Momento "Opps!" do dia

|0 comentários
Eis algo que acredito nunca ter visto no desporto automovel - uma falha de guarda-roupa. Neste caso o jockey (não sei se há um termo em Português para esta profissão) Blake Shinn teve um problema com o elastico das suas calças na parte final da corrida de Hyland Race Colours Plate na pista de Canterbury...não pude deixar de pensar que se Lewis Hamilton pudesse provavelmente faria o mesmo a Nico Rosberg...


Mas a minha admiração para o profissionalismo deste jockey - leva a redução de peso ao máximo não usando roupa interior mas tambem continuou na corrida chegando em 2º lugar...logo a seguir a um cavalo chamado Modesty (modestia). A sério!

Renault Sandero RS a caminho

|0 comentários
Sim, "Renault Sandero" - a Renault adquiriu e reinventou a Dacia em 1999 para produzir automóveis resistentes, fiáveis a baixo preço para os mercados emergentes da Europa de Leste e do Magrebe mas o sucesso foi tal que a Renault resolveu não só expandir a Dacia para outros mercados como também chegar a mercados os Renault que conhecemos não funcionariam. Atualmente a Dacia chega a 44 países e em muitos destes os Dacia são vendidos como Renaults - por exemplo no Brasil (2º maior mercados da Renault) e Rússia (3º maior mercados da Renault). E depois do Sandero, Sandero Stepway, Logan, Duster e Lodgy eis algo que não via para a Dacia - uma versão desportiva do Sandero.
Seguindo o mote da Dacia deverá ser "mais com menos" - deverá ter para-choques redesenhados atrás e à frente, e alguns detalhes desportivos no interior de outros Renault. Sendo anunciado como um Renault Sandero RS isso o mais certo é que só estará disponível onde os Dacia são vendidos como Renault (Brasil, Rússia, etc.) e sobre o que se esconde debaixo do capot nada se sabe.

[update]Piech demite-se!

|0 comentários
A Autonews publicou mais detalhes sobre a saída de Piech que pelos vistos foi por algo que já adivinhava - quando Piech veio a publico, depois da 1ª reunião, dizer que tudo estava bem e que iria avançar com Winterkorn eu disse que Piech não iria ficar por aqui - aparentemente foi apanhado a tentar dar a volta à situação e foi isso que lhe custou o lugar.

Segundo a Autonews (via Reuters) cita uma fonte dentro da VW que depois de se ter confirmado que Piech tinha abordado a família Porsche para que o actual CEO da Porsche Matthias Mueller tomasse o lugar de Winterkorn, a comissão de trabalhadores e o estado da Baixa-Saxónia decidiram que isso era a "gota de água" e meteram os pés à parede - marcaram segunda reunião de emergência e basicamente disseram a Piech demita-se ou será demitido. Algo que significa que ninguém na direção, nem a família Porsche que Piech abordou estava com ele. Piech saiu mas não esquecer que detém 13.2% da Volkswagen - irá vender como tinha ameaçado fazer ou será que vai jogar nos bastidores? Duvido que tenhamos ouvido a última de Piech portanto fiquem de olho.

Mas não deixa de ser o fim de uma era - Piech basicamente geria a VW a seu prazer e quem lhe fizesse frente rapidamente encontrava a porta da rua. Mas desta vez, e por agora, parece que mordeu mais do que conseguia engolir. Mas isso significa que Winterkorn ganhou? Sim e Não - sim porque livrou-se de Piech e até poderá ser benéfico para a VW em geral que agora não tem que se preocupar com Piech a ditar a sua vontade, mas Não porque Winterkorn manteve o seu lugar graças ao sindicato dos trabalhadores o que significa que terá as mãos atadas em muitas questões - Winterkorn tinha iniciado um plano em 2014 para poupar 5 mil milhões de euros na produção automóvel até 2017 mas com toda a negociação necessária com os sindicatos só conseguiu até agora poupar 1.5 mil milhões e teve que despedir a consultoria que lhe estava a auxiliar no esforço.

