A crise da meia idade e o automovel - Audi RS2

Se há algo que é certo é que todos vamos morrer, e nós homens, temos uma forma curiosa de lidar com essa realidade - a crise da meia-idade. Trata-se de um fenómeno curioso e evolutivo, em que o automóvel tem a sua função: assustado com a perspectiva de morrer, nada melhor que algo rápido, pouco pratico, ruidoso, poderoso e as vezes caro para negar a nossa própria mortalidade. E o chumbo no pénis...

A ideia deste artigo é explorar alguns dos carros que muitos recorrem para, em desespero, taparem a careca. Mas este não é daqueles artigos com uma lista de carros - é um trabalho em progresso ao qual vou ao longo do tempo acrescentar novas vitimas. E os leitores podem participar pelos comentários ou pelo nosso email.

Mas como eu disse, trata-se de um processo evolutivo. E para melhor ilustrar o processo vou usar a versão modificada da escala de Hamilton Norwood, mas na tentativa de simplificar, adoptei para 5 etapas usando a escala do DefCon. Uma escala de 0 a 5, em que "0" significa "Crise? Qual crise?!" e "5" significa "Crise Total"


Mercedes CL
Desde a primeira geração, o Mercedes CL (antes SLC) parece ser feito à medida para homem que atravessa a crise de meia-idade pós-divorcio mas que quer dar uma imagem mais de sucesso do que viril.




Enquanto a estrela da Mercedes transmite uma imagem de sucesso, a linha de coupe sem os pilares das portas dá o fundamental ar viril e o longo capot que aloja grandes motores insinua igual proporção do membro fálico do seu condutor. Mas apesar do aspecto desportivo tem 2 confortáveis lugares traseiros que ficam parcialmente ocultados pelo pilar traseiro - perfeito para levar os filhos a passear durante as horas de visita definidas pelo tribunal de divorcio sem que ninguém se aperceba que os tem! Por isso, o Mercedes CL merece classificação 3.


Ford Cougar
A Ford sempre foi um dos herois do homem comum com os Fiestas XR2i e Turbo, Escort XR3i, RS2000 e Cosworth, Sierra Cosworth e RS500, mas no campo dos coupes másculos a historia é diferente. Depois do sucesso do Capri, a Ford tentou repetir o coupe desejavel com o Ford Probe que falhou completamente (nunca chegou a Portugal). Anos mais tarde a Ford tenta de novo com o Ford Cougar...e pelos vistos não aprendeu com o Probe.

O nome Cougar pode conjurar imagens de felinos selvagens e ferozes mas ao ver um Ford Cougar é possivel cheirar o desespero no ar. Mecanicamente é um Mondeo que apesar de dar um comportamento decente (conduzi um V6 em 2001) é tudo menos desportivo, pouco potente e a tracção dianteira fecha o caixão do Cougar que seguiu o caminho do Probe. Se um alarme toca é porque há um ladrão. Se vir um homem num Cougar a pedir-lhe direcções, encaminhe-o para o especialista de sexo mais próximo.
Por isso, o Ford Cougar merece classificação 5. Nomeado pela LigiaPT via Email


Ferrari Testarossa
O Ferrari Testarossa foi uma máquina espantosa. Criado pelo mestre Pininfarina, o seu corpo foi desenhado segundo o principio dos carros asa de Formula 1 e o 12 cilindros boxer produz uma das melhoras bandas sonoras do mundo. Juntamente com o Lamborghini Countach forrava a parede de muitos quartos no mundo. Foi de tal maneira significativo, que a Ferrari decidiu não mais usar o nome Testarossa.

Mas infelizmente para o mundo peniscentrista tambem representa o seu maior problema - era um icon associado a uma era que muitos querem esquecer. Acho que a VH1 arranjou a descrição mais simpática - Great music, bad haircuts. A era dos enormes penteados, casacos com chumaceiras, homens com maquiagem e Don Jonhson foi o primeiro e ultimo homem a ficar bem num fato branco...
Nomeado pelo João via comentário


Peugeot 407 coupe e Renault Laguna coupe
Quando estas marcas resolveram voltar ao mundo dos coupes sabiam que não podiam simplesmente fazer uma versão 3 portas do seu sedan - tinha que ser distinto. A Peugeot foi mais longe e contratou o mestre pininfarina (afinal se desenha Ferraris o que pode correr mal?) e a Renault instalou o sistema de direcção nas 4 rodas.


