Novo Renault Mégane E-Tech eléctrico apresentado

Anunciado como concept ao lado do igualmente concept R5 na Renaultlution do CEO da Renault Luca De Meo este é o Renault Mégane E-Techelétrico - o primeiro da nova ofensiva elétrica da Renault e enfim dar ao Zoe (que já cá anda desde 2012) um descanso merecido.

Antes de mais é importante dizer que apesar de se chamar Megane E-Tech não tem nada a ver com o homónimo Megane E-Tech que pode comprar atualmente em qualquer concessionário da Renault - é um modelo completamente novo baseado na plataforma do Nissan Arya e irá ser vendido ao lado do homónimo de combustão interna até que seja simplesmente descontinuado.


Exteriormente pouco mudou relativamente ao concept e definitivamente parece familiar mas não exatamente um Mégane. Tem um look mais SUV (como as cavas das rodas alargadas), jantes de 18 a 20 polegadas, frente levantada, uma iluminação 100% LED, pegas das portas integradas nas portas à frente e apesar de parecer massivo até é relativamente compacto - com 4,21 metros de comprimento é 12 centímetros maior que o Zoe (4,09 metros) mas 16 centímetros mais curtos que o atual Megane que tem 4,36 metros. Mas ultrapassa na distancia entre eixos - 2,69 metros que são mais 2 centímetros que o novo Peugeot 308.



Como os restantes elétricos aproveitando a grande distancia entre eixos (graças à plataforma elétrica) o interior parece vasto. Este Mégane E-Tech elétrico recebe a resposta da Renault ao i-cockpit da Peugeot: o tablier Open-R. Temos um volante quase quartico (provavelmente uma homenagem ao Austin Allegro) e 2 ecrãs num L deitado - um de 12.3 polegadas para o conjunto de instrumentos digital e outro tactil de 9 ou 12 polegadas para o sistema multimédia ligeiramente virado para o condutor. Este recebe o novo sistema Open-R desenvolvido com a Google incorporando os mapas e a assistente digital.



Boa noticia é que a Renault manteve alguns botões físicos, neste caso para o sistema de climatização - a má noticia é que não tem um botão para o volume do rádio. O volante recebe superfícies tácteis como nos recentes produtos da VW e não vale a pena procurar o seletor da caixa de velocidade porque é uma manete que está escondida atrás do volante.

Mecanicamente falando este Megane E-Tech Electric é baseado na plataforma para elétricos CMF-EV estreada pelo Nissan Arya. Mas ao contrário do primo japonês este Megane apenas vai estar disponível como tração dianteira com 2 escolhas de potência e de dimensão de bateria. Apesar de usar a mesma tecnologia de imanes do Zoe os motores deste Megane são mais silenciosos, mais pequenos, mais leves e capazes de atingir as 14.000rpm.

A versão de base EV40 utilizará um motor elétrico de 96 kW/130 cavalos de potência e 250 Nm de binário alimentado por uma bateria de 40 kWh que permite uma autonomia WLTP até 300 quilómetros. Infelizmente esta versão não será compatível com carregamentos rápidos e está limitado no máximo a 22 kW. Já a versão EV60, que como o nome indica tem uma bateria de 60 kWh uteis, a alimentar um motor elétrico de 160 kW/218 cavalos e 300 Nm de binário que permitirá uma autonomia de 450 quilómetros numa primeira versão e 470 quilómetros numa versão mais otimizada.

O pack de baterias tem um sistema de arrefecimento líquido (a ar no ZOE) para as manter entre os 25 e 35ºC e tem apenas 10,8 centímetros de espessura (40% menos que o usado no ZOE). Como referi acima terá 2 escolhas de carregador interno - o base de 7kW AC e outro DC capaz de usar os pontos de carga rápida de 130 kW. Vem já preparado para receber no futuro um sistema Vehicle-2-Grid para poder alimentar a sua casa na eventualidade de uma falha de eletricidade.

Este novo Megane será produzido na fábrica de Douai em França e deverá chegar aos concessionários no início de 2022.

0 comentários: