustão - verificar a pressão dos pneus, não carregar peso desnecessário e por diante. Com os automóveis elétricos também há várias coisas que pode fazer para reduzir o consumo de eletrões e esticar um pouco mais a autonomia - muitas são iguais ou semelhantes às de um automóvel com motor de combustão, outras nem tanto.


Encher os pneus corretamente
Relativamente aos automóveis de combustão estudos indicam que uma queda de 0,5 bar na pressão de ar dos pneus relativamente ao valor do construtor causa um aumento de combustível entre 0,3 e 0,5 l/100 km devido ao maior atrito. Os elétricos recebem pneus específicos de baixa resistência e se não os mantiver à pressão correta não vão funcionar corretamente. Num estudo da Geely e Exxon sobre o impacto da normal permeabilidade (perda normal de ar dos pneus, IPLR - Inflation Pressure Loss Rate) dos pneus usados em automóveis elétricos concluiu que pode ter um impacto até 4% da carga elétrica durante a vida do carro.
Neste estudo, a perda de autonomia em pneus mais permeáveis (IPLR - Inflation Pressure Loss Rate) podem perder em média num período de 6 meses 16 quilómetros de autonomia, enquanto os pneus menos permeáveis (perdem menos ar) perdem apenas 7 quilómetros de autonomia. Eles estimam (e isto fazendo um calculo para vários modelos) que um automóvel elétrico sem perdas de ar nos pneus com 360 quilómetros de autonomia possível tenha realmente 353 quilómetros de autonomia com pneus menos permeáveis (IPLR < 1,73 %) e apenas 344 quilómetros se usar pneus mais permeáveis/com mais perdas de pressão (IPLR > 3.16 %).
Verifique a pressão dos seus pneus uma vez por mês para assegurar que cumpre os valores recomendados. Se quiser poupar um pouco mais use as pressões recomendadas para auto-estrada, mas atenção que é capaz de notar algum desconforto adicional - se é aceitável ou não só experimentando.


Escolha bem os pneus
Pneus para elétricos são concebidos e construídos de forma diferente - têm que lidar com maior peso, oferecer menos resistência, etc. Na tentativa de poupar algum dinheiro pode sentir-se tentado a usar pneus "normais" em automóveis elétricos, mas vão degradar-se mais rapidamente, a autonomia vai ser reduzida e como não foram desenhados para lidar com o peso adicional (com paredes laterais reforçadas) de uma bateria podem até falhar rebentar. Use os pneus adequados para o seu veiculo.


Aerodinâmica
Acima dos 80 km\h o efeito de travagem do ar começa a ser significativo e aumenta ao quadrado com a velocidade - se passa muito tempo em vias rápidas então é um problema. Escolha um sedan e esqueça os SUV, nada de barras ou outros acessórios no tejadilho, nem defletores de vento nos vidros e use o ar condicionado.


Conduzir suavemente
A mais conhecida - consome mais a acelerar o carro do que a manter a velocidade, e quanto mais acelerar maior consumo. Sim, apertar o acelerador de um elétrico é o mais próximo da sensação de entrar no hiperespaço, mas paga em eletrões. Tente ser o mais suave e gradual possível a atingir a sua velocidade de cruzeiro tentado manter o indicador de consumo que todos incluem atualmente. Depois de estar em movimento o importante é manter o movimento - é ao reacelerar que gasta mais energia, especialmente se parar completamente. Logo trava o mínimo e tente gerir o transito à sua volta.


Menos velocidade
Altas velocidades têm grande impacto no consumo de energia - mais ou menos acima dos 50 quilómetros/hora qualquer quer que seja o seu carro passa a gastar mais energia a empurrar o ar que está a frente do seu automóvel que acelerar o carro propriamente dito. Como vou referir física e matemática, coloquei uma foto ao lado para se entreterem enquanto faço a minha explicação aborrecida.
A fricção aerodinâmica é proporcional ao quadrado da velocidade. Ou seja, para qualquer distância, o motor tem que ter 4 vezes mais potência. Mas para ir ao dobro da velocidade, o motor tem que fazer essa mesma força em metade do tempo. Ou seja, para duplicar a velocidade, o motor necessita de 8 vezes mais potência e alimentar essa potência. Ou seja, se for a 110 km\h no autoestrada não perde muito tempo relativamente a ir a 120 km\h mas poupa bastante energia.