Mas o "lapis" que os engenheiros tinham na mão não era o mais adequado porque cometeram um erro critico - não alteraram o nome: qualquer homem que queira dizer que tem um coupé antes tem que dizer "Renault Laguna" ou "Peugeot 407" antes de chegar a "coupe" e isso dirá a qualquer comum dos mortais que é um carro familiar aborrecido, tambem disponivel em emfadonha versão carrinha, e só com um deprimente motor diesel debaixo do capot. Um pequeno detalhe que enterra completamente estes coupes franceses e sela de forma sonante o estatuto de total crise (classificação 5) de meia-idade de qualquer membro masculino que seja apanhado atras do seu volante.
Nomeado pelo Bruno via email


Mazda Rx7 e Rx8
O Mazda RX7/RX8 é o exemplo perfeito que ter a receita e ingredientes certos não assegura o melhor prato. Infelizmente o RX7/8 nasceu das mãos dos japoneses que não percebem nada sobre a crise de meia-idade - algo que explica porque é que são raros os desportivos japoneses que vingam.

Este Mazda é um debaculo penis-centrista de proporções mundiais. Apesar de terem a receita certa, um coupe de linhas agradaveis, motor turbo à frente com tracção traseira e um chassis desenvolvido especificamente para ser um coupe (não como o Audi TT que é um Golf por debaixo) os engenheiros da Mazda pensaram com o lapis que tinham na mão, algo de errado quando se quer desenhar um coupe.

A verdade é que o motor a frente é minusculo (lá vão as bocas Freudiandanas sobre a proporcionalidade entre o membro e o tamanho do motor) e para ser global, deram ao motor o nome do seu inventor alemão - Wankel. Palavra muito semelhante ao jargão ingles Wanker - aquele que bate muitas pivias...

E sempre que alguem lhe pergunte o que é um motor rotativo, voçe tem que explicar que é um motor com pistões triangulares que não sobem e descem marcando o proprietário como cromo em completa crise (classificação 5)de meia idade!
Nomeado pelo Paulo F. via email


BMW M5
Como alguns devem saber tenho 2 filhos - uma rapariga de 5 anos e um terrorista de 2 anos, e se há coisa que tenho certeza é que muito provavelmente eles vao ter 30 anos e ainda vão estar a viver com os pais. Mas isto não é um fenomeno novo - ha muito que os filhos aumentam a sua estadia em casa dos seus pais impedindo que o pai troque o velho carro familiar por algo desportivo, desconfortavel e viril.

Mas podemos contar com a BMW para detectar os nichos do mercado - eles ouviram a dor dos pais do mundo e convenceram o pessoal do departamento M a enfiarem uma versão modificada do V6 usado no M1 dentro do chassis de um serie 5 comum e nasceu um mito - o M5 veio ao mundo.
E desde essa altura, filhos têm medo de abrir a boca para perguntarem se ainda falta muito e esposas impedidas de refilarem com o marido no regresso dos almoços com os sogros porque sabem que ele só tem usar o pé direito para que todos engulam a lingua!
Crise de meia idade? Qual crise de Meia idade! - classificação 0.
Dedicado ao meu novo amigo Pedro R.


Ferrari Mondial Cabriolet
Se ha algo comum a todos os Ferrari é que são caros, pouco practicos e que apenas alguns mais afortunados podem adquirir e conduzir um. E é ai que entram os modelos mais fracos e mais antigos, Ferrari's como o 308, 328, 348 e o meu prato do dia, o Mondial. O Mondial podia ter um V8 central que permitia 4 lugares mas era lento e quando pensamos que era vendido ao lado do Testarossa e F40, pouco atraente também. E quando veio a versão descapotavel ficou mais pesado e menos desportivo mas manteve os 4 lugares.
O que o torna perfeito para aquela altura em que a esposa resolve partir levando os crianças decidida a não voltar - sempre que for apanhar os miudos para os fins de semana a que tem direito, pode ter a certeza que ela vai ficar a ferver. Pode não ser um bom Ferrari e quando emparelhado com uma careca grita a plenos pulmões "Crise de Meia idade a Bordo" mais alto que o 8 cilindros mas se deixa a ex-esposa em fúria então merece um 4 na escala de meia idade.

Audi RS2
Quando falamos de carrinhas há 2 periodos a contemplar: ANTES DO AUDI RS2 (tambem conhecido pelo periodo do "Volvo Beje") e DEPOIS DO AUDI RS2. Nunca antes na historia tinha surgido uma melhor forma de convencer um solteirão a assentar e constituir uma familia.
Curiosamente o Audi RS2 começou como um projecto experimental entre a Audi e a Porsche que se resume basicamente em a Audi dar um Audi 80 Avant à Porsche e deixar a Porsche fazer todo o genero de insanidades com ela. Puxaram o motor a 300 cavalos (suficiente para acelerar uma familia de 4 dos 0 aos 100km\h em 4,8 segundos), redesenharam toda a suspensão e travões (do 968 Club Sport) para que pudesse lidar com toda a cavalagem. Os farois, jantes e espelhos tirados do 911 completaram o pacote - se cupido tivesse um automovel, seria um Audi RS2.
Crise de meia-idade? Qual crise! - classificação 0.

39 comentários:

  • Unknown says:
    25 de fevereiro de 2010 às 15:47

    Dos muitos posts que colocas dos quais não concordo, ou simplesmente acho de tal maneira despropositados ou ridículos que nem merecem comentário, este para mim, ultrapassa todos eles.
    Tenho boa solução é bem verdade, não vir aqui mais, mas o problema e que gosto de vir, e até ás vezes de me rir do q se vai escrevendo por aqui..
    Por exemplo, a tua obsessão com os problemas da toyota, aquele teu post sobre a publicidade do Auris, algo elaborada a meu ver, ainda do dia anterior tinhas colocado a mesma imagem e não tinhas feito qualquer comentário ;
    outro exemplo recente, aquele do Ferrari que vai de frente, culpas o condutor quando este não tem culpa absolutamente nenhuma(quando muito, como depois “corriges” seria dos pneus)
    A mania dos carros alemães é que são bons e os franceses não valem nenhum,principalmente no que toca a desportivos, como naquele post do mégane RS..
    Eu já reparei que és um fanboy audi, mas pronto, como diz o outro, também não havia necessidade..

    Entretanto e com toda a razão, poderás dizer-me, "mas o blog é meu e eu escrevo o que bem entender",mas nisso estamos totalmente de acordo.
    isto também não passa de um comentário e como tal não tens de lhe dar qualquer importância..

  • Turbo-lento says:
    25 de fevereiro de 2010 às 23:54

    Facto importante - não tenho marca favorita (muito menos a Audi), no reino automovel sou agnostico. Admiro as máquinas mas não tenho marcas preferidas e tirando as marcas chinesas, não desgosto de nenhuma.

    E aproveito a deixa para o tema Toyota - se os problemas actuais fossem de outra marca dariamos exactamente o mesmo acompanhamento. Primeiro porque quase ninguem o acompanha (nem a DECO esta interessada) e segundo porque é um tema que afecta a segurança das pessoas. A tal foto do Auris (é de um corolla) é de uma campanha publicitaria que a Toyota esta a fazer nos EUA e eu acho de mau gosto tendo em conta as mortes que a Toyota causou. Pior agora que se sabe que o dirigente da Toyota america gabou-se de ter poupado milhões a fintar temas de segurança. Eu tive 2 Yaris e adorei-os - e estive para ir para um Corolla mas não faziam carrinha e estou desapontado pelo caminho tomado. Veremos como acaba.

    Relativamente ao artigo descabido, se leres com atenção não estou a escrever sobre o carro mas sobre as pessoas especificamente sobre os homens e como lidamos com a nossa mortalidade. E tirando algumas excepções, não escrevo sobre carros mas sobre as pessoas que os imaginam, que os constroem, sobre as pessoas que os adoram e que os odeiam.
    Sobre as pessoas que se fossem logicas apenas comprariamos Hyundais porque são baratos, fiaveis e levam-nos de A a B. Mas não, o ser humano teve que dar "alma" e "coração" a um monte de metal...expressamos o nosso lado irracional mesmo nas máquinas.
    E isso tras-me ao comparativo do scirocco, TT e Megane - falei nos franceses e alemães porque o Megane só estava lá para mostra quanto bons eram o alemães - estava a abordar o chauvinismo de 4 rodas. Outro exemplo seria a birra que os franceses estão a fazer porque a Peugeot escolheu um novo lema e é em ingles mesmo na publicidade francesa.

    E entre um Golf, um Astra e um mEgane comprei um Megane para carro de familia.

    E este blog não é meu - é de todos. Todos vos fazem-no com os vossos comentários, emails e ideias. Já tenho 2 emails com sugestões para este artigo e acho-os optimos - e não são carros alemães.
    Se quiseres dar o teu ponto de vista sobre o mundo automovel, junta-te a nós.

  • Daniel says:
    23 de março de 2010 às 19:09

    Mercedes G 500.
    É o que me apetece conduzir quando tenho estas crises.
    Dá a ideia que não és materialista e não ligas muito à imagem.
    Mas quando se entra no carro é que se vê que se foi enganado.

  • Manel says:
    5 de abril de 2010 às 20:57

    Este artigo e de chorar a rir!!!
    Eu acho que O Carro da crise de meia idade é sem duvida nenhuma, e os meus irmãos Porschistas convictos como eu que me desculpem, é o 911 Carrera 4 Targa/descapotavel. É um carro que grita "estou em crise de meia idade!"
    Ja agora que tal como um dos carros da crise um Maserati?

  • Taxativo says:
    6 de abril de 2010 às 01:09

    Saiba que apesar das críticas, ainda existem aqueles que admiram o blog.

    Sou brasileiro e dentre milhares de blogs sobre carros em português escolhi este pelos seguintes motivos:

    -Regularidade dos Posts (Frequência)

    -Relevância dos Temas (sim crise da toyota é relevante, uma vez que esta chegou a ser a maior fabricante de carros em 2008)

    -Abordagem em tom de humor (que é feito de forma adequada e nos momentos oportunos)

    Parabéns e muito sucesso.

  • Unknown says:
    6 de abril de 2010 às 01:35

    Ninguém se lembra de um Ferrari ?

    Quando se chega a uma certa idade e se tem dinheiro um Ferrari é ponderado, isto no mundo dos super-desportivos atenção ..

  • Michordeiro says:
    6 de abril de 2010 às 10:55

    Durante muito tempo o carro da crise da meia idade era o Mercedes 220D, depois o Mercedes 190D, depois assistiu-se a uma época dos BMW 525Tds, agora são os BMW 320d e os Audi A4 2.0 TDI. Isto no mais comum... Quem não lembra de na época passada da moda de divorciados de meia idade tesos a rondar festas e bares de Mercedes 190D e boina na cabeça? Ainda hoje há quem associe os Mercedes a homens de boina....
    Também há muitos que depauperados dos estudos dos filhos e tendo de oferecer um carrito novo a cada filho formado, o carro pós divorcio é o velhinho Mondeo, Passat ou Vectra... Assisti a muitos assim...

  • Turbo-lento says:
    6 de abril de 2010 às 12:54

    Obrigado Taxativo pelo elogio - as criticas são construtivas mas um elogio sabe sempre bem.

    Manel - Relativamente ao Porsche 911 é um alvo facil e lá chegaremos mas para já queria ir atras daqueles menos esperados.

    Marcos - Maserati e ferrari são boas ideias mas têm que ser modelos mais "acessiveis". Estou a pensar no Ferrari Mundial ou no 308...Se tiverem algum modelo em particular partilhem

    João - Relativamente aos BMW e Audi esses não alimentam o desejo freudiano de algo que alivie a sensação de chumbo no lapis. Alguns são até carros familiares de eleição.

  • Michordeiro says:
    6 de abril de 2010 às 13:16

    Turbo-Lento,

    No mercado de clássicos existem maravilhas para um homem grisalho, livre dos filhos e da mulher... mas com chumbo a mais no piston... Até já assisti a alguns... Ainda há dias aqui perto de mim um investiu num clássico que lhe assenta bem no cabelo grisalho.... um BMW 635 Csi. Há excelentes exemplos de clássicos:
    - Bmw 635 Csi - Nota 3
    - Bmw Z1 - Nota 1
    - Bmw 850i - Nota 2
    - Bmw M3 Evo - Nota 3
    - Aston Martin DB7 - Nota 1
    - Jaguar XJS - Nota 3
    - Mercedes 280SL Pagode - Nota 2
    - Morgan Plus 8 - Nota 1
    .....
    Por fim 4 que compensam qualquer chumbo a mais....
    - Ferrari Testarossa
    - Ferrari 288 GTO
    - Corvette Stingray Convertible
    - Shelby Cobra
    com nota "Zero"....
    Qualquer chumbito a mais desaparece ao volante destes clássicos... que assentam que nem uma luva no grisalho de um solitário cinquentão....

  • Turbo-lento says:
    6 de abril de 2010 às 18:37

    Estão aí algumas ideias interessantes...

  • Michordeiro says:
    6 de abril de 2010 às 18:56

    Ainda não há muito tempo que o magnata James Glickenhaus para combater a sua crise da meia idade investiu neste modelo que sinceramente achei uma óptima solução: http://www.pininfarina.com/index/storiaModelli/ultimi/p4_5.html

    Também há o Bentley Continental Azure, mas quando olhamos para um grisalho numa coisa dessas, sabemos que o piston é 100% chumbo... Mas que se está borrifando para a virilidade...