Outro pormenor que me deixa também a pensar se foi um passo no caminho certo - Piech chegou onde estava porque além de um grande engenheiro (criou o sistema de plataformas que tornou a VW no que é actualmente) era um grande líder e quando construtores automóveis não têm um grande líder à sua frente coisas como Ssangyong Rodius podem acontecer

Post original de 25-04-2015
O chairman da Volkswagen Ferdinand Piech demitiu-se! Sinceramente não via esta a chegar, mas parece que perdeu a disputa com o CEO Martin Winterkorn. 

A sua esposa Ursula também se demitiu e o lugar de Piech será ocupado por Berthold Huber temporariamente.

Fast and Furious 8 em 2017

|0 comentários
Fast and Furious 7 continua a bater recordes de bilheteira - e aproveitando a "onda" Vin Diesel anunciou que "Fast and Furious 8" deverá chegar no dia 14 de Abril de 2017.

[update]"Os automoveis mais importantes de sempre"

|0 comentários
Infelizmente o artigo "Os automoveis mais importantes de sempre" está tão comprido que esmaga os posts anteriores - daí que apartir de agora actualizo o artigo mas não o puxo para a frente, basta seguir o link para o artigo completo.
Desta vez acrescentamos a este artigo a primeira Renault Espace - com o lançamento da nova geração seria correto acrescentar aquela que arrancou o segmento das monovolumes.

Audi TT 1.8 TFSI no Verão

|0 comentários
Se sonha com o novo Audi TT mas não consegue ter "os meios" para um então tenho boas noticias para si - no verão deve chegar a versão mais acessivel. 

Actualmente o modelo mais barato da gama começa com o 2.0 TFSI ou TDI, este novo modelo de acesso terá o 4 cilindros de 1.8 litros TFSI de 180 cavalos e 250 Nm de binário do Audi A3. Mesmo assim não será "lento" - sera capaz de ir dos 0 aos 100km\h em 7 segundos.

Winterkorn 1 - Piech 0

|0 comentários
A reunião do comité de direcção da Volkswagen não só deu apoio total ao seu CEO Martin Winterkorn como também lhe propôs a extensão do seu contracto como CEO quando este terminar em Fevereiro do próximo ano. E se sim, Piech faz parte desse comité e foi o único que não apoiou Winterkorn - deve ter sido constrangedor.

Claro que a VW não comentou oficialmente sobre como decorreu a reunião mas segundo a Autonews (que cita fontes anónimas) parece que a reunião foi bastante complicada faltando apenas pugilato com Piech de um lado e os restantes 5 membros do outro. Segundo uma fonte da Autonews Piech terá sido encostado à esquina e ou aceitava a declaração de apoio a Winterkorn ou demitia-se.

2 coisas são importantes de dizer - primeiro nem pensem que Piech desiste assim tão facilmente, nunca o fez e não vai ser agora que vai mudar; segundo até acho que uma mudança no topo da VW seria positiva. Sim, Winterkorn conseguiu pegar na VW e torná-la no 2º maior do mundo pouco atrás da Toyota mas a marca podia beneficiar de largar algum do cinzentismo que a tem caracterizado e uma mudança no topo até podia ser o catalizador certo. 

Uma coisa certa, Piech saiu ferido e enfraquecido mas não batido deste embate. Está completamente isolado, mas parece que a direção não tenciona forçar a saida deste até 2017 (altura em que o contrato deste expira), provavelmente porque durante a reunião, Piech e a sua esposa Ursula terão ameaçado vender a sua participação multimilionária na VW para enfraquecer os opositores - não vão levantar pêlo a não ser que Piech force a mão.

Piech já veio fazer declarações publicas em que disse ter chegado a acordo e que não iria insistir na demissão de Martin Winterkorn, mas a verdade é que antes da reunião Piech terá conversado com o CEO da Porsche Matthias Mueller para se preparar para substituir Winterkorn e a NDR diz que Piech não aceita a decisão de apoiar Winterkorn e procura apoio entre as famílias Piech e Porsche para conseguir o que quer - juntas as famílias detêm 50.7% dos direitos de voto na Volkswagen. E agora começa o jogo de xadres - qual será a próxima jogada de Piech?

Artigos 4rodas1volante

|1 comentários
O 4rodas1volante pretende ser um blog dedicado ao automóvel e a tudo o que o rodeia. Fornecendo noticias atualizadas que despertem interesse e discussão dos leitores mas também conteúdo que nos diferencie dos restantes sites - fazer a diferença. Nós existimos para provar que o automóvel não é só um meio de transporte mas algo que faz parte de expressão humana.

