Audi Allroad Shooting Brake apresentado

Não apenas mais um concept, muita informação e detalhe se esconde neste concept - principalmente o próximo Audi TT. Ou seja, tal como está este concept não verá a luz do dia.

 
A nível de designe, preparem-se para ver muito deste concept nos próximos Audi TT, A4 e Q7.Há vários detalhes de design a verificar - a grelha dianteira e faróis com LED's apontam aos próximos TT e A4 se bem que os faróis traseiros são claramente do TT.
 
Tirem as barras do tejadilho, baixem a suspensão e arredondem a traseira e temos o Audi TT.
 
Do ponto de vista mecânico a primeira novidade é o sistema Quattro - apesar do nome este é novo porque o eixo traseiro é accionado electricamente, não havendo um eixo de transmissão para o eixo traseiro. A Audi deve adoptar esta tecnologia nos próximos híbridos plug-in Quattro. Tecnicamente é basicamente um Audi A3 eTron mas com mais um motor eléctrico de 85 kW atrás a accionar o eixo traseiro: à frente está um 2 litros turbo a gasolina de 292 cavalos associado a um motor eléctrico de 40kW via a caixa DSG de 6 velocidades que accionam as rodas dianteiras e quando estas começam a patinar então entra o motor traseiro de 85kW. Tudo somado dá 300 kW/408 cavalos e um binário de 650 Nm. A bateria de lítio de 8,8 kWh permite uma autonomia de 50 quilómetros.
 
O interior já era conhecido tendo sido apresentado no CES 2014 em Las Vegas. A Audi pretende que o TT seja o desportivo mais high-tech do mercado - a primeira geração foi acima de tudo uma peça de design, a segunda foi mais desportiva (TT RS plus com 360 cavalos). A peça principal deste novo Audi TT vai ser o novo tablier em que o conjunto de instrumentos analógico que todos conhecemos será substituído por um ecrã de 12,3 polegadas.
 
Além de simular os já conhecidos mostradores, ira ter as funções do sistema MMI como o GPS - o que me deixa preocupado: é possível por exemplo introduzir moradas no GPS, mas fazê-lo através do volante e em movimento? Segundo a Audi, é um sistema de alta definição capaz de gráficos 3D. A ideia é reduzir a distracção do condutor ao colocar a informação num ecrã único no campo de visão do condutor e reduzir a dimensão global do tablier.
 
O ecrã digital como mostradores não é propriamente novidade no reino automóvel - o Mercedes Serie S tem, o Jaguar XJ, o Tesla Model S têm um sistema semelhante. Mas é a primeira vez num automóvel deste segmento - não esquecer que o próximo Audi TT utilizará a plataforma MQB da Volkswagen que equipa desde o Seat Leon ao VW Golf. Ou seja, em breve podemos vir a ter este equipamento em automóveis mais comuns. Depois da lâmpada incandescente, o fim dos mostradores analógicos no automóvel?
 
Tirando esta mudança é fácil detectar algumas das carateristicas do TT como as 3 saídas de ventilação redondas no tablier, que para reduzir espaço também funcionam como controlos - inteligente e simples. Temos também um pequeno botão rotativo para aceder às várias funções do automóvel - da climatização aos bancos aquecidos e uma linha de interruptores para o Audi Drive Select. E, para grande sofrimento dos fãs - o travão de mão é eléctrico.
 
E já que estamos a falar na Audi, o responsável pelo marketing da marca alemã Luce De Meo disse que a Audi vai provavelmente esperar pelo menos uma década antes de lançar um automóvel mais pequeno/abaixo do Audi A1. Apesar do A1 ser um sucesso com mais de 120.000 unidades em 2013 e responsável por roubar muitos clientes a outras marcas mas é preciso cimentar a posição do A1 antes de introduzir um modelo inferior - parte do cimentar passa pela chegada do Q1 em breve.

0 comentários:

"