Nova Volkswagen Touran Confortline - ensaio

Apesar do Dieselgate a Volkswagen continua a ser a marca mais vendida na Europa, seguida a uma certa distancia pela Renault e Ford. O Golf e Passat dominam as suas categorias, o Polo quase, e agora a marca alemã aponta para os mega-importantes SUVs com o novo Tiguan (o primeiro SUV de muitos a caminho, incluindo uma versão de 7 lugares) mas como não gosta de ficar em segundo em nada temos também a nova Volkswagen Touran, que tive hipótese de ensaiar.
A primeira geração da Touran esteve no mercado 12 anos e apesar de ter vendido quase 1.9 milhões de unidades nunca conseguiu realmente fazer mossa ao Citroen C4 Picasso e Renault Scenic. Mas este é o segundo round e eis a nova geração da Touran baseada no verdadeiro canivete suíço que é a plataforma MQB, mais comprida e larga que a geração anterior, recebe os mais recentes motores e tecnologias. Mas será capaz de suplantar a originalidade e "panache" dos franceses?


Exterior
Em termos de design é fácil ver que a Volkswagen não seguiu o caminho crossover da nova Scenic ou o caminho colorido e divertido do C4 Picasso - sejamos sinceros os alemães não são bons nisso, mas mesmo assim conseguiram evitar fazer "apenas uma caixa com rodas": a nova Touran consegue ser clássica e simples, mas atraente na sua simplicidade.

Relativamente à geração anterior a largura cresce 4 centímetros para 1,83 metros e ganhou 13 centímetros em comprimento para 4.53 metros - para ficar um pouco acima do Golf Sportsvan (do qual tira muito do design exterior) que tem 4,34 metros.

Tem o arranjo clássico de 5 portas, nada de originalidades como portas traseiras deslizantes como na Sharan, as linhas são mais angulares e as superfícies estão muito bem definidas que o modelo anterior, gosto da forma como a ultima barra cromada da grelha dianteira continua dentro dos faróis dianteiros separando os faróis das luzes diurnas e o nível intermédio de equipamento Confortline ensaiado trás de série as jantes de 16 polegadas Trondheim. 
Os novos faróis dianteiros LED que lhe dão um aspecto ainda mais moderno são infelizmente opcionais e o modelo ensaiado veio com o pacote opcional Top package que incluía os faróis traseiros em LED.

O modelo que ensaiei tinha (na minha opinião) a melhor cor, o Azul Carabean que consegue um truque visual giro: como tem os vidros sobre-fumados sem um friso cromado à volta (é um extra) e as barras de tejadilho em preto (cromadas só em opcional) parece mais pequeno que é na realidade - este Touran estava estacionado ao lado de outro em cinzento escuro e pareciam de diferentes tamanhos. 

Claro que se não concordar comigo ficará feliz por saber que tem mais 8 cores à escolha entre elas "Beje Titânio"...e nem é essa a minha maior critica da escolha de cores, é que a Touran apenas tem uma cor padrão sem custo adicional: o Cinzento Úrano. Todas as restantes 8 cores são pagas e apenas o Branco Pure é relativamente acessível a 130 euros, todas as outras são mais 445 euros. E não vou falar no Laranja que pode também escolher...


Interior
Monovolumes são principalmente acerca de praticabilidade e espaço interior - e espaço é algo que não falta na nova Touran e graças as grandes portas que abrem quase a 90º o acesso é fácil até para a ultima fila de bancos.
No interior recebe um tablier moderno chegado à frente como monovolume "oblige" (ao contrario da nova Scenic que usa o mesmo do Megane) e bem construído, a posição de condução é fácil de encontrar, todos os comandos são fáceis de utilizar e colocados de forma lógica, tirano alguns botões no volante multi-funções conseguem ser um pouco pequenos demais e nem sempre lógicos. 
Os materiais no interior tem bom aspecto, toque e parecem robustos mas cuidado que riscam facilmente.

A dominar o tablier temos o ecrã tatil de 6.5 polegadas do sistema Composition Media que até é bastante bom para um sistema base: bom tempo de resposta, gráficos agradáveis e modernos, 8 colunas, já compatível com rádio DAB, capaz de tocar ficheiros MP3, WMA e AAC, tem ligação USB e audio na base do tablier e por cima do porta luvas está o Multi-Device Interface (MDI) com leitor de CD e entrada de cartões SD. 
Na versão Highline recebe de série o sistema Discover Media Navigation (opcional nos restantes) que acrescenta GPS, controlo por voz e pode ter Car-Net App-Connect que permite ligação Apple CarPlay, Google Android Auto ou MirrorLink. O Discover Pro acresce um ecrã de 8 polegadas, leitor de DVD e um disco de 64 Gbytes.

Os assentos são confortáveis (como seria de esperar num monovolume estamos um pouco mais altos que num automóvel normal o que dá uma boa visibilidade), receberam sem problemas os meus 1.84 metros biqueira larga e têm bom apoio lombar. Mesmo os maiores "ocupantes" vão sentir-se à vontade nos lugares dianteiros e na segunda fila de bancos: há bastante altura, largura, espaço para os joelhos, todos os assentos deslizam de forma independente e com costas reclináveis.

Os lugares da 3ª fila podem não ser os mais confortáveis, mas como os assentos da segunda fila deslizam para a frente é possível dar espaço adequado para todos os passageiros. Já agora, nota para os pais mais proliferos: todos os assentos traseiros vêm de série preparados para Isofix e recebeu 5 estrelas no EuroNCAP.

Em Portugal a nova Touran está apenas disponível com 7 lugares, o que faz sentido - para que ter uma monovolume com 5 lugares como a maioria de todos os outros automóveis?! Segundo a VW com todos os assentos "levantados" a mala fica (bastante) reduzida a pouco mais de 130 litros, tem 743 litros em configuração 5 lugares e vai até 1980 litros se rebater todos os assentos. E como o assento do passageiro dianteiro é rebativel de série permite o transporte de objectos até 2.7 metros de comprimento. 


Mas nem tudo são boas noticias: as gavetas por debaixo dos bancos dianteiros são pequenas demais e o porta-luvas também.

Há outro pormenor importante a fazer sobre o interior e assentos do Touran: no novo Renault Scenic já não tem assentos individuais (a segunda fila de bancos é um assento normal rebativel 60\40) e os assentos não dobram completamente planos, já no Citroen C4 Picasso e Peugeot 5008 recebe assentos individuais que dobram completamente mas devido ao desenho dos assentos quando os rebate fica com aberturas nos pontos de eixo que tem que tapar deslizando umas plaquinhas articuladas presas nas costas dos assentos. No Touran os bancos dobram completamente criando uma superfície de carga completamente plana e sem aberturas - é muito pratico para cargas compridas, como ir ao IKEA. Uma critica porem - ao contrario do Citroën Grand C4 Picasso que tem na segunda fila 3 assentos iguais, no Touran o assento do meio é mais pequeno que os outros dois.

As mesas de viagem são de série no nível Confort mas por exemplo a tomada de 12 volts na mala ou as cortinas do sol são opcionais. Há pequenos espaços de arrumação um pouco por todo o lado debaixo dos bancos dianteiros (pequenas gavetas), ao tejadilho (no modelo ensaiado a opção do tejadilho de vidro elimina a caixa de arrumo de aviação no tejadilho) e poderá até ter (como opcional) assentos "ergoActive" com regulação eléctrica de 14 vias com função de massagem e aquecidos.

Para os pequenotes passageiros a Touran oferece ar condicionado automático Climatronic de 3 zonas (frente esquerda e direita, e traseira) com filtro de alergeneos, vidros sobre-escurecidos, tomada de 12 volts para carregar as consolas que vão ocupar os suportes nas costas dos bancos dianteiros ou na inteligente gaveta retratil na traseira do suporte de braços dianteiro.
O modelo ensaiado vinha equipado com o Top Package que inclui aplicações "Piano Black" no tabiler e portas, o tejadilho panorâmico ladeado por 2 linhas luminosas, vidros traseiros sobre-escurecidos, luzes de leitura à frente e atrás, luz interior na zona dos pés e pegas das portas, iluminação ambiente e indicador multifunções "Premium".


Para ajudar os que temem os lugares de estacionamento, recebe de série os sensores de estacionamento Park Pilot a toda a volta e se quiser ir ainda mais longe poderá escolher o Park Assist que fará todo o trabalho por si.