Procuramos informar, debater, divertir e mantendo/nutrindo o nosso publico, crescer. E uma das nossas pedras basilares são os artigos - já temos bastantes (+55) e vamos ter mais. Para já, fica aqui uma lista dos que já existem - só o futuro dirá o que virá a seguir.

Dacia Lodgy - ensaio
Dacia Duster - ensaio
Dacia Logan MCV - ensaio
Dacia Sandero Stepway - ensaio
Salão automovel de Genebra de 2015 pelo Turbo-lento
Dacia Sandero - ensaio
Novo Mini - história com 4 rodas
Citroen C4 Cactus - ensaio
Ano novo, condutor novo?
BMW i3 - ensaio
2015 - o ano dos inesperados?
Descobrir a Euforia do Futebol com o Mercedes Classe A
Novo Nissan Note - ensaio
Toyota Auris Touring Sports Hibrida - Ensaio
Salão automóvel de Genebra 2014 pelo Turbo-lento
Apple CarPlay vs Google Automotive Link vs MirrorLink
72 Horas Non-stop da Renault inspiram
Novo Peugeot 308 ensaio
Mal posso esperar por 2014
Novo Renault Clio Sport Tourer 0.9 TCe - ensaio
Salão de Los Angeles e Tóquio 2013 - segundo o Turbo-lento
Quem não aprende com a história arrisca-se a repeti-la
Velho demais para conduzir, novo demais para morrer
Liberdade atrás do volante
Salão de Frankfurt 2013 - segundo Turbo-lento
Peugeot 2008 ensaio
Consumos de combustivel irrealistas
Sorte ao jogo, azar nos automoveis?
Renault Captur ensaio
Sinal sonoro dos tempos
Futuro - combustão ou eléctrico?
Etiquetas Europeia de pneus - cuidado na leitura
Industria automóvel Europeia em 2013
Pneus ecológicos - o verde também mata
O futuro da industria automóvel...talvez na sua casa
Os mais importantes automóveis de competição de sempre
O que vestir atrás do volante?
Ensaio Renault Twizy
Toyota Yaris Hibrido - ensaio
Auto-estradas não, eu gosto de conduzir
Industria automóvel na Europa - futuro
Toyota GT 86 - ensaio
Colocar Darwin atrás do volante
Peugeot 508 RXH - ensaio
Renault Fluence ZE - ensaio
O que esconde a guerra ao automóvel
Novo Peugeot 208 - ensaio
Os piores automóveis de sempre e os mais peculiares
Quem conduz um Saab?
Progresso tecnológico com 4 rodas e 1 volante...Boink!
Roubo automovel versão 2.0
A importância de um nome
Renault Twizy - o eléctrico que faz sentido ?
70 anos de Jeep: 1941-2011
Motores ou obras de arte?
Homem com H procuram-se
Os Automoveis mais importantes de sempre
A fazer antes de morrer
Jaguar XJ220 - História sobre rodas
Cizeta V16T - historia sobre rodas
Carros eléctricos - o futuro ou treta ? Parte Deux!
Porsche 959 - Historia sobre rodas
Estrelas com 4 rodas e 1 volante
Ensaio Alfa Romeo Giuletta 1.6 JTDM
2011 - Ano negro para o condutor português
200 anos Peugeot
Carros de sonho do meu Pai
Turbo-lento vê a luz nas 2 rodas
Qual é o teu carro de sonho?
A crise da meia idade e o automovel
Ambiente ou um V12?
Ariel Atom
Ensaio Novo Opel Astra
Automoveis dos anos 80
A ditadura do motor a combustão interna
Vencedores Carro Europeu do ano
Salvem o mundo - Matem a vossa bicicleta
Jeremy Clarkson e o Discovery 4
Carros eléctricos - o futuro ou treta?
Gasolina é melhor que gasoleo
Armindo Araújo - O Nosso Campeão de Rallyes
Super bock no seu carro
Febre automovel
100 melhores carros de sempre
Nissan GT-R Very Important Car
Controlo de pressão de pneus obrigatorio em 2012
Pensão não - compre um carro
Pneus verdes
Kia Ceed mostra o que vale
S2000, o fim dos WRC?
Carpool para o inferno
Os carros novos brasileiros
O legado de Ferruccio Lamborghini
Historia do logo M
Investimento seguro
Medidas de (in) segurança
Branco - a cor da moda auto
Ensaio novo Ford Ka
Carro aprende com o PC
Alterações a nível da aerodinâmica na F1
O Sistema KERS na F1
Alterações dos pneus na F1
Vaca Sagrada de 4 rodas
Melhor estrada de Portugal
Automóveis a pedido do Sultão do Brunei
Viver rápido, morrer jovem...mas viver
Ensaio novo Renault Megane
Turbulencia a 2 rodas
Caçadores de Mitos nas 4 rodas
O melhor carro de sempre
Economias de escala...TRETA!
As melhores ultrapassagens
Tributo ao grupo B
Historia sobre rodas: Dauer Porsche 962
Porto campeão: Ditadura automóvel funciona!
Consultório: Mapas online
Stand Automóveis em Second Life
Hibridos - desfazer o mito
Camuflagem urbana
Distrações ao volante
O que é que o seu carro diz de si?
Os mais vendidos do Brasil
Paciência de Chinês
Driving miss Leonor...
Guia 4rodas1volante - Como gastar pouco
Crise de identidade
Viajar: GPS vs Mapas
100 melhores carros de sempre
Primeiro concurso Quatro rodas e um volante!
Crianças a bordo...perigo constante!
Nurburgring - Parte 2
Nurburgring - Parte 1
Existem poucas coisas assim... 911 GT3 RS
Fim de tarde... NSX

