[update]Ford prepara avalanche eléctrica

A Ford irá nos próximos anos recuperar o atraso na electrificação da sua gama, com 16 automóveis e carrinhas já a partir de 2019, e é um plano ambicioso - esqueçam recuperar o atraso, a Ford prepara-se para ultrapassar todos com um modelo electrificado para cada formato e preço.

Introdução
Temos os Fiesta e Focus híbridos ligeiros, o Mondeo como híbrido clássico, o novo Kuga acaba de ser apresentado com uma versão híbrida clássica e outra plug-in, o Explorer chega também com versão plug-in e os comerciais Transit, Transit Custom e Tourneo Custom também.

Sim...falta um 100% eléctrico - a Ford tem andado a anunciar um SUV desportivo 100% eléctrico inspirado no Mustang (sim, parece uma salada de fruta estranha) chamado Mach E com uma autonomia de 600 km WLTP para 2020 e confirmou uma Transit eléctrica para 2021, mas nada no campo de veículos de passageiros.

Portanto por agora fiquemos por analisar os tais 16 modelos electrificados já confirmados pela Ford.


Híbridos ligeiros
Estes usam um sistema eléctrico de 48 volts que recolhe electricidade durante a travagem ou quando retira o pé do acelerador via um motor eléctrico que substitui o alternador clássico e que além de funcionar como motor de arranque e gerador também alivia o esforço do motor de 3 cilindros de 1 litro (no Fiesta e Focus híbridos previstos para 2020) permitindo reduções de consumos e emissões.

O motor eléctrico também ira ajudar nas performances porque preenche a falta de potência do turbo-lag a baixa rotação. Assim a Ford montou um turbo de maior dimensões que só roda a rotações mais altas e uma taxa de compressão mais baixa debitando um total de 155 cavalos.

A titulo de exemplo, segundo a Ford, o novo Fiesta EcoBoost Hybrid de 155 cavalos tem consumos de 4l/100km e emissões de CO2 de 112g/km enquanto a versão não electrificada do mesmo motor com 140 cavalos faz 4.4l/100km e emissões de CO2 de 118g/km - segundo o WLTP.

Já o Kuga híbrido ligeiro usa um 2.0 litros diesel EcoBlue acoplado ao mesmo sistema de 48 volts e segundo a Ford faz consumos de 4,1 l/100km e emissões de CO2 de 132g/km.


Híbridos clássicos
Nesta variante temos o novo Kuga e Mondeo com uma bateria de lítio maior e um motor eléctrico capaz de mover o automóvel em modo 100% eléctrico - sim, tal como um Toyota Prius.

O Kuga recorre a um 4 cilindros de 2,5 litros de ciclo Atkinson com a potência a ir para o eixo dianteiro ou 4 rodas via uma caixa automática. A Ford prevê que 40% das vendas do Kuga sejam híbridas, com as versões plug-in e híbridas ligeiras a serem as mais procuradas - terá que rivalizar com os novos Toyota RAV4 e Honda CR-V Hybrid já no mercado.

O Mondeo Hybrid (disponível em carrinha ou sedan) recebe um motor de 2 litros com 187 cavalos capaz de consumos de 3,7 l/100km e emissões de 101g/km de CO2.


Híbridos plug-in
Nesta variante temos o novo Kuga e Explorer - relativamente à versão híbrida clássica recebe uma bateria maior (14,4 kWh) que permite maior autonomia eléctrica e a possibilidade de carregar numa tomada.

Graças à bateria maior o Kuga plug-in, que usa basicamente a mesma motorização da versão híbrida clássica, consegue uma autonomia eléctrica de 50 quilómetros e emissões de 29g/km.



Comerciais também electrificados
Com os centros de cidade cada vez mais fechados a veículos diesel (na Suiça creio que em muitas cidades já não são permitidos comerciais diesel qualquer que seja a geração) a Ford prepara a sua gama de comerciais Transit para esta realidade com versões híbridas ligeiras e plug-in.

As variantes híbridas ligeiras das Transit, Transit Custom e Tourneo Custom combinam um motor de 2.0 litros diesel com um sistema eléctrico de 48 volts - segundo a Ford a melhoria de eficiência varia entre 3% a 8% em cidade.

A Transit Custom e Tourneo Custom vão ter uma versão híbrida plug-in em série - uma novidade neste segmento. O motor de 3 cilindros funciona apenas como um gerador para manter a bateria de 13.6 kWh (que estará no fundo da carrinha) carregada (que também poderá ser carregada via tomada) - é um motor eléctrico que move a carrinha. A bateria permite uma autonomia de 50 quilómetros antes que o motor arranque para a carregar.

Está prevista também uma Transit 100% eléctrica para 2021.


Concluindo
A Ford, bem como os restantes construtores, estão a preparar-se para os limites de CO2 mais apertados previstos para 2020/21, num sistema que favorece os plug-in e eléctricos: para calculo das emissões da gamam qualquer carro que emita menos de 50g/km de CO2 conta como 2 veículos em 2020, 1,67 veículos em 2021, 1,33 veículos em 2022 e apenas um veiculo a partir de 2023. Neste caso a Ford parece que esta a cobrir todas as bases para este futuro próximo.
update 09-04-2019

0 comentários: