Dacia Sandero Stepway - ensaio

Depois do ensaio do Dacia Sandero chega a vez de escrever sobre o Dacia Sandero Stepway, o primeiro crossover da Dacia mas não certamente o ultimo - quando publicar este artigo sem dúvida o Lodgy Stepway terá chegado ao mercado. 

Pode parecer estranho não incluir o Sandero Stepway no mesmo ensaio do Sandero normal, mas merece destaque: a Europa está em completa e total esteria de SUVs e CrossOvers e a Renault (que tem no seu Captur o CUV mais vendido na Europa) resolveu dar à sua marca budget um pé neste segmento. E com grande sucesso - dois terços dos Sanderos vendidos são StepWay.

E se quer saber um pouco mais sobre o que faz a Dacia diferente, leia a introdução do ensaio do Sandero.

Primeiro contacto 
O Dacia Sandero normal tem um aspecto robusto com linhas simples sem exageros, e esta adaptação crossover torna-o mais interessante - dá-lhe um ar mais aventureiro, jovem. Acima de tudo não parece um produto low-cost.

A receita para o Stepway é simples e conhecida - partindo de um Dacia Sandero normal subiram a distância ao solo em 40 milímetros, para-lamas alargados via aplicações plásticas, novos para-choques com proteções inferiores, barras de tejadilho (aproveitadas do Duster) e proteções laterais da carroçaria. Todos recebem faróis de nevoeiro, pintura metalizada com para-choques e espelhos retrovisores pintados na cor da carroçaria.

Todos estes detalhes juntos transformam o Sandero de um pequeno utilitário (especialmente se estivermos a falar da versão base Pack) em "algo mais".

Já o nome parece tirado de uma sopa de letras - "Step" é degrau ou passo e "Way" é caminho... 


Bem-vindo a bordo
No interior recebemos o mesmo interior do Sandero Confort normal - o mesmo tablier, plásticos duros (mas duradouros) um pouco por todo o lado e material de Renaults presentes e passados, se bem que os estofos têm um padrão específico.

Recebemos também o interior mais espaçoso do segmento - segundo o catalogo, a mala tem 320 litros e rebatendo os bancos atinge 1.200 litros. Para terem uma ideia o Renault Megane 5 portas (não carrinha) tem 405/1162 litros de capacidade.

Com a maior distância ao solo é mais fácil entrar e sair do Stepway, e como o assento e direção são reguláveis em altura encontrar uma posição de condução confortável é fácil. Sentados atrás do volante temos uma posição de condução elevada muito apreciada pelos fãs dos SUVs, com boa visibilidade para a estrada e com espaço suficiente para conduzir de chapéu...algo que não faço obviamente.

A nível de equipamento o Sandero Stepway recebe todas as opções do Sandero com a excepção dos assentos de couro e o pneu suplente - a primeira não faz muito sentido, já a segunda faz todo o sentido num automóvel feito para sair um pouco do alcatrão. Ou seja, além de crossover o Sandero Stepway é também o topo de gama do Sandero.

Se escolher um Sandero era fácil, o Stepway é ainda mais fácil - tem apenas 3 escolhas a fazer: escolher um de dois motores, escolher uma de seis cores e decidir se quer alguma das duas únicas opções disponiveis. Ou seja, recebe de série ABS, controlo de estabilidade, ar condicionado, sistema multimédia com ecrã tactil e GPS, vidros electricos nas 4 portas, coluna de direção e assento do condutor reguláveis em altura, estofos específicos, cruise control, retrovisores eléctricos, computador de bordo entre outros detalhes.

Curiosamente é também algo que me chateia: não há um Stepway acesivel, é tudo ou nada. Mesmo assim, o Stepway custa 12.600 euros com o 0,9 Tce ou 16.050 euros com o 1.5 dCi e se for para um Juke paga pelo menos 20.000 euros e recebe algo em que apenas teenagers conseguem sentar-se atrás. 


