Apple CarPlay vs Google Automotive Link vs MirrorLink

Tivemos o Betamax vs VHS, o plasma vs TFT, Windows vs Mac, Android vs iOs e agora preparem-se para nova batalha - esta pelo domínio do vosso tablier!
 
Os automóveis têm ficado cada vez melhores e assim mais difícil de "sobressaírem" uns dos outros alguns construtores apostam em designes avançados, outros no prazer da condução, eficiência e agora é a tecnologia à bordo.
 
E os avanços no mundo dos telemóveis, smartphones em particular, obrigaram a um salto - se afinal quase todos nós temos um smartphone no bolso com grande capacidade e fácil de usar porque não exigir o mesmo do automóvel que queremos comprar?
 
Sistemas proprietários
Actualmente a maior parte da integração entre smartphones e automóveis (seja pelo cabo USB ou Blutooth) é dado por sistemas desenvolvidos por cada marca (propriétários) com base em sistemas operativos como o Windows Embedded, BlackBerry QNX ou mesmo no Linux - temos o BMW Connect, Toyota Entune, Ford Sync e outros. Único elemento comum a todos estes sistemas é...são todos incompatíveis uns com os outros! Ou sejam se alguém quiser fazer uma aplicação de smartphone para um determinado sistema automóvel terá que escrever uma versão para cada construtor automóvel há um padrão.
 
Agora olhem para o smartphone que deve ter no bolso - porque não ter um smartphone a fazer esse trabalho? Era bom que fosse assim tão simples.
O principal problema é distracção ao volante - nenhum sistema operativo movel foi feito para ser usado ao volante, e há regulamentos e procedimentos de testes implementados nos EUA, Europa e Japão que definem o que é permitido, como o tempo máximo que o condutor pode tirar os olhos da estrada, tamanho dos icons e caracteres.
Depois temos a questão da imagem de marca - aquela consola central é talvez a peça principal do designe do interior do automóvel. Algo que os construtores investem mundos e fundos para que faça parte integrante da imagem do automóvel - ou seja, algo que os construtores facilmente abrem mão.
 
Mas é algo que o consumidor esta a conseguir conquistar dos construtores, especialmente pela queda das vendas. E isso traz-nos aos "combatentes" na arena dos seu tablier.
 
O Connected Car Consortium e o MirrorLink
O MirrorLink arrancou em 2010 pela mão da Nokia mas na altura chamava-se Terminal Mode, mas não teve uma grande recepção. Mas agora sobre o nome MirrorLink e mantido pelo Car Connectivity Consortium que conta com grandes nomes da industria: GM, Honda, Hyundai, Toyota, Volkswagen LG, Sony, HTC e Samsung. Trabalharam em conjunto para criar os padrões e processos de certificação para que as aplicações sigam os vários tipos de legislação globais - se forem consideradas seguras seguem para qualquer automóvel com MirrorLink.
 
Ou seja, os construtores automóveis ou dos smartphone não têm controlo sobre que aplicações podem ou não estar no MirrorLink, se estiver de acordo com as directivas passa. É mais aberta. Enquanto a Apple e Google incorporam bloqueios e processos de aprovação, no MirrorLink os próprios construtores automóveis podem fazer e implementar as suas próprias aplicações exclusivas - é possível diferenciar entre construtores, mantendo o mesmo padrão por baixo.
 
A Apple e o CarPlay
A Apple esteve no Salão Automóvel de Genebra onde anunciou o CarPlay e uma lista de 18 construtores já comprometidos ao iOS feito para o automóvel. O CarPlay permite que os condutores acedam ao conteúdo do telemóvel e algumas aplicações via o ecrã do sistema de multimédia - fazer e receber chamadas e mensagens, usar o Apple maps ou a Siri para o que precisar. Basicamente, se comprar um automóvel equipado com um sistema multimédia compatível com o CarPlay e tiver um iPhone 5 (5S ou 5C) poderá ter uma versão simplificada do interface do iOS no seu tablier. O seu automóvel não está a executar o iOS, as aplicações é que são executadas no iPhone e aparecem no ecrã.
 
O problema para mim é a Apple que sempre fez o que bem lhe apeteceu. Não que isso seja uma necessariamente má - afinal conseguiu colocar muitos construtores a usar o seu padrão de ligação algo que até agora nunca aconteceu (um padrão real). Só que se já é dificil colocar aplicações não-Apple no iPhone, imaginem para o CarPlay. E os construtores têm voto na matéria - o produto é da Apple e só eles detêm o controlo, os construtores não têm controlo sobre o CarPlay e aplicações. Outra incógnita - o que acontece quando chegar o próximo iPhone? Como disse Apple faz o que bem lhe apetece e detem todo o poder - veja-se o que aconteceu à BMW\Mini: os alemães ofereciam suporte/ligação para o iPod e iPhones via o Dock nos seus automóveis mas quando saiu o iPhone 5 este não tinha o Dock e essa função ficou, da noite para o dia, obsoleta. E com isto em mente a Apple já disponibilzou o iOS 7.1 que já tem o suporte para o CarPlay incluido, além de actualizações à Siri, Calender, iTunes Radio, Accessibility e outras aplicações.
 
A Google, a Open Automotive Alliance e o Automotive Link
A Google parece que andou a dormir na formatura porque só depois da Apple anunciar a sua entrada é que anuncia a Open Automotive Alliance e o Automotive Link. Para já conta com o suporte da Audi, GM, Honda e Hyundai - e consegue ficar basicamente no meio: entre o CarPlay fechado e o MirrorLink aberto, terceiros vão poder desenvolver aplicações mas a Google ainda terá a ultima palavra sobre o interface e aplicações. Resumindo é como o MirrorLink mas controlado pela Google e estará incorporado no Android.
 
Pouco se sabe exactamente como funciona a Open Automotive Alliance, daí que é um pouco difícil ver as "possibilidades" deste sistema.
 
Aos seus cantos
E aí temos - 3 padrões que vão enterrar todas as soluções propriatárias de cada construtor no futuro bem próximo. Algo me diz que para já ao invés de escolher apenas um sistema, muitos construtores vão tentar ser compatíveis com todos até que haja um vencedor. E cada um dos adversários tudo fará para ser esse vencedor - o meu dinheiro está no MirrorLink.

0 comentários:

"