GM continua nas bocas do mundo

Temos abordado o tema da GM e o debáculo do SwitchGate no 4Rodas1Volante (curiosamente poucos sites portugueses falam nisso) e é facil apenas mirar a General Motors mas acredito que este caso está a afligir bastante todos os construtores automóveis. É que neste momento já não se fala de multas, mas julgamento criminal.

Antes da GM tivemos a Toyota com os aceleradores colantes, caso que foi recentemente encerrado com a marca japonesa a aceitar pagar uma multa de 1,2 mil milhões de dólares - para uma marca mundial não é assim tanto dinheiro, os advogados ficam satisfeitos por receber a sua parte e o governo mostra que defende os consumidores. Só que neste caso da GM, tal como no jogo do Monopólio, está em cima da mesa a carta de ir directamente para a cadeia - e isso assusta toda a gente: de que ao invés de uma multa que a empresa paga e tudo continua, estamos a falar (pela primeira vez creio) de pessoal ir dar com os costados na cadeia.

A grande diferença entre Toyota e GM é que a marca americana esta a ser apanhada a activamente esconder e ignorar o problema e isso é mau. Toda esta situação esta de certeza a mudar a forma como os construtores (e refiro-me a todos) internamente classificam e registam defeitos e problemas - especialmente quem e quando são detectados. Algo que os construtores tentam não fazer porque assumir culpas é algo de muito mau - para eles claro.

A CEO da GM não faz nada disso e já veio a publico pedir desculpas e que a GM assume a responsabilidade mas a verdade é que o está a fazer porque não tem escolha - especialmente se quiser proteger as vendas da GM que arriscam uma ripeirada se tentar fugir com o rabo à seringa. Mesmo assim aposto que vamos ver a GM a tentar atirar as culpas para a "velha GM", seja gestores seja pessoal responsável pela engenharia dos produtos. Mas algo é certo, a GM pela segunda vez mudou a forma como o consumidor, governos e construtores se relacionam - a primeira vez foi com o Chevrolet Corvair de 1965.

Mas o que há de novo no SwitchGate?
Nova documentação veio a publico e que continua a pintar um quadro muito negro da GM - uma empresa disfuncional, em negação e que o cliente pouco ou nada era levado em consideração.
 Exemplos - confirmação que engenheiros da GM em Maio de 2009 pela análise de informação das caixas negras dos Chevrolet Cobalt concluíram que estes definitivamente tinham um problema que podia causar acidentes fatais e só agora (2014) é que avançam com uma correcção - isto partindo do principio que avançaram por vontade propria e não por terem sido apertados noutro processo em tribunal.
Outra bomba foi a confirmação que um engenheiro da GM mentiu em tribunal sobre o seu envolvimento neste tema - um engenheiro chamado Ray DeGiorgio (que ainda esta na GM) disse em tribunal que não tinha assinado qualquer autorização para redesenhar da ignição problemática que a ter sido feita deveria ter gerado uma série de alertas internos na GM. Veio agora a publico um documento de Abril de 2006 em que o tal engenheiro afinal autorizou o redesenhar, sem que tenha sido atribuído um novo número de peça tornando impossível distinguir entre componentes defeituosos e os corrigidos.

Ainda sobre o "real custo" da reparação se ela tivesse sido feita na altura - vários emails de 2005 de engenheiros da GM indicam que a correção teria um custo de 90 cêntimos de dólar em peças e 400.000 dólares em maquinaria (algo que seria amortizado ao longo de alguns anos). Um desses emails de um engenheiro chamado John Hendler diz que a GM continuaria a usar a peça fabricada pela Delphi (mesmo quando esta disse em 2002 que o componente não estava de acordo o caderno de encargos da marca) até que o custo do novo componente fosse elinado ou substancialmente reduzido.
 A GM apenas redesenhou a peça em 2006 e mesmo essa continuava abaixo das especificações da própria GM - algo que devia ter dado alertas mas nada aconteceu.

Caracterizei a GM como uma empresa disfuncional, em negação e que o cliente é ignorado, mas creio que John Stewart consegue fazer melhor - para terminar ficam 2 vídeos do The Daily Show com John Stewart, programa que ilustra o quanto baixo e ridículo um sistema político consegue descer, e se olharmos bem até dá para ver algumas semelhanças com certas personagens da política portuguesa.

2 comentários:

  • Alberto Silva says:
    7 de abril de 2014 às 19:01

    Confesso que ficaria surpreendido se em causa estivesse a Ford e não a GM. Da GM nada surpreende (e note-se que falo da GM e não da Opel).

  • Turbo-lento says:
    8 de abril de 2014 às 11:22

    A Opel tem conseguido manter-se fora da "atitude americana" e manter uma posição correta. Acredito que a Opel tem tudo para dar uma a corrida a muitas marcas na Europa mas a gestão via GM simplesmente não a deixa.
    Acho que Jon Stewart diz tudo...e inclusivamente chama a atenção de algo muito interessante: foram buscar uma nova CEO e disseram-lhe acerca do problema apenas na semana que assumiu o cargo. Isto partindo do principio que ela esta a dizer a verdade

"