Dacia Logan MCV - ensaio

Depois do ensaio do Dacia Sandero e Sandero Stepway, chega o momento de subir um degrau na gama da Dacia - o Dacia Logan MCV. O sucessor ao 1º Dacia sob controlo da Renault e no caso da versão MCV o sucessor ao primeiro Dacia em Portugal.

É uma carrinha do segmento C, ou seja um rival para os Megane Sport Tourer, VW Golf carrinha e muitos outros - um segmento bastante preenchido, mas esta é a mais barata do mercado. O Logan esta disponível em 3 volumes e carrinha mas a primeira variante é principalmente dirigida a taxis - se for a Lisboa vai ver muitos deles.

Introdução
Como referi antes, a Renault adquiriu em 1999 a Dacia com o objectivo de criar uma marca automóvel que ofereça automóveis resistentes, fiáveis a baixo preço para os mercados emergentes da Europa de Leste e do Magrebe - o primeiro produto da "nova Dacia" foi o Logan.
Foi um enorme sucesso e com base nesses resultados a Renault resolveu expandir a Dacia para outros mercados e com isso chegar onde os Renault não chegavam. O Logan MCV diesel foi o primeiro Dacia em terras lusas, equipado com motor diesel e 7 lugares.


E se está a perguntar o que quer dizer MCV, os sites ingleses dizem que significa "Maximum Capacity Vehicle".

Mas tal como os restantes modelos da Dacia mantém o principio de manter simples e barato. Em termos de fiabilidade as associações de consumidores de França, Portugal, Bélgica e Itália distinguiram a Dacia como a marca mais fiável em 2012 e 2ª mais fiável 2013.

Mas a "piece de resistence" é mesmo o preço: ignorando o 3 volumes, o Logan MCV começa nos 9.900 euros...um Clio começa nos 13.000 euros. Já aqui tinha falado sobre como a Renault conseguiu que os Dacia fossem tão baratos e resistentes:
- mão de obra barata: são construídos na Roménia e em Marrocos onde a mão-de-obra é mais barata;
- formas simples: tal como no Land Rover serie 1 a Dacia usa painéis o mais planos possíveis, de formas e dobragem simples para não terem que comprar maquinaria complexa
- componentes comprovados: não inventa nada de novo (não tem custos de investigação e desenvolvimento), usa componentes da Renault cujo o investimento já foi compensado e cuja fiabilidade já foi provada.
- soluções inteligentes (alguns exemplo): os interruptores dos vidros eléctricos na consola central simplificando as cablagens, assentos iguais à frente, os fechos das portas são todos iguais, os vidros laterais são iguais, etc.
- materiais simples e duradouros

No caso do Logan, a Dacia simplesmente esticou o Sandero em 43 centímetros (4490 metros no total) e adaptou o designe. E tal como na restante gama, escolher um não é difícil - tem 1 carroçaria, 6 cores exteriores, 3 motores, 1 caixa de velocidades e 2 niveis de equipamentos. Tem mais possibilidades de escolha a comprar um café...


Primeiro contacto
Se olharmos o Logan MCV de frente é quase impossível de o distinguir do Sandero, só as barras no tejadilho o distinguem e de perfil só das portas traseiros/pilar C para trás é que é diferente.

E tal como no Sandero, o designe é um equilíbrio entre formas mais simples e o transmitir um ar de robustez - função acima de aspecto, linhas simples mas aqueles centímetros adicionais e as barras no tejadilho dá-lhe um ar familiar, aconchegador...dá-lhe um certo charme.
Pode ter o Logan MCV em 2 níveis de equipamento, Pack e Confort, mas do ponto de vista exterior a versão de base Pack é básica demais: no Confort recebe fechos das portas e espelhos pintados na cor de carroçaria, faróis de nevoeiro e nova grelha dianteira que lhe dá um ar mais agradável e menos utilitário.

Pessoalmente vejo o Logan MCV um pouco como uma versão moderna das antigas carrinhas Volvo: simples e duradouras.