Tem 3 níveis de equipamento base para escolher - Trendline, Confortline e Highline. O modelo Trendline não faz muito sentido já que é mais pobre e a diferença de preço é insignificante para o que recebe no Confortline (jantes em liga leve de 16 polegadas, vidros escurecidos, detector de fadiga, ar condicionado automático Climatronic, monitorização da pressão dos pneus e pacote "Lights and Vision" (faróis e limpa-vidros automático). O Highline acresce (por 5.000 euros) a possibilidade do motor 2 litros TDI de 190 cavalos, jantes em liga leve de 17 polegadas, sistema Discover Media com GPS, suspensão desportiva, cruise-control activo e pacote Espelhos.

Este modelo vinha com a abertura da mala eléctrica com a possibilidade de abrir com o pé - algo que soa mais util que na realidade é: é preciso acertar com o pé no sitio exacto ou não abre e se houver uma pena no caminho da tampa da mala ela recusa-se a fechar. De todos os opcionais este é talvez de evitar.


Condução
Debaixo do capot a Volkswagen Touran está disponível com 2 motores gasolina (1.2 litros TSI com 110 cavalos não disponível em Portugal e o 1.4 litros TSI com 150 cavalos) e 3 motores diesel (1.6 litros TDI com 115 cavalos ou 2 litros TDI com 150 ou 190 cavalos) - curiosamente todos os motores recebem a denominação BlueMotion normalmente associado com um modelo dedicado de baixos consumos (pneus de baixo atrito, aerodinâmica revista e relações caixa alongadas). Todos os motores estão disponíveis com caixa de velocidades manual (de 6 velocidades) ou dupla embraiagem (de 6 ou 7 velocidades) e a suspensão é independente às 4 rodas em todas as versões.

O Touran em que passei mais tempo era um Confortline com o motor mais improvável de todos: o 1.4 litros TSI a gasolina com 150 cavalos e 250Nm de binário! Mas dei uma volta no 1.6 TDI logo vamos falar dos dois.

O 1.6 litros TDI será certamente a versão mais popular: tem potencia e binário suficiente (110 cavalos e 250 Nm de binário), estará disponível em todos os níveis de equipamento e caixas de velocidades. Oferece um bom equilíbrio entre consumos e performance, mas dito isto é suficiente para mover o Touran mas nota-se que precisa de mais alguns cavalos, especialmente quando em ultrapassagens. E conduzi-o sozinho, não com 7 pessoas a bordo.

O 1.4 litros TSI faz sentido para quem procura 7 lugares mas não faz os quilómetros suficiente para compensar o diesel, ou para evitar o bloqueio dos filtros de partículas ao passar muito tempo na cidade. Também é uma boa escolha se procura apimentar um pouco a condução - 0 aos 100km\h em 9 segundos enquanto o 1.6 TDI demorou 12.5 segundos para o mesmo exercício e o motor a gasolina sobe muito mais alegremente nas rotações.

A caixa manual era suave e bem coordenada, e a suspensão confortável sem ser mole demais - não tão "sofá com 4 rodas" como o Grand C4 Picasso mas suficiente para lidar com as irregularidades da estrada e consegue controlar bem o adornar da carroçaria a velocidades mais altas. A direcção é agradável, consistente e precisa mas pouco comunicativa. Em curva o adornar da carroçaria é bem controlado e a aderência suficiente com "aviso suficiente" quando abusamos.

Muito refinada mecanicamente com as vibrações e ruídos aerodinâmicos e rolamento bem controlados. O motor a gasolina era muito mais discreto e sem vibrações, já no 1.6 diesel "notava-se" o motor, mas sempre muito confortável especialmente com pneus de 16 polegadas. Estes privilegiam principalmente o conforto, e se bem que as de 17 polegadas melhorariam o comportamento em estrada provavelmente iria perder-se algum conforto. E não esquecer que os monovolumes tendem a desgastar os pneus mais depressa que uma berlina normal. Será que vale a pena para aquelas raras ocasiões em que tem mais pressa que o costume?
Em termos de consumo só confirmei na bomba os consumos da versão 1.4 litros TSI e posso dizer que foi uma surpresa agradável - afinal, é um automóvel grande e pouco aerodinâmico a gasolina logo seria de esperar consumos elevados.
Em cidade o computador de bordo indicava muitas vezes 9l/100km mas ao fazer as contas a historia foi outra. Fizemos uma viagem de auto-estrada pela A1 com a 4 pessoas a bordo com respectivas bagagens, cruise-control nos 125km\h, ar condicionado ligado e na bomba posso confirmar que fez 6.6 l/100km. Já com cidade à mistura e nacional os consumos subiram para 7.4l/100km. Novamente, isto são valores confirmados na bomba não do computador de bordo...e refiz as contas varias vezes porque achei que estava enganado.