Usar navegação/GPS
Alguns sistemas de navegação já dispõem de uma opção de oferecer uma rota mais económica em termos de consumo de energia, além das habituais opções "mais rápida" e a "mais curta". Uso regularmente o Google Maps para essa opção.


Usar a travagem regenerativa em cidade
Graças aos sistemas de travagem regenerativa é possível recuperar alguma energia durante a desaceleração - assim que o condutor levante o pé do acelerador o motor elétrico passa a funcionar como gerador desacelerando o veiculo carregando a bateria. Alguns EVs têm um sistema que permite selecionar diferentes os níveis de regeneração ou função "conduzir apenas com 1 pedal" - em transito de cidade ou suburbano usar a definição máxima ou usar a "condução de 1 pedal" para aproveitar o máximo de energia. Estes sistemas de recuperação também funcionam quando o condutor usa os travões, mas apenas em travagens suaves - se travar com força passa automaticamente para a travagem mecânica e não recupera nenhuma energia. Claro que isso significa treinar a sua condução e atenção para conseguir prever o vai acontecer.


Desligue a travagem regenerativa
Em alguns elétricos é possível desativar completamente a travagem regenerativa que permite deslizar como se tivesse num automóvel comum em ponto morto. Noutros terá que encontrar, com o acelerador, o ponto entre a aceleração e travagem regenerativa para conseguir o mesmo efeito. Como os elétricos modernos foram construídos para resistência mínima consegue-se percorrer, em algumas situações, uma distancia bastante longa sem perder velocidade. Claro que não é recomendável fazer isto ao circular na cidade e arredores, mas em estradas nacionais e vias rápidas sem muito trânsito pode dar jeito.


Use o cruise control
Em autoestrada use o cruise control. Os automóveis elétricos são extremamente sofisticados com mais software que hardware...um exagero eu sei mas percebem o que quero dizer: são capazes de me fazer milhares de acertos mais depressa que consegue mexer o seu pé, portanto mais vale deixa-lo trabalhar. Em certos modelos já têm o cruise control ligado ao GPS e informações de trânsito capaz de ajustar velocidade de acordo com transito, geografia e outras situações.


Use o Eco Mode
Atualmente quase todos os automóveis, incluindo alguns a combustão, tem um modo Eco: geralmente reduz o consumo limitando a velocidade máxima, reduzindo o ar condicionado, reduz a taxa de aceleração e a resposta do acelerador. Varia muito conforme as marcas e modelos, alguns até têm um modo Eco+ ou EcoPro mas esses muitas vezes não são realistas porque alguns desligam a ventilação completamente. Teste no seu veiculo para verificar se a variação de autonomia vale o que perde dinamicamente.


Climatização
A climatização é a seguir ao motor elétrico o maior consumidor de energia do automóvel elétrico, consome mais que todos os outros equipamentos somados - nos automóveis de combustão roubava mais de 10 cavalos de potência. Quem se lembra desligar o ar condicionado quando tinha que fazer uma subida bastante inclinada? Então como reduzir esse consumo?

- Alguns elétricos têm uma função para direcionar o fluxo de ar apenas para o condutor: se estiver sozinho vire as saídas de ventilação viradas para si e use esta função. O ganho é pequeno mas é algum.

- Se for escolher um automóvel verifique se pode incluir assentos ou volante aquecidos. É que os sistemas de aquecimento clássicos gastam energia a aquecer o ar que depois aquece as pessoas e o ar é um péssimo condutor térmico. É mais eficiente aquecer diretamente o corpo usando os assentos ou o volante e não ligar a climatização. Se for para um automóvel com tejadilho de vidro assegure-se que tem uma cobertura para reduzir a entrada do sol no habitáculo. Escolha um automóvel de cor clara (branco, cinzentos claros, etc) e vidros escurecidos ajudam a reduzir a temperatura interior - segundos testes em automóveis estacionados ao sol a diferença pode ser de 15ºC.