Bem-vindo a bordo
No interior recebemos o mesmo interior do Sandero Confort normal - o mesmo tablier, plásticos duros (mas duradouros) um pouco por todo o lado e material de Renaults presentes e passados. Tem uma organização simples, fácil de perceber e tudo parece capaz de resistir a crianças.

Recebemos também um dos interiores mais espaçosos do segmento - segundo o catalogo, a mala tem 573 litros com os 5 lugares e rebatendo os bancos traseiros atinge 1.518 litros. Para terem uma ideia a Renault Megane carrinha tem 524/1600 litros de capacidade. Se bem que uma Megane carrinha começa nos 24.000 euros...

O modelo de acesso Pack não trás grandes confortos - recebemos airbags dianteiros, ABS, ESP, direção assistida, apoios de cabeça traseiros...e mais nada. A sério - evitam a versão de acesso Pack basica demais: não tem radio, ar condicionado, direcção ou assento regulável em altura. A versão Confort já inclui tudo isso incluindo vidros eléctricos dianteiros, rádio com ligação USB e Bluetooth e como disse acima alguns retoques visuais que o tornam menos utilitário e mais fácil de viver. O modelo que conduzi tinha o sistema multimédia (opcional) com um ecrã táctil de 7 polegadas que inclui radio, GPS e blutooth - o mesmo sistema do Clio e muito fácil de usar, dá um ar moderno ao interior mas é uma opção de 300 euros.

Há bastante espaço nos assentos traseiros para 2 adultos e como disse, uma mala cavernosa. O interior é bastante pratico com muitos sítios para guardar pequenos objectos ou até garrafas de água, os bancos traseiros rebatem, se bem que o fundo não fica completamente plano porque as bases dos bancos traseiros são fixas, e a abertura da mala é bastante baixa o que facilita carregar a mala.

Sim, o Logan MCV é espartano mas funcional e mesmo no nível de equipamento Confort, que torna o Logan mais palatável, continua a ter um preço imbatível.


Condução
Em termos de motores tem 3 escolhas no Logan MCV - o 4 cilindros de 1.2 litros de 75 cavalos bifuel com 75 cavalos, o 3 cilindros de 0,9 litros turbo de 90 cavalos e o diesel de 1.5 litros de 90 cavalos - tive apenas hipótese de conduzir o Logan MCV com o 1.5 litros dci (que só está disponível com o nível de equipamento de topo Confort), mas conheço os outros motores do Sandero.

Se no mais pequeno Sandero o 1.2 litros bifuel era lento, preguiçoso e ruidoso demais sinceramente não consigo recomendá-lo para um automóvel feito para carregar ainda mais carga e pessoas. Mexe-se, mas pouco mais que isso - auto-estrada então não. O 3 cilindros turbo deverá ser melhor já que tem mais potencia e binário e faz menos ruído - desembaraça-se muito bem, mas deverá ter que puxar mais por ele.
Conduzi o Logan MCV com o 1,5 dci de 90 cavalos e para quem percorre mais quilómetros é a melhor escolha. É o mais potente e permite a condução mais relaxada, mas a velocidade mais alta e ralenti consegue-se fazer ouvir. Mas tem força suficiente para transportar pessoas e carga - não o fará com grande rapidez e genica mas mexe-se bem.

A caixa de velocidades de 5 velocidades é comum a toda a gama e apesar de bem guiada é pouco refinada - sentia-se constantemente aquela sensação dos carretos a encaixar. A direcção é agradável mas transmite pouca informação ou sensação da estrada.

Em termos de comportamento sei que o Logan é baseado no Sandero mas o comportamento parece melhor - o comportamento é satisfatorio, o adornar da carroçaria ainda se nota mas bem controlado e lida bem com as estradas "menos boas" que encontramos para os lados de Santarém. Não tive hipotese de acelerar muito com o Logan MCV e até fiquei curioso de saber como seria com alguma carga atrás - será capaz de manter o comportamento?


Concluindo
Se tal como a minha cara-metade anda sempre com grandes cargas e procura algo despretensioso acessível então o Logan MCV pode ser uma escolha interessante. Só faltava mesmo ter o banco do passageiro dianteiro que rebata completamente para transporte de objectos longos.