Fui à internet e encontrei isto

|0 comentários
Sim, chegou o fim de semana - alugue um filme de terror e grite mais alto que as personagens!











Dacia Lodgy ensaio

|0 comentários
E chego ao ultimo Dacia que ensaiei: tive o Sandero, Sandero Stepway, Logan MCV, Duster e agora o Dacia Lodgy. Comecei com o mais pequeno, acabo com o maior.
Este teve um factor extra para mim - é que para o ano vou trocar o automóvel familiar e a minha cara-metade jogou a carta "Tu escolheste o Twizy, agora sou eu que escolho" e ela definiu que o próximo terá que ter 7 lugares...yup, monovolume pode estar na equação. Estou em sarilhos. Portanto vamos lá ver do que este Lodgy é capaz.

Introdução
A Renault reinventou a Dacia em 1999 para produzir automóveis resistentes, fiáveis a baixo preço para os mercados emergentes da Europa de Leste e do Magrebe mas o sucesso foi tal que a Renault resolveu não só expandir a Dacia para outros mercados como também chegar a mercados os Renault que conhecemos não funcionariam. Actualmente a Dacia chega a 44 países e em muitos destes os Dacia são vendidos como Renaults - por exemplo no Brasil (2º maior mercados da Renault) e Russia (3º maior mercados da Renault). 

Tudo começou com os fiáveis e baratos Logan e Sandero, e explodiu com o Duster - nos últimos 10 anos apenas a Dacia já vendeu mais de 3 milhões de automóveis e o mais vendido de todos é o Duster.
E seguindo o principio de fazer mais com menos, o Lodgy é uma monovolume de 7 lugares e é baseado na mesma plataforma M0 dos actuais Sandero e Logan - serviu também de base para a versão comercial Dokker. 

Segue também a mesma receita - o Lodgy oferece transporte básico para a família, com muito espaço (4,5 metros de comprimento), 7 lugares e alguma versatilidade. As famílias que de outra forma teriam que ir para um automóvel usado de 5 lugares podem agora ter uma monovolume de 7 lugares pelo mesmo preço.


