CarlosGate - ponto de situação 05-12-2018

Além do Dieselgate agora temos mais um escândalo para acompanhar - chamei este de CarlosGate, e para seguir este tópico basta clicar na tag respetiva. Noticia ainda recente mais já algumas atualizações a fazer - ficam abaixo os principais desenvolvimentos como sempre sem tretas, conservantes ou adoçantes acrescentados.

Direção da Nissan expulsa Carlos Ghosn de Chairman
A direção da Nissan votaram em uníssono a remoção de Carlos Ghosn da posição de Chairman e de Greg Kelly como representante do diretor. Ghosn e Kelly continuam, por agora, a serem diretores pelo menos até que os accionistas da Nissan votem a sua remoção completa.

Claro que a Renault pediu para esta decisão ser adiada até procedimentos internos e legais estarem completos mas a Nissan fez ouvidos moucos.

A Nissan espera nomear um novo chairman no prazo de um mês ou dois, de preferência antes da próxima reunião de direção marcada para o dia 20 de Dezembro - infelizmente a primeira tentativa terá falhado. Segundo a Reuters o painel independente da direção constituído por Masakazu Toyoda(burocrata industrial), Jean-Baptiste Duzan (ex-executivo da Renault reformado) e Keiko Ihara (piloto de competição) adiaram a decisão de recomendarem um substituto para Ghosn à frente da direção da Nissan - no entanto terá que ser feita até à próxima reunião da direcção em 17 de Dezembro.

A Nissan já tinha rejeitado candidatos externos propostos pela Renault e segundo a Reuters o sucessor de Ghosn na Nissan será um destes senhores:
- o actual CEO da Nissan Hiroto Saikawa: apesar de ter sido um protegido de Ghosn é um critico de uma possível fusão com a Renault e quem tem liderado a investigação a Ghosn. A sua escolha iria solidificar a sua posição na Nissan e melhorar as possibilidades de uma divisão de poder mais equilibrada na aliança;
- Toshiyuki Shiga: um homem de confiança de Ghosn e a sua escolha iria provavelmente pouco mudar o cenário atual da gestão da Nissan.

Este novo chairman (quando escolhido) será temporário até à próxima reunião de acionistas - a próxima estava marcada para Junho de 2019 mas é possível que seja marcada uma reunião de emergência.


Mitsubishi retira Ghosn de chairman
Depois da Nissan a Mitsubishi retira Carlos Ghosn da posição de chairman da mesa de diretores sendo interinamente substituído pelo atual CEO Osamu Masuko. Mesmo assim dão seu apoio à continuidade da aliança - o vice-presidente da Mitsubishi Motors disse que com os custos atuais de desenvolvimento é impossível que um construtor sozinho consiga sobreviver.


Novo CEO interino da Renault - "business as usual"
A Renault é a única da marca que não retirou Ghosn de CEO e chairman - apenas o substituiu por alguém com igual poder. As várias declarações do governo francês relativamente a este escândalo podem ser resumidas em 2 palavras "é complicado". Como noticiamos na anterior atualização a Renault já tem um novo CEO temporário - Thierry Bollore, o chief operating office da Renault. Que já fez uma declaração publica em video - e resumidamente disse que estão preparados para lidar com a situação e proteger os interesses do Grupo Renault e sustentabilidade da aliança. E não, não refere a palavra Ghosn uma única vez.



Acusações contra Carlos Ghosn - mais detalhes
Rendimentos não declarados - Ghosn e Greg Kelly terão conspirado para ocultar da Tokyo Stock Exchange cerca de metade dos 88 milhões de dólares que Ghosn ganhou em 5 anos na Nissan desde 2010, de rendimentos indexados a acções e compensações anuais das subsidiarias exteriores da marca japonesa. Segundo a NHK Ghosn terá ainda recebido cerca de 885.300 dólares em fundos não declarados de uma empresa baseada na Holanda. Se é a mesma empresa holandesa Zi-A Capital BV que Ghosn usou para comprar e remodelar propriedades para uso pessoal no Rio de Janeiro, Beirute, Paris e Amesterdão (ver abaixo) é outra história.

Apropriação de fundos - Compra e renovação de propriedades e família: A NHK já tinha referido que a Nissan gastou uma fortuna na compra e renovação de propriedades sem fins profissionais e não listadas para Ghosn no Rio de Janeiro, Beirute, Paris e Amesterdão - para completar essa noticio o Nikkei noticiou que a Nissan, através de uma unidade nas Ilhas Virgem Britânicas de um fundo de investimento holandês, comprou e renovou propriedades de Ghosn no Brasil e Libano no valor de 18 milhões de dólares. Segundo este relatório a Nissan também pagou milhares por férias familiares da família de Ghosn. O jornal japonês Yomiuri (o com maior circulação no pais) a Nissan paga 100.000 dólares por ano desde 2002 à irmã mais velha de Ghosn por um posto não existente de conselheira enquanto habita num apartamento de luxo pago pela Nissan no Rio de Janeiro.

Ghosn terá transferido perdas pessoais para a Nissan - segundo o jornal Asahi Shimbun Carlos Ghosn terá despejado 15 milhões de dólares de perdas de investimentos pessoais ocorridos durante a crise financeira de 2008 na Nissan via transferência dos derivativos para a marca Japonesa que acabou por ficar a arder com a conta. Segundo o jornal isto terá sido detetado pela "Japan Securities and Exchange Surveillance Commission" durante a normal inspecção anual.


Carlos Ghosn terá negado acusações
Infelizmente até agora toda a conversa sobre este tema tem sido apenas do lado da acusação, mas segundo a televisão publica NHK Ghosn e Kelly terão negado as acusações feitas contra ele - curiosamente Kelly terá dito que terá sido acordado com outros diretores da Nissan que parte dos rendimentos de Ghosn teriam sido "colocados de lado" (ou seja retidos pela marca) até que este abandonasse o posto e por isso não teriam de ser declarados.
Em declarações à Bloomberg o advogado de Carlos Ghosn Motonari Otsuru nega que o seu cliente tenha transferido as suas perdas para a Nissan - terá consultado a Nissan sobre a colateral necessária para a divida que contraiu mas não fez a transferência para a Nissan.


Ghosn detido até ao fim do ano?
Segundo o jornal Sankei novas alegações sobre a ocultação de rendimentos por Ghosn podem manter o anterior chairman da Nissan na cadeia até ao fim do ano.


Auditor terá questionado Nissan
Segundo fonte interna à Reuters a auditora interna da Nissan Ernst & Young ShinNihon LLC terá questionado varias vezes (principalmente em 2013) a Nissan sobre as transacções no centro deste escândalo, incluindo a compra de casa de luxo no estrangeiro e uso de direitos accionistas - ao que a Nissan terá respondido que eram corretas.
Ou seja, a Nissan terá validado não só a compra das propriedades pela Zi-A Capital BV como a não declaração de lucros accionistas por parte de Ghosn. O que é estranho - terá mais alguém na Nissan colaborado com Ghosn ou "fizeram-lhe a cama"?

0 comentários:

"