- Se por exemplo no verão ao arrancar o automóvel estiver muito quente desligue a climatização, abrar todas as janelas (e o tejadilho se tiver) e circule assim por um pouco (algumas centenas de metros) para baixar a temperatura mais rapidamente se usar o ar condicionado que teria de trabalhar no máximo. Assim que a temperatura baixar feche os vidros e ligue o ar condicionado. Em cidade a baixa velocidade se estiver fresco mais vale circular com as janelas abertas e desligar o ar condicionado, mas fora da cidade a perda aerodinâmica é maior que o que perde por usar a climatização.

- seja brando com as temperaturas, temperaturas entre 21 e 23°C bastam para criar um ambiente confortável.

- Precondicione o habitáculo. Se sai de casa regularmente à mesma hora ou tem uma viagem planeada utilize a função de precondicionar/climatizar o automóvel enquanto está ligado à tomada - assim usa corrente da tomada para ter o veiculo à temperatura desejada. Dependendo do veiculo é possível efetuar esta programação nos sistemas multimédia ou aplicações de smartphone dos veículos. E não é só o habitáculo que pode ser condicionado: em certos veiculo é possível climatizar a bateria para que quando arrancar ela esteja à temperatura ótima de funcionamento.

Toyota nº1 em 2022: 10,5 milhões de carros

|0 comentários
Apesar de um ano atribulado a Toyota conseguiu manter o topo das vendas mundiais de automóveis com 10.483.024 unidades vendidas, menos 0,1% que em 2021. Logo atrás ficou o grupo Volkswagen com 8,3 milhões de unidades vendidas com uma queda de 7% relativamente a 2021. Mas nem tudo são boas noticias para a Toyota - nos EUA passou para o 2º lugar com 2.108.458 unidades (incluindo Lexus) vendidas tendo sido ultrapassada pela General Motors que despachou 2.274.088 unidades.


Peugeot anuncia o E-Lion Project

|0 comentários
No inicio de janeiro a Peugeot apresenta o seu concept-car Inception na CES e agora que estamos no fim de janeiro a marca francesa achou que seria uma boa ideia dar um aperitivo do que podemos esperar no futuro próximo - é o E-Lion Project. Resumidamente - prego a fundo na eletrificação da marca do leão.

Futuro imediato:
Além de modelos 100% elétricos a Peugeot aposta nos micro-hibridos e irá apresentar uma nova motorização que combina o 1.2 litros PureTech a gasolina ajudada por um motor elétrico de 21 kW via uma caixa de dupla embraiagem de 6 velocidades que estará disponível com 100 e 136 cavalos. Os 208, 2008, 308, 3008, 5008 e 408 vão receber esta motorização que segundo a Peugeot é 15% mais eficiente que a atual.

A partir de 2025:
Daqui a 2 anos cada modelo da gama terá uma versão 100% elétrica - algo que já começou com os novos 308 (atualmente já temos o e-308 disponível em hatchback e carrinha SW) e 408 (E-408 para ser exato). A seguir devem ser os futuros 3008 (final 2023) e 5008 (2024) baseados na nova plataforma STLA Medium que Peugot adianta ter versões até 700 quilómetros de autonomia. Mas, para cobrir todas as bases, estes 2 novos SUVs também vão ter versões com motor de combustão para aqueles mercados com menor adopção de elétricos - aí entra a acima mencionada nova motorização que conta com a ajuda de um motor elétrico de 21 kW que terá debito combinado de 100 e 136 cavalos (a STLA Medium permite motorizações 100% elétricas mas também hibridas).

E em 2030:
Se tudo correr bem, em 2030 quando a Peugeot completar 10 anos de eletrificação toda a gama será 100% eletrica.