Primeiro contacto
E tal como os restantes modelos, o designe exterior do Lodgy é um equilíbrio entre formas mais simples e neste caso um ar familiar, aconchegador. 
Mas apesar das das linhas simples pessoalmente até gosto da frente do Lodgy se olharmos mesmo de frente, porque de perfil infelizmente nota-se a origem da plataforma porque as pequenas rodas parecem perdidas em tanto metal.
Pode ter o Lodgy em 3 níveis de equipamento: Pack, Confort e Prestige, mas do ponto de vista exterior a versão de base Pack é básica demais e só o consegue com o 1.2 litros TCe de 115 cavalos. As restantes motorizações têm apenas do nível Confort para cima e recebem fechos das portas e espelhos pintados na cor de carroçaria, faróis de nevoeiro e nova grelha dianteira que lhe dá um ar mais agradável.


Bem-vindo a bordo
No Duster temos um interior especifico partilhado com o Dokker, com muito material de Renaults presentes e passados, mas até é agradável à vista e está bem organizado. Infelizmente os plásticos continuam duros e menos agradáveis ao toque, mas a boa escolha de cores ajuda à qualidade apercebida e tudo parece bem montado.
A posição de condução é boa e fácil de obter, se bem que a direcção não é regulável em profundidade (o que pode ser complicado para o pessoal mais alto como eu) mas a direcção e assento regulável em altura (não na versão Pack) ajudam. A posição de condução é elevada e a visibilidade para o exterior é boa.

Também apartir do nível Confort temos comandos no volante e tirando os comandos da ventilação e o da regulação da altura dos faróis que estavam um pouco baixos demais, todos os restantes estavam à mão de semear e o sistema multimédia MediaNav que tínhamos (um opcional excepto no Prestige) era muito fácil de usar. 
O interior é literalmente cavernoso (no máximo pode transportar 2615 litros de carga ou 827 litros em 5 lugares), luminoso de fácil acesso até para os lugares da 3ª fila de assentos que podem ser retirados facilmente e não parecem ser apenas para crianças - na maioria das monovolumes compactas os últimos lugares traseiros são apenas para crianças, no Lodgy adultos mais compactos cabem. Mas a modularidade é muito básica, nada comparada com o que se obtém numa Scenic.

Em termo de equipamento as possibilidades de escolha não são muitas, apesar de haver 3 níveis de equipamento estes não estão disponíveis com todos os motores. A versão base Pack recebe basicamente o automóvel e mais nada: recebe direção assistida, vidros eléctricos à frente, limitador de velocidade (mas não cruise control) e mais nada. O controlo de estabilidade e antipatinagem é opcional bem como o rádio.
A versão Confort é a que faz mais sentido (e a mais comum) porque recebe radio, ar condicionado manual, vidros eléctricos, volante e assento do condutor regulável em altura, ESP e ASR e algumas actualizações visuais que tornam o Duster mais moderno e bonito. Se quiser algo mais pode ainda ir para o nível de equipamento Prestige que acrescenta couro no interior, cruise-control, o sistema multimédia Medianav, vidros eléctricos atrás e radar traseiro.


Condução
Pode ter o Dacia Lodgy com 4 motores: o 1.2 litros TCe a gasolina com 115 cavalos e 190 Nm de binário, o 1.6 litros 16 válvulas bi-fuel com 85 cavalos e o 1.5 dCi disponível com 90 ou 110 cavalos (e 200 ou 240 Nm de binário respectivamente).

A versão que conduzi estava equipada com o 1.5 dCi de 110 cavalos e creio que é a escolha acertada para a família que pretende longas viagens: a diferença em termos de preço, para o mesmo nível de equipamento, entre a versão 90 e 110 cavalos é de 250 euros e com isso recebe mais 20 cavalos e 40Nm de binário. Assim o Lodgy acelera melhor dos 0 aos 100 km/h (11.6 contra 12.4 segundos do 90 cavalos) que ajuda nas ultrapassagens sem aumentar muito os consumos (cidade/extra urbano/misto: 4.9/3.8/4.2 l/100km para versão dCi 90 e 5.3/4/4.4 l/100km para versão dCi 110).

O dCi de 90 cavalos também deverá desembaraçar bem mas se costuma viajar carregado 110 cavalos é o melhor. E sim, os motores a gasolina serão mais que capaz de mover o Lodgy, mas estamos a falar de um automóvel de 1.300 quilogramas e se meter muita carga e/ou 7 pessoas conte com um consumo muito elevado e dificuldade em lidar com a auto-estrada ou fazer ultrapassagens.

