Takata ocultou provas propositadamente?

O Wall Street Journal publicou um artigo em que acusa a Takata de saber dos problemas com os seus airbags desde a decada passada e que destruiu provas de testes internos.

Segundo o WSJ, que esteve a rever documentos submetidos pela Takata no ambito da investigação, os engenheiros americanos daquela empresa tinham preocupações relativamente a dados de testes "alterados/manipulados" durante o período de 2000 a 2010 - segundo estes os colegas japoneses estavam a enterrar resultados não conformes de testes e a alterar outros resultados de testes de validação feitos para provar que airbags estariam conforme as especificações do construtor. Estes memorandos chegam a indicar a Honda como a empresa que recebeu estes relatórios manipulados.

A Takata já respondeu afirmando que o artigo do WSJ refere informação que não tem nada a ver com os airbags defeituosos, que num caso o actuador do airbag foi corrigido e noutro nem chegou a ser produzido. Já relativamente à manipulação dos resultados de testes acusa os seus trabalhadores de o fazer para cumprir datas limite para produção.

Se o WSJ está ou não a misturar as coisas (não me surpreenderia sendo um jornal do senhor Rupert Murdoch) mas a verdade é que a Takata admite que os seus trabalhadores falsificaram testes de segurança e conformidade em airbags. E não pense que é só nos EUA porque estes airbags chegaram cá.

0 comentários:

"