Sim, não é o automóvel mais brilhante de conduzir e não recebe muito do equipamento moderno que um Focus ou Megane oferece, mas é a carrinha do segmento C mais barata que poderá encontrar: uma Megane carrinha começa nos 24.000 euros com o 1.2 tCe mas o Logan MCV com quase todas as opções e o motor 1.5 dCi em vermelho (escolha pessoal mas pode ir para outra) fica por 16.240 euros.

Sim, pode um Logan MCV por muito menos, começa apartir dos 9.900 euros para a versão Pack...que não recomendo: se tivesse que recomendar uma versão diria para ir para a versão Confort com o 3 cilindros de 0,9 litros turbo a gasolina (apartir dos 11.600 euros) mas se andar mais carregado vá para o diesel de 1.5 litros (apartir dos 15.050 euros).

Positivo
- Mala cavernosa
- Pratico e funcional
- Preço por metro cúbico
- Relativamente confortável
- Fiabilidade\resistencia

Negativa
- Motor de 1.2 litros bifuel a evitar
- Falta de refinamento mecânico

8 comentários:

  • Anónimo says:
    5 de abril de 2015 às 23:21

    duradouros? suspensão traseira rebenta a cada 30000Km... é normal?

  • Turbo-lento says:
    6 de abril de 2015 às 15:23

    AO que se refere? pode elaborar?

  • xx says:
    20 de agosto de 2015 às 19:21

    Felizmente, finalmente já se pode encomendar o carro a gás com o motor tce, pena é que só chegue no fim do ano...

  • Anónimo says:
    13 de outubro de 2015 às 22:11

    Dacia MCV 1.5 DCi, 90 cv, 150000Km - nenhum problema até agora
    média de consumos = 4.1 - 4.4 l/100Km a andar normalmente, com muito cuidado e terreno a ajudar chego a fazer 3.0 L/100Km !!!!!!

    Há dúvidas?

    E anda muito a subir... mais que os pesadões méganes breaks... A descer e a direito não porque só tem 5ª velocidade...

    É preciso é muito cuidado nas curvas... é algo inseguro

  • Unknown says:
    4 de janeiro de 2016 às 22:40

    Boas, tenho uma 1.5 dci 90 cv desde junho15 consumo em cidade 5lt. Adoro a carrinha. Noto realmente insegurança em curva especialme te com piso molhado. E sm todas as juntas de dilatação se travar..

  • Turbo-lento says:
    5 de janeiro de 2016 às 10:26

    Em juntas de dilatação, especialmente se molhadas, todos os automoveis tem essa reação - o alcatrão tem uma optima aderencia e o metal molhado tem o completo oposto especialmente por causa dos tratamentos anti-corrosão. E é normal sentir isso na condução, mas como a passagem é rapida desde que não faça durante a passagem uma guinada violenta no volante não terá problemas.

    Que pneus usa? Eu tenho uma megane também e depois de ter tido que fazer uma manobra de evasão em auto-estrada logo no primeiro ano jurei que não iria usar outros pneus que os Continental com que comprei - saem um pouco caros verdade mas ainda no ano passado a esposa chegou a casa depois de um dia na estrada em pleno diluvio e a primeira coisa que ela me disse foi "ainda bem que foste chato em comprar os mesmos pneus".

  • Edexote says:
    10 de janeiro de 2016 às 22:46

    Tenho uma Logan MCV com motor Tce bifuel a GPL e foi a melhor compra que podia ter feito. Nao da para fazer rally, mas mexe-se muito bem, o material tem bom aspecto e nao o acho nada inseguro nas curvas, mesmo com piso encharcado (pneus Goodyear). Custou 13 mil € e traz um montao de extras, desde volante em couro, sensor de estacionamento, radio com bluetooth, vidros eléctricos a frente e atrás, etc. So o posso recomendar.

  • Turbo-lento says:
    19 de janeiro de 2016 às 15:58

    Devido ao maior curso da suspensão pode adornar mais nas curvas e sem mais sensível aos ventos laterais não dando confiança/sensação de segurança. Tambem podemos ver isso como uma medida de segurança: assim levanta o pé do acelerador antes de entrar nas curvas ;)

"