As suspensões são moles e confortáveis, mesmo nas partes mais acidentadas que encontrei mas mantém-se o adornar em curva que encontrei em outros modelos da marca. A insonorização até está bem feita - creio que é o modelo mais silencioso da Dacia da conduzi naquele dia, conseguindo isolar bem o ruído do 1.5 dCi mas ainda dá para sentir alguma vibração.

A caixa de 6 velocidades (apenas com o 110 cavalos) é bem escalonada e o 1.5 dCi de 110 cavalos tem força suficiente, é pouco sonoro, vibra pouco se bem que um pouco preguiçoso a subir de rotação no inicio.


E a Grand Scenic?
Ou outra monovolume compacta - uso a Renault Grand Scenic como exemplo porque já tive hipótese de a conduzir e se olharmos apenas para o tamanho o Dacia Lodgy fica frente-a-frente com a sua parente Grand Scenic. Claro a Grand Scenic começa nos 31.000 euros com o dCi de 110 cavalos enquanto o Lodgy começa no 13.190 euros com o 1.2 tCe ou 19.080,00 euros com o mesmo motor 1.5 dCi de 110 cavalos na versão mais cara - quase metade do preço. Mas será um comparativo justo?

Em termos visuais é como azeite e água - a Scenic, especialmente depois do ultimo restyling, tem presença, maturidade e um interior muito cuidado. Já o Lodgy é básico, painéis e linhas simples sem grandes detalhes com pequenas rodas perdidas nos cantos. Em branco vista de perfil recorda a alcunha que muitos davam aos antigos Fiat Tipo em branco: frigorífico.

Claro que neste formato capacidade de pessoas e tralha é um factor importante e a Lodgy bate claramente a Grand Scenic - não só em volume de carga mas enquanto eu mal caibo (a expressão correcta é "encaixo") na ultima fila de bancos da Grand Scenic na Lodgy estaria bem.

Mas o conforto e funcionalidades são também importantes e aí o Grand Scenic pode ser mais caro mas inclui ou permite por opcional ter aquele equipamento que separa um utilitário de um monovolume familiar. O Lodgy é mais rústico, não tem cartão mãos-livres, nem ar condicionado automático, vidros escurecidos, vidros eléctricos nas 4 portas são opcionais, não liga os faróis ou os limpa-vidros automaticamente ou tem cruise control. Sim, pode ter o Medianav que é muito fácil de usar, oferece todas as funcionalidades multimédia modernas e até agora o sistema que mais facilmente aceitou emparelhar com o meu Samsung Galaxy S2. Já o sistema base da Scenic é menos agradável de usar.

Em termos de modularidade a Scenic oferece muitas possibilidades, especialmente a questão de dobrar o banco do passageiro dianteiro para objectos longos e a longa lista de opcionais permite criar um automóvel à sua medida.

Resumindo, o Lodgy não é um rival para a Scenic ou outras monovolumes compactas. Se o Grand Scenic é para quem além de um automóvel procura um espaço para estar, acolhedor, agradável, confortável o Dacia Lodgy é um automóvel para quem procura o automóvel com o metro cúbico de interior ao preço mais baixo do mercado.


Concluindo
Creio que esta tudo dito. À Dacia só falta mesmo um descapotavel - já tem um citadino (Sandero), um compacto (logan), um SUV (Duster), 2 crossovers (Sandero e Lodgy Stepway) e este monovolume Lodgy. Basicamente todos os formatos automóveis financeiramente acessíveis e fiáveis.

Se o deixei curioso pelo Lodgy deixo uma recomendação e uma sugestão:
Recomendação: vá para o motor 1.5 dCi, a diferença de preço entre a versão de 90 e 110 cavalos é irrisória e a potência extra será útil para quando tiver carga completa, e se tiver cuidado com a opções pode comprar a versão Confort com Medianav, tapa-bagagens e sensores traseiros e ainda assim ficar 600 euros abaixo da versão Prestige com o mesmo motor.
Sugestão: experimente a versão Stepway que já esta disponível no Lodgy. É que quando conduzi o Sandero Stepway apercebi-me que este era mais confortável e tinha melhor comportamento em estrada - talvez tenham conseguido o mesmo feito no Lodgy Stepway.



