Ponto de situação Dieselgate: 16-03-2016

A telenovela dieselgate continua a desenrolar-se e fica mais um um ponto de situação sem tretas, conservantes ou adoçantes acrescentados.

Califórnia poderá permitir reparações parciais
Durante uma reunião do regulador de poluição na Califórnia foi levantada a possibilidade desta autoridade permitir veículos diesel da VW envolvidos no dieselgate parcialmente reparados nas estradas porque pode não ser possível resolver o problema completamente.
Quem o disse foi o chefe da California Air Resources Board (CARB) Todd Sax, que diz acreditar não existir uma forma de fazer muitos destes diesel cumprir de forma completa os regulamentos anti-poluição. Citando-o diretamente: "We will have to decide what the best approach is to dealing with these vehicles, and one of the options potentially would be to accept something less than a full fix".
É uma afirmação interessante - basicamente estão a abrir a porta para que a Volkswagen não tenha que comprar de volta automóveis mais antigos que não podem ser completamente corrigidos. Dito isto, ainda nenhum acordo foi conseguido entre a Volkswagen e os americanos.


Vendas da Volkswagen caem 5% em Fevereiro
A vendas globais da marca Volkswagen caíram 4,7% em Fevereiro devido a quedas na China (-3%), EUA (-13.2%), Brasil (-40%) e Rússia (-7%). Único ponto positivo foi a Europa (Alemanha principalmente) onde as vendas subiram 3.7%.


Rumor: VW poderá cortar 3.000 empregos até 2017
Segundo fontes da Reuters a Volkswagen planeia despedir cerca de 3.000 funcionários escriturários na Alemanha até ao fim de 2017 para cortar custos e compensar alguma da despesa com o dieselgate. Infelizmente, como tinha escrito no início deste debáculo vão ser os trabalhadores a pagar o grosso da conta do dieselgate.


Investidores querem 3.2 mil milhões
278 investidores da Volkswagen (incluindo seguradoras alemãs e os americanos da Calpers) juntaram-se e iniciaram um processo legal exigindo uma indemnização de 3.256 mil milhões de euros - e tal como nos outros processos similares, tem por base que a Volkswagen não informou atempadamente os mercados dos problemas conforme era obrigada por lei.


Volkswagen terá destruído provas?
Daniel Donovan, um ex-funcionário da Volkswagen que trabalhou entre 2008 e 2015 como funcionário de sistemas de informáticos está a processar o construtor alemão por ter sido injustamente despedido - segundo este, ele foi despedido porque se recusou a participar na destruição de provas com o objetivo de obstruir a investigação do Departamento de justiça americano e da Environmental Protection Agency. Segundo Daniel a eliminação de informação durou 3 dias logo após a Volkswagen ter sido acusada pela EPA e recusou-se a participar - algo que a Volkswagen terá interpretado como uma preparação para ir às autoridades.

A Volkswagen diz que o despedimento de Daniel Donovan em nada está relacionado com o dieselgate e que o seu processo não tem mérito.


Tic-tac Volkswagen
Publico isto no dia 16 de Março e o juiz federal que está a acompanhar este processo deu até ao dia 24 de Março para apresentar uma forma de reparar os veículos afetados pelo Dieselgate. O que acontece se a Volkswagen falhar? Provavelmente perderá qualquer tratamento preferencial por parte das autoridades americanas que neste momento tem um processo legal que pode atingir os 46 biliões de dólares além da proibição de vender automóveis diesel nos EUA.

0 comentários:

"