A imagem que a Peugot publicou com estes detalhes é um amuse-bouche. À direita parece que temos os futuros 5008, 3008 e 2008 não terá apenas SUVs, no centro uma berlina de maiores dimensões provavelmente um novo topo de gama e à esquerda para mostrar que não terá apenas SUVs os futuros 208, 308 e 508. Todos com o que parece ser uma versão da frente apresentada com o recente concept Inception.

Viver numa rotunda - literalmente

|0 comentários
Passando bastante tempo na estrada às vezes parece que passamos a vida de um rotunda para outra, mas no Pais de Gales há uma familia que literalmente vive numa rotunda há mais de 40 anos.

Nos anos 60 David John e Eirian Howatson mudaram-se para um casa em Denbighshire no pais de Gales no que era uma comunidade normal e durante 20 anos tudo correu bem...até as autoridades baterem à porta para lhes dizer que iam construir uma rotunda onde estava a sua casa. David e Eirian mandou-os passear e fecharam a porta na cara das autoridades. A solução foi construir a rotunda em volta da casa.

BMW M3 CS apresentado

|0 comentários
A BMW apresentou no circuito internacional do Algarve o mais extremo dos Série 3 aplicando-lhe a mesma receita do M4 CS - mais potência, menos peso e um visual de ficar queimado na vista! Este é o BMW M3 CS aka Clubsport, ficando acima dos atuais M3 Competition e M3 Competition xDrive.

Exteriormente poderá identificar o M3 CS pelo design agressivo e componentes em CFRP (plástico reforçado com fibra de carbono) que ajudaram a cortar 34 quilogramas do peso total: capot, splitter dianteiro, entradas de ar, espelhos retrovisores, difusor traseiro e spoiler traseiro. O sistema de escape especifico com silenciador em titânio permite poupar ainda mais 20 quilogramas. E boas noticias, não tem que ir para este verde que queima os olhos - poderá ter o seu M3 CS em Preto Sapphire, cinzento Brooklyn e branco Frozen Solid White Individual. No meio tem jantes forjadas em preto ou dourado de 19 polegadas à frente e 20 atrás calçadas com Michelin Pilot Sport Cup 2.





No interior o tablier recebe um conjunto de instrumentos digitais de 12,3 polegadas e um sistema multimédia com o iOS 8 num ecrã de 14,9 polegadas. Os assentos dianteiros são elétricos e aquecidos com estrutura em fibra de carbono forrados a couro com logos CS iluminados, as saídas de ar para trás foram retiradas (para poupar mais peso) e um volante forrado a Alcantara. Logos M3 CS e M aparecem um pouco por todo o lado para o assegurar que está dentro de algo especial...




Debaixo do capot o 6 cilindros biturbo de 3 litros passa a debitar 550 cavalos e 650 Nm - mais 40 que o M3 Competition principalmente por terem aumentado a pressão do turbo de 1,7 para 2,1 bars. Mesmo assim fica abaixo do mais caro e mais exclusivo BMW 3.0 CSL que usa o mesmo motor mas com 560 cavalos. Toda a potência é debitada nas 4 rodas via o sistema xDrive capaz de desativar o sistema de anti patinagem DSC transferindo todo o binário para o eixo traseiro - basicamente um drift mode. Mesmo sendo o M3 mais potente de todos os discos de carbo-ceramica são opcionais...


Segundo a BMW este M3 CS é capaz de acelerar dos 0 aos 100 km/h em 3,4 segundos, atinge os 200 km\h em 11,1 segundos e pode atingir os 302 km\h graças ao pack M Driver incluído.

Se quer um é melhor correr porque a BMW apenas vai produzir 1.800 unidades deste M3 CS.

Renault Espace vai regressar!

|0 comentários
A Renault confirmou que a Espace voltará para uma nova geração! Provavelmente como um 100% elétrico e deverá ser apresentado em março de 2023. É um dos nomes mais conhecidos da Renault, afinal é o nome do primeiro monovolume que data de 1984, e pelos vistos terá uma 6ª geração. Nada mal.