Positivo
- Motor diesel agradável
- Conforto da suspensão
- Interior cavernoso
- Boa habitabilidade em todo os assentos
- Preço

Negativo
- Adornar em curva
- Ar condicionado, controlo de estabilidade e anti-patinagem opcional
- Direcção não comunicativa

Morgan Plus 8 Speedster - vídeo Xcar

|0 comentários
Conhecem aquela expressão "ninguém os faz como eles"? Quando se fala da Morgan é completamente verdade - já ninguém os faz como a Morgan. Mais artesãos que industria a Morgan continua a produzir automóveis um pouco como fazia à 100 anos atrás - e o pessoal da Xcar foi conduzir o muito especial Plus 8 Speedster no muito peculiar clima britânico. Vale a pena ver.


Novo Seat Alhambra - restyling

|0 comentários
Depois da actualização da Volkswagen Sharan seria de esperar que a Alhambra também recebe-se um refrescar primaveril. Se exteriormente as alterações são poucas, mecânicamente e em equipamento houveram algumas alterações dignas de nota. 

Exteriormente recebe novos faróis (à frente e atrás), jantes e grelha dianteira. No interior recebe novas cores, novo volante e comandos e os niveis de equipamento foram reorganizados. 
A nível de equipamento recebe a travagem automática de emergência, vigilância do angulo morto, novo sistema multimédia, suspensão pilotada e até assentos massajantes.

Debaixo do capot os motores foram revistos para cumprir as normas de emissão Euro6 e melhor performance - mantém-se a versão de base do 2.0 litros TDI com 115 cavalos mas as restantes variantes recebem uma cura de potência: a variante de 140 passa para 150 cavalos (disponível com tracção integral 4Drive) e a de 177 cavalos passa para 184 cavalos. A gasolina o 1.4 litros TSI mantém os 150 cavalos e o 2.0 litros TSI passa de 200 para 220 cavalos. Com excepção do 2.0 TDI de 115 cavalos todos os motores podem receber uma caixa DSG.

[update]Mercedes AMG GT S - videos

|0 comentários
A Mercedes publicou mais um video do novo AMG GT S (recentemente apresentado em Paris). Sonhando...
Post original de 31-01-2015
A Mercedes publicou uma série de vídeos filmado em Laguna Seca com Bernd Schneider ao volante sobre o novo AMG GT S (recentemente apresentado em Paris) para o Samsung Gear VR que estão disponíveis (para quem tem o equipamento) na Oculus Store. 
Mas para os restantes que não têm podem sempre ver a versão "normal" - em Perseguição ou a Solo.


Update 31-01-2015

[update video]Mercedes GLE Coupé apresentado

|0 comentários
Antes sozinho no seu próprio nicho de Coupe de 4 portas SUV o BMW X6 tem enfim companhia - é o Mercedes GLE Coupé, que marca também o fim do ML que em breve será o GLE que deverá chegar mais para o fim de 2015. 


O perfil e dimensões são muito próximas aos do BMW X6. A altura ao solo é grande (será capaz de todo-terreno?) e só está disponível com jantes de 20 polegadas com a opção de ir para 22 polegadas. O designe inclui elementos de outros modelos - a traseira é do Classe S coupé e a frente a do Classe C. 


E tal como o seu rival terá apenas os motores mais potentes: no inicio terá o V6 de 3 litros a diesel de 258 cavalos (350d), o V6 de 3 litros biturbo a gasolina com 333 cavalos (GLE 400) ou 367 cavalos (GLE 450 AMG). Mais adiante irá chegar a versão 63 AMG. Todos os motores associados à caixa automática 9G-Tronic. 
A tracção será sempre às 4 rodas com repartição 50/50 nas versões normais e 60/40 para a versões AMG para um comportamento mais desportivo. Será possível configurar o comportamento via o Dynamic Select para alterar a suspensão pilotada, assistência à direcção, gestão da caixa de velocidades e ruido do motor. 


Como seria de esperar a lista de opcionais é longa (e provavelmente cara) - desde suspensão pneumática, cruise control automático, sistema áudio Bang & Olufsen, jantes de 22 polegadas só para citar alguns.
update 15/12/2014
update 30/12/2014
update 22-04-2015
"