  • Leça Ferraz says:
    13 de abril de 2010 às 05:49

    Parabéns a todos! O melhor post (pelo menos o mais original) que vi aqui até hoje. Fico ansiosamente à espera de novos desenvolvimentos. Achei piada quando falaram do 190D como carro para crise de meia idade. Tenho 29 anos e assim que tiver uns trocos vai ser a minha escolha. E não é para show off (poupem-me). Aquilo além de não andar, deve muito à estética. É sim, um carro extremamente eficaz, robusto, bem construído e com excelentes consumos. Mas todas as ideias são boas para fazer deste um dos top posts deste blogue! Como clássico, sugeria talvez o Jaguar XJS. Mais recente, porque não o Honda S2000? Para os cinquentões que sabem conduzir e envergonham muitos miúdos armados em pimpolhos!
    Cumprimentos a todos

  • Ricardo Morgado says:
    21 de maio de 2010 às 13:24

    E o mazda Mx-5?
    Penso que também se poderia enquadrar dentro do que se fala neste post não?

  • reflexos de alma says:
    21 de maio de 2010 às 13:44

    Nahh... não tanto por aí, a crise de meia idade não tem a ver com o medo de morrer, mas mais com a ideia de ter perdido a juventude sem a ter aproveitado como gostariam, e então há a necessidade de recuperar o tempo perdido, e viver o que não foi vivido. A Escolha dos automóveis não me parece a mais correcta, geralmente vão para os carros desportivos, carros potentes, e em grande parte descapotaveis (pois também ajuda no engate daquela rapariga 10 anos mais nova!!!lol)

  • Turbo-lento says:
    21 de maio de 2010 às 14:44

    o mazda Mx-5 não encaixa bem por 2 razões: todas as 3 gerações foram eleitas carro gay do ano por varios sites e os tuners adoram modifica-los.

  • Manel says:
    21 de maio de 2010 às 17:19

    E um Aston Martin "zito"? Tipo o DB9 Volante que grita "Miudas olhem para mim!!!"...

  • Ribeiroplace says:
    23 de maio de 2010 às 13:37

    Apesar das críticas positivas e negativas que tenho visto sobre este artigo, ninguém te tira a habilidade de escrever desta maneira, continuas a ser o magnata dos artigos e não há crise de meia idade que te afecte, parabéns pelo post.

  • Turbo-lento says:
    23 de maio de 2010 às 17:42

    Mesmo depois de eu dizer mal do Peugeot 407 coupe...que eu sei que tu gostas?
    Mas não queria deixar de agradecer (já era tempo) as inumeras ideias que tenho recebido - eu apenas enquadro-as quem tem as ideias são os leitores. A eles, os meus agradecimentos...

  • Unknown says:
    18 de junho de 2010 às 06:30

    olha o mx5 para mim é o carro que mais se enquadra no que tu chamas crise da meia idade, foi o carro que o meu pai comprou com 50 e tais anos, apenas porque lhe apeteceu, e não, não é gay se não eu não estava aqui a comentar o teu post pela 2ª vez...ahh e eu gosto muito do carro, foi o meu primeiro carro até, e não,também não sou gay,e já agora nem metrossexual, sim também tenho um mini cooper, tu realmente consegues acertar em todos os carros que tenho em casa é fantástico..Quanto ao caminho que o post leva, bem..o blog continua a ser teu..um abraço
    ps: o discovery channel considerou o mx5 o 2º melhor desportivo de sempre, em 1º ficou o porsche 911..(concerteza quem os escolheu eram todos gays)

  • Turbo-lento says:
    18 de junho de 2010 às 10:51

    Curiosamente, tambem o meu pai tem um MX5 e gosto do mx5 - eu não o acho gay, mas a verdade é que tem sido votado o carro de ano quase todos os anos pelos sites automoveis gay!
    relativamente ao mini cooper, todas as regras têm as suas excepções, mas a verdade é que vejo 98% dos Minis nas mãos de louras ou homens com bronzeados alaranjados, oculos dolce e qualquer coisa e claro abuso de cremes hidratantes. Podia ser pior - podias ter um VW bettle!
    Relativamente ao blog, não é meu - eu participo logo trago o meu ponto de vista. Mas se queres, ou qualquer leitor, quiser trazer o seu ponto de vista para este blog é sempre bem-vindo. O 4rodas1volante é dos seus leitores.