A potência e binário elevado em conjunto com a caixa de velocidades bem escalonada permite rapidamente chegar às velocidades mais altas (a 6ª entra logo apartir dos 60 km\h) mantendo os consumos baixos.

Um pormenor que decididamente precisa de ser revisto - ocasionalmente os sensores de estacionamento ligam-se sem aviso quando se vai numa fila de transito...e prega uns sustos valentes.

A Volkswagen claramente acertou o Touran para "o meio" - competente e consistente, não é desportivo mas desembaraça-se bem, é confortável sem ser "pudim". Sim, não é a condução mais inspiradora mas é confortável, equilibrado, previsível e fácil de conduzir. Afinal, não é o que se espera de uma monovolume?


Concluindo
O novo Touran é um monovolume que cruza todas as caixas do manual "como construir um monovolume" - executado com a atenção ao detalhe que a Volkswagen já nos habituou não é daqueles automóveis que conquiste quem compra com o seu coração mas conquista quem compra com a cabeça: aqueles que vão ficar impressionados com espaço, funcionalidade e praticabilidade. Sim, falta um pouco da cor e charme de uma C4 Picasso mas compensa com a solidez que a VW nos habituou - se bem que alguns detalhes podiam ser melhorados.

É acima de tudo um bom automóvel relativamente compacto com 7 lugares - pode não ter as portas deslizantes os 7 verdadeiros lugares da Sharan, mas chega bem perto na relação espaço interior/dimensão total do mano maior. Os assentos da ultima fila de uso ocasional podem não ser os melhores para uma família numerosa mas será mais que pratica para as necessidades diárias.

Pontos positivos
- Qualidade construção
- Interior espaçoso e bem concebido
- Confortável e refinado
- Bastantes arrumos (mas pequenos)
- Suspensão confortável
- Comportamento equilibrado

Pontos negativos
- Falta um pouco de "colorido"
- Direcção pouco comunicativa
- Assento traseiro central pequeno
- Plásticos fáceis de riscar

P.S. - Preço
Normalmente não entre em grande detalhe a questão do preço porque afinal dependendo da versão e equipamentos o pode ser aceitável para um pode ser excessivo para outro. Tento ficar-me pelo se "vale a pena" ou não, mas neste caso espreitei a fatura de venda e há algo de interessante.

Segundo o site da Volkswagen.pt, o preço-base de Touran Confortline com o 1.4 TSI é de 31.737 euros, que o coloca logo à partida bastante acima de uma Zafira ou C4 Grand Picasso. Adicionando os extras (Top package + Cor Azul Caribiean + Park assist + Pacote Easy open) que este modelo tinha instalado o preço vai para 34.463 euros.

Por quanto foi vendida esta unidade? 30.400 euros. Para colocar em perspectiva, Zafira e Grand Picasso equivalentes ficariam na casa dos 29.500 euros - não é uma grande diferença, especialmente se levarmos em conta que os Volkswagen tendem a manter o seu valor melhor que os restantes. Se procura um Volkswagen...regateie!

4 comentários:

  • Filipe says:
    6 de janeiro de 2017 às 13:45

    Obrigado pela descrição detalhada. É deveras uma carrinha muito bonita e à imagem da qualidade VW.

    Já a experimentei no ano passado, e aquilo que me levou a comprar antes a Grand C-Max continua imbatível. Sendo modelos exactamente da mesma gama a Grand C-Max foi a única com espaço/altura suficiente nos 2 bancos mais atrás.
    Experimentei igualmente a Carens e a Zafira, e também pareciam lugares para anões.

  • Turbo-lento says:
    9 de janeiro de 2017 às 11:18

    Já conduzi a Grand C-Max. Das monovolumes que já conduzi é a que tem o comportamento mais dinâmico e a única monovolume compacta que tem portas traseiras de correr. Perfeito para os miúdos saírem sem amolgarem as portas nos parques de estacionamento e em termos de preço também é competitiva. Só o tablier e alguns materiais no interior é que a deixa mal

  • CLAUDIO says:
    12 de janeiro de 2017 às 15:08

    exelente otimo artigo

  • CLAUDIO says:
    12 de janeiro de 2017 às 15:09

    adorei este artigo

"