Pouco se sabe - a Renault confirmou que terá 5 e 7 lugares, e como seria de esperar, um SUV. Yup, mais um. Pode ter o carro que quiser, desde que seja um SUV. Curiosamente a Renault disse que utilizará a plataforma CMF-CD - que já cá anda há bastante tempo (quase 10 anos) e usada principalmente para automóveis como motor de combustão (Espace, Austral, Qashqai, etc). Mas o "E" dourado na imagem é o mesmo de Megane E-Tech Electric portanto será certamente elétrico.

[update]Novo Toyota bZ4X apresentado

|0 comentários
Depois da algum teasing a Toyota enfim apresenta o seu primeiro 100% elétrico de bateria - este é o Toyota bZ4X que chegará aos concessionário em 2022. A designação "bZ" são as iniciais de "Beyond Zero" e este 4X será o primeiro do novo capítulo de automóveis 100% elétricos, o primeiro de 15 previstos até 2025, que vão ser vendidos em paralelo com as restantes motorizações a gasolina, hibridas e a hidrogénio. E antes que alguém refira o Lexus UX 300e esse é uma conversão de um modelo a combustão para elétrico enquanto o bZ4X é elétrico de raiz.
Exteriormente o bZ4X mantem muito do concept com detalhes do RAV4, C-HR e mais recente AygoX com uma frente inspirada num tubarão em cima de jantes de 20 polegadas.


No interior temos 5 lugares, bastante espaço (que segundo a Toyota é equivalente ao do Camry) e graças à colocação das baterias em baixo o fundo do habitáculo é plano. Recebe um conjunto digital de instrumentos e um maior ecrã táctil para o sistema multimédia - boas noticias: a Toyota manteve alguns botões físicos para os sistemas importantes e não passou tudo para o ecrã táctil.

No interior há também uma novidade interessante que não é propriamente visível - a direção usa um sistema "by wire" ou seja, não há ligação mecânica entre o pequeno volante que parece inspirado no i-Cockpit da Peugeot e as rodas! Estes sistemas tem a vantagem de permitir mais espaço interior e amortecer as irregularidades que sentimos no volante quando acertamos em algo mas também é verdade que até agora estes sistemas nem sempre conseguem convencer. Para ajudar a acalmar os clientes todos os modelos recebem de série o pacote Safety Sense.




O bZ4X usa a nova plataforma modular e-TNGA desenvolvida em parceria com a Subaru que em breve também terá o seu próprio SUV Solterra e sendo basicamente do mesmo tamanho do RAV4 terá pela frente os VW ID.4, Mazda MX-30, Volvo XC40 Recharge, Ford Mustang Mach-E e o Nissan Ariya. 


O Toyota bZ4x tem 4,68 metros de comprimento com 2,85 metros entre os eixos, 1,85 metros de largura e 1,65 metros de altura e estará disponível, para já, em 2 versões - tração dianteira e integral. A versão de tração dianteira terá um motor à frente de 201 cavalos/150 kW alimentado por uma bateria de 71,4 kWh arrefecida a água. A versão de tração integral tem um motor de 107 cavalos/80 kW em cada eixo para um total de 215 cavalos/160 kW alimentados por uma bateria de 72,8 kW arrefecida a água. Ambas as versões têm a mesma autonomia de 402 quilómetros.
A versão AWD terá um modo de condução X-Mode para melhor tração fora da estrada e um sistema Grip-Control para torque-vetoring.

É compatível com pontos de carregamento até 150kW. Segundo a Toyota ao fim de 10 anos ou 240.000 quilómetros a bateria deverá manter 90% da sua performance. Inicialmente o bZ4X terá um carregador interno de 6,6kW mas no final de 2022 deverá surgir a opção de um carregador interno de 11kW.

Para ajudar a manter a bateria carregada (esteja estacionado ou em movimento) poderá ter painéis solares no seu bZ4X ligados à bateria de tração.
update 26-01-2023