  • Unknown says:
    18 de junho de 2010 às 17:26

    Turbo-lento, apesar de não concordar com algumas coisas que dizes não é por isso que deixo de participar,até tenho feito alguns comentários aos teus posts, e este é dos poucos sites que visito diariamente,e é sem dúvida o que mais gosto dentro do mundo automóvel..
    e sim o VW bettle não é exemplo gritante de masculinidade(mas tb não o considero gay )a apesar de saber que trazer uma flor d plástico no tablier de série não ajuda em nada.. mas então que me dizes daquela versão do micra cc em rosa?ou então do C3 Pluriel?

    outra coisa, quando falas no peugeot 407 coupe neste mesmo post dizes que foi desenhado pela pininfarina, mas o último carro que fez para a peugeot foi o 406 coupe..abraço

  • Santos says:
    2 de agosto de 2010 às 23:35

    Não acho que haja crise de meia idade, mas pessoal que chega a uma idade com dinheiro para gastar e sem ter os filhos a azucrinar a cabeça e a gastar o dinheiro dos velhotes em discotecas e jantares com as meninas. Mas, fazendo de conta que existe crise da meia idade no mundo automóvel, talvez o MX5. Acho que é transversal a todos os níveis. Pode ser de 95 de 2005 ou de 2010, é indiferente, acho que é o melhor exemplo. Se bem que já se vê muita gente "cota" de Audi A5...

  • Anónimo says:
    8 de dezembro de 2011 às 05:13

    Caro TurboLento, tu deves ser mesmo um pobre coitado ... Eu gostava de te ouvir a dizer-me para eu ir ter com o «especialista do sexo» ao pedir-te direcções no meu Cougar.
    Fica sabendo que há gostos para tudo e o Cougar é um muito bom carro! Por isso mais vale tares caladinho em coisas que não percebes patavina! Agora insinuares que as pessoas que andam com certos carros é porque têm um problema......dizias isso à minha frente que eu já te mostrava se tinha um problema! Palhaço....

  • Turbo-lento says:
    8 de dezembro de 2011 às 13:22

    Pobre coitado não diria, tenho uma vida boa e apesar de não ter nenhum dos meus carros de sonho conduzi muitos outros e alguns de sonho - dai que até percebo um pouco do que falo. E se leres com atenção, eu não disse que o Cougar fosse um mau carro - é um Mondeo e acho que nunca houve um mau Mondeo. Mas é um mau desportivo - conduzi ha algum tempo um V6 topo de gama e posso dizer-te que a tracção esta no sitio errado, não era rapido, as acelerações eram comuns, o interior era triste, a Ford quase que nada mexeu nas suspensões e travões. E acima de tudo, conduzir um desportivo deve ser um evento, algo de especial - este nem inspiracional era, era apenas um Mondeo. Era muita coisa mas desportivo não era. E tal como os equivalentes em outras marcas cairam rapidamente na noite do esquecimento e muitos dos que ficaram acabaram nas mãos do tipo errado de pessoas. Da mesma forma que infelizmente os Calibra cairam nas mãos de tuners de menos recursos.
    Já sobre a caracteristica oferta de violencia, acho que era Isaac Asimov (o celebre bioquimico e escritor) que dizia "Violencia é o ultimo recurso do incompetente". Quer falar de carros e provar que estou errado esta a vontade, violencia não desço tão baixo.

  • Anónimo says:
    8 de dezembro de 2011 às 14:01

    Faltou uma coisa - este artigo, bem como outros do Turbo, são sátiras ao ser humano e à sua relação com o automovel, neste caso ao homem e à "sua fase".

    E sim, violencia resolve tudo.

    Ligia

  • Anónimo says:
    9 de dezembro de 2011 às 00:06

    Acho completamente desnecessario senhor anonimo.Acho que deve organizar um motin em inglaterra a favor da morte do Jeremy Clarkson pois o que mais faz são comentarios ao estilo do comentario que o turbo fez.Basicamente e colocar alguma distraçao e ate comedia na conversa sobre o meu favorito tema: carros.Visito este blog diariamente e nao conheco o turbo de parte alguma, nunca o vi mais gordo ou mais magro as sinto-me obrigado a defende-lo perante este completamente descabido comentario.