Condução
Como disse acima, o Sandero Stepway está apenas disponivel com 2 motores - o 3 cilindros de 0,9 litros turbo e o turbo-diesel de 1.5 litros, ambos de 90 cavalos e são os melhores da gama Sandero.
Conduzi o Stepway apenas com o motor diesel de 4 cilindros 1.5 dCi de 90 cavalos (que conduzi) que é o topo de gama e para quem percorre mais quilómetros é a melhor escolha - é o mais potente e permite a condução mais relaxada.

Ambos os motores produzem algum ruído e vibração  excessivo (conduzi o 0,9 no Sandero normal) quando se acelera mais, e a caixa de velocidades (igual a todos) é bem guiada mas pouco refinada - sentia-se constantemente aquela sensação dos carretos a encaixar.

Curiosamente achei que o Sandero Stepway se comporta melhor e é mais confortável que o modelo normal. Tal como no Sandero a suspensão é mole, o que permite que adorne um pouco nas curvas e quando se acrescenta uma suspensão mais alta à equação esperava que ele inclinasse ainda mais nas curvas dando um condução menos segura, mas não é que acontece - o acerto da suspensão torna-o mais confortável, sem parecer adornar mais dando confiança ao volante.

Sim, a condução ainda parece desactualizada mas a subida da suspensão parece ter sido boa para o Sandero.

Antes que pense em levar o Stepway muito fora da estrada um aviso - recebe uma maior altura ao solo mas é só isso: os pneus são de estrada, a tracção é apenas à frente e ao contrario do Renault Captur por exemplo não recebe um sistema de controlo de tracção avançado nem por opção. 


Concluindo
O Sandero Stepway consegue fazer varias coisas por um preço relativamente baixo: torna o Sandero mais confortável, dá-lhe uma ar mais moderno e pode sair "ligeiramente" da estrada - é o bilhete de entrada para o mundo dos crossovers.

Tal como no Sandero é aceitável em termos de sofisticação e qualidade, e tal como o Sandero não dá para ignorar o preço. A melhor escolha do Sandero Stepway é a equipada com o 1.5 dCi que custa cerca de 16 mil euros e o mais próximo que arranjei de outra marca foi o Juke Visia que custa com um motor a gasolina de 94 cavalos com equipamento comparável e traçao dianteira por 18.325 euros.

E o Sandero consegue ser mais pratico e espaçoso - eu sei porque já tentei e falhei sair com dignidade do banco traseiro de um Juke.

Quando ensaiei o Sandero disse que seria o automóvel perfeito para aquela pessoa para quem a vontade/prazer de viajar e a necessidade de viajar são 2 coisas completamente diferentes - bem, se concorda e gosta dos crossovers, então vai gostar do Sandero Stepway. 

Recomendo a versão com o 1.5 dCi e escolha a opção do pneu suplente - nunca se sabe quando faz falta. 

Positivo 
- Crossover acessível 
- Espaço interior/funcional 
- Fiabilidade/resistência 
- Conforto em estradas em mau estado 

Negativo 
- Não há modelo acessivel
- Adornar da carroçaria e curva
- Refinamento mecânico

Proximo na lista é o Logan MCV

4 comentários:

  • Mário Silva says:
    12 de outubro de 2015 às 21:59

    Tenho um la em casa desde Agosto de 2014 e nem dou muito mal com ele.
    Concordo com o ensaio.
    Carro razoavel mas mal representado!
    O concessionario Renault na zona da Boavista no Porto e uma vergonha total.

  • Paulo Torres says:
    6 de agosto de 2017 às 09:54

    Bom dia Mário. Pretendo adquirir um modelo como o seu. Qual o cencessionario que me recomenda? Obrigado.

  • Mário Silva says:
    8 de agosto de 2017 às 20:57

    Paulo aconselharia a Caetano Power já que infelizmente fechou recentemente a Renault Campo Lindo que era fantástica.
    Renault Boavista é que nunca mais lá entrei nem entro. Juro!

    Cumprimentos

  • Paulo Torres says:
    9 de agosto de 2017 às 22:44

    Obrigado. Cumprimentos

"