Salão Automóvel de Frankfurt 2015 segundo Turbo-lento

Com toda a confusão da Volkswagen e o DieselGate nunca consegui colocar por escrito um resumo da edição de 2015 do Salão de Frankfurt - foi uma inundação de metal novinho em folha, havia algo para todos e merece algumas linhas.

Jogando em casa
O Salão de Frankfurt alterna com o de Paris, este ano foi a vez dos alemães mostrarem os músculos ao mundo automóvel e a jogar em casa os alemães não desapontaram com o maior número de novidades. Temos o novo Audi A4, novo BMW Serie 7, novo Mercedes Classe S Coupé, Smart ForTwo Cabriolet, Porsche 911, novo BMW X1, novo Tiguan, Astra, Bugatti e a lista continua.

Mas não era tanto o factor novidade que notei, mas o factor elétrico - poucos dias antes do dieselgate estoirar os alemães apresentavam um grande número de elétricos e híbridos que seriam uma alternativa aos diesel. BMW, Mercedes, Audi, Porsche e VW todos levaram concepts e modelos já prontos - os alemães estão a demarcar-se como lideres nesta área a longo prazo.

No expositor da Audi a estrela era sem duvida o concept E-tron Quattro - atraente e tecnologicamente avançado, desde o incrível coeficiente aerodinâmico de 0.25 para um automóvel daquele tamanho até à tração/direção integral. E na Porsche creio que ninguém ligou muito ao novo 911 com o Mission E ao lado - enfim a Porsche parece que deixou de olhar para o 911 como referencia de design e fez algo de novo. O consenso é que venha a ser um desportivo de 4 portas abaixo do Panamera, pessoalmente espero que substitua o Panamera.

Febre de SUVs vira epidemia
2015 e toda gente quer e consegue o seu SUV. Do Gripz da Nissan que parece anunciar o próximo Juke, passou pelo Jaguar F-Pace e só parou no novo Bentley. E a epidemia não dá sinal para abrandar porque em breve devemos ter as propostas da Rolls-Royce, Lamborghini e Aston Martin.

Creio que a Volkswagen foi quem trouxe mais SUV's à festa - tivemos o Bentley Bentayga (o mais caro e mais rápido de todos), a nova geração do Tiguan que até terá versão plugin, a Audi anunciou as suas intenções para um futuro Q6 com o e-Tron Quattro, a Seat já apresentou o 20V20 em Genebra mas trouxe um crossover baseado no Cupra SC.

A Jaguar enfim trouxe o F-Pace e Borgward regressou à vida depois de ter produzido o seu ultimo automóvel em 1962. E regressou com um suv, o BX7 financiado pelos chineses onde vai ser vendido primeiro.

Mas não é o único SUV da Ásia - a Kia trouxe o novo Sportage, a Hyundai retocou o Santa Fe, a Toyota trouxe o RAV4 híbrido e um versão quase série do C-HR. E falando em SUV's a caminho a Mazda trouxe o concept Koeru que ainda se discute o que anuncia, tal como o concept Gripz da Nissan que ainda ninguém sabe o que é.


Creio que em SUVs os mais apagados ainda foram os franceses que apenas trouxeram de novidade concreta o DS 4 Crossback, que sim não é um SUV mas um crossover...vendo bem a coisa, os franceses estiveram um pouco apagados em todos os temas.

Mas entre a avalanche alemã houveram alguns não alemães que deram nas vistas
A Jaguar trouxe o F-Pace com um Twist, no verdadeiro acesso da palavra. Mas será capaz de oferecer o comportamento prometido e roubar clientela ao Porsche Macan ou Audi Q5 sem prejudicar a Land-Rover? Parece complicado mas o mundo já está tão farto dos alemães que até pode ter uma chance.

O novo Giulia enfim chegou ao fim de sei lá quantos anos de espera e a unica coisa que espero é que seja desta - só falta ser tão bom de conduzir como é de olhar.

Pelo meio temos o Honda Project 2&4 concept, que apesar de ter tantas chances de se tornar realidade quanto um gelado chegar ao inferno a verdade é, tal como a Alfa Romeo, a Honda parece determinada em injectar alguma adrenalina no que produz.

Luxo continua a vender
Confesso que há uns anos atrás achei que a nivel do luxo automóvel não iríamos ter mais nada de novo e seria apenas mais do mesmo...estava engano: mesmo com a recessão o luxo e a extravagancia estão de volta com novo fulgor. 



Tivemos o Bentley Bentayga, Rolls-Royce Dawn, Mercedes Classe S Cabriolet, Ferrari 488 Spider, Lamborghini Huracan LP 610-4 Spyder e a Bugatti trouxe o concept Vision Grand Turismo para relembrar que o Veyron terá descendência. E o que tem todos estes nomes acima em comum? Sâo todos europeus - ninguém faz luxo automóvel como nós.

Os meus preferidos
Mercedes IAA Concept - a Mercedes está decididamente a surfar uma onda de belos automóveis, cada um que apresenta mais belo que o anterior. Adoro o Serie S Coupé, fiquei a babar-me a visão de um numa área de serviço mas este concept é elegante, belo...simplesmente magnifico.
Sim, é um portento de tecnologia ao conseguir um coeficiente aerodinâmico de apenas 0.19 e aseguir à redução de peso a aerodinâmica é o mais importante, mas acredito que anuncia também o futuro do design da Mercedes...delicioso.

Alfa Romeo Giulia - sim, qualquer fã dos automóveis aprecia os Alfa Romeo e este novo Giulia é criativo, moderno e a performance anunciada é fenomenal. Mas fará tremer os alemães? Eu espero bem que sim.


Jaguar F-Pace - entre a catadupa de SUVs que estiveram expostos o primeiro crossover da Jaguar e mais um belo trabalho por Ian Callum - um suv, mas ainda assim desportivo, possante...soa como o automovel certo na altura certo.

Só falta saber se se comporta como um Jaguar.

Porsche Mission E - com o 918 Spider provou que a Porsche consegue produzir um híbrido e depois da vitória em Le Mans ninguém duvida. E com um novo projecto um novo design - gosto particularmente do facto que apesar de não ter um motor clássico parece (visualmente) ter.

Bem conseguido e cheio de pequenos detalhes como aquela perfeitamente incorporada asa traseira - enquanto todos tentam fazer automóveis elétricos que parecem automóveis comuns a Porsche parece ter tirado uma lição da Tesla e prepara algo de diferente. Optimo.

As ausências
A Volvo e Aston Martin nem sequer apareceram - diz algo acerca do estado destas empresas (a Aston despediu mais de 200 trabalhadores e a Volvo não tem cheta para salões). A Mini apresentou o Clubman que está pronto há muito tempo (quase 1 ano) mas não trouxe o descapotável, provavelmente a guardá-lo para um dos salões automóveis que se avizinha, provavelmente o americano.

A Alfa Romeo trouxe o novo Giulia mas apenas a versão Quadrofoglio, e não trouxe nenhuma das versões mais fracas (nem informações) ou a versão carrinha que muitos falam - a versão QV é deliciosa mas no final do dia são as restantes versões que decidem o sucesso (ou fracasso) do modelo e neste caso a marca: se o Giulia falhar a coisa fica muito tremida, se bem que o SUV está proximo. A BMW não trouxe o M2 e a Mercedes bem tentou maravilhar-nos com o seu Concept mas todos deram pela falta do novo Classe E que vários jornalistas já conduziram. Já os franceses também não deram grande luta aos alemães - é que além do novo Renault Megane poucas novidades trouxeram. Onde esta o novo Koleos ou o novo Peugeot 3008 do qual já circulam mulas de teste, e esperava algo da DS além do DS4 Crossback. Se querem mesmo ser uma alternativa aos alemães têm que roubar a atenção na casa deles...

Concluindo
O salão de Frankfurt foi tudo acerca das equipas da casa mas acima de tudo foi acerca do futuro - com o apertar das emissões e o dieselgate o futuro próximo é a electrificação, seja parcial (híbridos) ou completa, e os alemães demonstraram que têm o trabalho de casa feito.

Quando todo esta esta poeira assentar, é bem provável que venhamos a ter os alemães a dar cartas no futuro próximo.

0 comentários:

"