  • Anónimo says:
    9 de dezembro de 2011 às 05:15

    Pois não, o Cougar não é um puro desportivo, é mais um carro para andar longas distâncias à uma boa velocidade.
    Além do mais, o Cougar também não é um verdadeiro coupé. Mas isso também não interessa, o que interessa, é se o carro agrada as pessoas ou não.
    Que seja o 2L e o V6 são 2 modelos muito bons.
    Um bocado limitados certo, devido principalmente ao respectivos pesos, mas têm «performances» mais que suficientes. Não têm um consumo exagerado como muitas vezes as pessoas insinuam, são carros muito fiaveis tanto a nivel de mecanica, como de construção em geral, tem uma estética espectacular, é super confortavel e proporciona um grande prazer de condução.
    E talvez aquilo que mais me da prazer, é não ter que andar (desculpe o termo) na mesma merda do que toda a gente. Ando saturado de ver A4 TDI, 320D, 220CDI, etc, à «poluirem» as estradas portuguesas! Aqui neste país, tem que se ter obrigatoriamente um modelo dessas marcas premium alemãs, porque senão fica-se atrás... Enfim.....Uma coisa é certa, EU conheço e sei o que é um Cougar, e conheço muito bem estas duas motorizações. E á maior parte das pessoas, não sabem o que é um Cougar. Mas dão-se ao luxo de mandar comentarios miseraveis sobre coisas que não sabem.
    Em Portugal, só saíram 205 Cougars e apesar de ter sido um fracasso de vendas e o seu valor comercial se encontrar num nivel cada vez mais baixo, orgulho-me deste carro! Estou convicto que daqui há algum tempo, tornar se-a um carro de colecção.
    Os unicos defeitos que lhe posso apontar, serão a qualidade de alguns materiais usados no interior, o espaço em altura nos bancos traseiros e pouco mais.
    No mundo automovel, há gostos para tudo e para todos e eu acho que tem que começar a saber medir o teor das suas palavras, antes de insultar indirectamente as pessoas como fez neste artigo. Eu e muitas pessoas que conheço proprietarios de Cougars, não têm problemas nenhums, ou crises de meia-idade como insinua.
    Bem pelo contrario, sou e há muita gente apaixonada por este modelo e tem que respeitar isso.
    Também se aplica aos proprietarios de outros modelos aqui citados, que são carros muito bons!
    Por isso reafirmo sim, está erradissimo! Sátira ou não, não tem o direito de opinar sobre os gostos das pessoas, desta forma insultuosa.
    E reafirmo igualmente, que se alguém como você, me dissesse para eu ir ter com o especialista do sexo na situação que citou, pode ter a certeza que lhe enfiava essa lingua comprida pela garganta abaixo.
    Cumprimentos.

  • Anónimo says:
    9 de dezembro de 2011 às 11:41

    Caro senhor segundo anónimo, o seu comentário nem merecia resposta, mas enfim...é mais forte do que eu.
    Apesar de ter algum apreço pela qualidade, principalmente pelos bólides apresentados, do programa Top Gear, já não posso dizer o mesmo da forma como muitas vezes são feitas as várias analises à cada um deles. O Jeremy Clarkson é um grande especialista e conhecedor do mundo automóvel, no entanto e, à maior parte das vezes, discordo da arrogância dele. Muita gente, incluindo eu próprio, não sabemos nada em comparação com ele. Mas mesmo assim, acho que há que saber ser menos arrogante e mais respeitador, algo que ele não faz muitas vezes. Já é sabido que essa personagem demonstrou por várias vezes ter comportamentos racistas e homofóbicos, também tem um certo desprezo (panca estúpida...) por tudo o que está ligado à França e aos franceses, entre outras coisas, etc...
    Por isso, não, não desejo à morte de ninguem, mas também não o vejo como exemplo nenhum à seguir. Para muita gente, e decerto que para ele também, deve achar que é dono da Verdade nesta area ou algum Deus do automovel, para mim não o é.
    Cumprimentos.

  • Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
    Besedaeste says:
    9 de dezembro de 2011 às 13:02

    Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

  • Turbo-lento says:
    9 de dezembro de 2011 às 16:33

    Tive que eliminar 2 comentários porque creio que a discussão estava a atingir um ponto que não queria que chega-se. Creio que o comentário do Besa e do anonimo acima queriam ambos criticar a facilidade e vontade com que o 1º anonimo parte para a violencia - o anonimo usou o Clarkson como metáfora, o Beseadeste usou outra. Podemos ter a maior das razões, assim que baixamos à violencia perdemos toda e qualquer razão. Não afirmo ser detentor de todo o conhecimento nem desejo ser Clarkson. Ele tem o seu feitio e acima de tudo é um entertainer, tendo ele mesmo já admitido que o Top Gear é mais uma sitcom do que um programa de automoveis - mas creio que as audiencias e os downloads na net dizem algo sobre como o publico o apreciam. Eu pessoalmente, sempre preferi Tiff Needell.
    Sobre o Cougar, o que descreve é um Grand Tourer (ou GT), algo que a Ford não concorda porque quando o apresentou (ate em Portugal) como sucessor do Capri, um desportivo para as massas.
    O Cougar, infelizmente, foi vitima dos contabilistas e acabou por ser um flop.
    Já sobre a natureza deste artigo, a Ligia tem razão, é uma sátira e acima de tudo, devemos saber rir até de nós proprios e não levar as coisas a peito. Afinal, e usando a expressão comum, só enfia a carapuça quem quer.

  • David S. says:
    9 de dezembro de 2011 às 17:09

    Como já disse nos posts anteriores, sátira ou não, é lamentavel da sua parte ter tido uma afirmação daquelas.
    Exactamente, só enfia a carapuça quem quer!
    Posso não ter tido a melhor atitude, mas você também não, ao colocar essas afirmações neste site.
    Fique bem!
    David S.

  • Anónimo says:
    10 de dezembro de 2011 às 18:45

    Sabe que ao sair assim esta a confirmar outra atitude que podemos associar o Cougar com outro estigma? De ser conduzido por arruaceiros. E se como diz são poucos, provavelmente um dia ao cruzar-me com um Cougar já sei o que esperar.

  • Anónimo says:
    12 de dezembro de 2011 às 19:41

    citando o meu amigo... ( salvo seja )

    "A verdade é que o motor a frente é minusculo (lá vão as bocas Freudiandanas sobre a proporcionalidade entre o membro e o tamanho do motor) e para ser global, deram ao motor o nome do seu inventor alemão - Wankel. Palavra muito semelhante ao jargão ingles Wanker - aquele que bate muitas pivias..."

    Denoto nas suas palavras uma tendência Homosexual na medida em que com muitíssima facilidade encontra cariz sexual em tudo.
    O meu amigo, ( salvo seja ) deveria sim ir a um " especialista do sexo"

    Abraço.

  • Turbo-lento says:
    12 de dezembro de 2011 às 22:27

    Estou não só em contacto com o meu lado feminino, como em contacto com o meu lado gay tambem.

  • Anónimo says:
    12 de dezembro de 2011 às 23:02

    O "amigo" anónimo esteve 3 dias (de 9 as 12 de Dezembro) a pensar e essa "insinuação" é o melhor que arranjou?

    Ligia

  • Anónimo says:
    13 de dezembro de 2011 às 03:42

    Á menina Ligia.

    Por acaso está enganada. Se bem que o Anónimo a quem a menina se referia ser conhecido meu, e foi por indicação dele que vim ver o blog.
    Realmente poderei ter exagerado e peço Desculpa ao seu amigo Turbo-Lento se bem que acho que ele não precisara de advogada "DO DIABO" e assim termino a minha conversa com a menina, é feio meter-se nas conversas alheias.
    Caro amigo Turbo-Lento apenas reagi da forma como reagi porque um motor tão fiável em tudo menos complexo que os motores de piston normais não pode ser comparado a um mero batedor de pivias... é desprestigiante queira concordar...
    Quanto ao RX8 não tem 1 mas sim 2 wankels debaixo do capô... convenhamos que é muita pivia á solta...
    Bem aja.

    Isaac.

  • Turbo-lento says:
    13 de dezembro de 2011 às 10:39

    A amiga Ligia é uma leitora assidua e bastante desembaraçada, e como ambos estavam como anonimos acabou-se por gerar troca de identidade. Dái a importancia de assinar em baixo com o nome ou nick.

    Já sobre o RX-8 e a fiabilidade do motor rotativo, é o eterno problema da selagem do rotor que acaba por ditar o fim do motor ao fim de algum tempo. Foi isso que enterrou o NSU Ro80 se bem que os consumos de combustivel elevados tambem não ajudaram. è um motor simples, menos peças moveis e com menos vibrações - mas de tempo de vida curto. Se bem que a AUdi esta a usa-lo como prolongador da autonomia no audi A2 electrico que já anda por ai em testes.

    Já sobre o nome, é algo de infeliz mas real - a similiridade do nome do motor e autor com o jargão ingles. E curiosamente estou a terminar um artigo sobre isso - sobre nomes de automoveis infelizes.

    E já agora, veja aqui http://www.4rodas1volante.com/2010/11/trivialidades-de-4-rodas_26.html

  • Anónimo says:
    24 de março de 2012 às 01:20

    METE O HONDA NSX!!! vá laaaaa!

  • Turbo-lento says:
    24 de março de 2012 às 12:37

    O honda nsx não é um automovel de crise de meia-idade: só alguns o apreciam pelo grande carro que na verdade é e isso não basta para quem esta em plena crise-de-meia-idade. Tem que ser algo vistoso, que berre e seja desconfortavel e nada pratico. O NSX é discreto (se não for o type R) facil de conduzir, confortavel.
    Mas hoje conduzi um BMW 850 e esse merece destaque