[update]O teu automóvel dá-te asas

Eis algo para passar o tempo - recordar as maiores asas/ailerons traseiros instaladas num automóvel. Sim, porque em certas coisas o tamanho importa para o que queres fazer...com o automóvel! Para fim desta lista só contam os ailerons ou asas montados pelos construtores - tuning não conta.


Mercedes-Benz 190E 2.5-16 Evo II - 1990
Os Mercedes 190 Evolution eram a resposta da Mercedes ao eterno rival, na estrada e nas pistas do DTM, o BMW M3 Sport Evolution - e segundo as regras do DTM a Mercedes produziu os Evo I e em 1990 o Evo II com a sua enorme asa traseira. Sim, 502 destas magnificas máquinas foram produzidas para a estrada.

A asa ajudou não só a aumentar o apoio aerodinâmico mas também melhorar o coeficiente aerodinâmico para 0,29 Cd. Curiosamente inicialmente a asa traseira era ilegal para a estrada porque tapava parte da visão para trás - a solução foi original: taparam com uma peça de plástico a parte de cima do vidro traseiro que ficava bloqueada pela asa traseira.



Mercedes C112 - 1991
Antes de falarmos do C112 temos que falar no seu antecessor - o Mercedes C111. Este foi um prototipo 100% funcional que a Mercedes usou para testar novas tecnologias - a certo ponto testaram um motor rotativo de 4 rotores!

Foi tão bem recebido e apreciado pelos fãs da marca que a Mercedes decidiu pegar em tudo o que aprendeu com o C111 e produzir uma versão para a estrada - o C112.

Tinha um V12 a gasolina em posição central, direção às 4 rodas, suspensão active body control e aerodinâmica activa.
Ambos os spoilers dianteiros e traseiros são activos com o traseiro a ter múltiplas posições. Podem ver minuto 3:20 do video abaixo.
Mas depois de receber mais de 700 cheques de deposito, a Mercedes mudou de ideias (ainda não se sabe bem porque) e resolveu não produzir o C112 e devolveu todo o dinheiro aos clientes. Segundo a historia, foi a maior devolução monetária de toda a historia automóvel.



Porsche Panamera Turbo - 2017
Se houvesse uma versão automóvel da cauda do majestoso pavão então seria a asa traseira do Porsche Panamera Turbo. A baixas velocidades está oculta não perturbando as linhas mais agradáveis à vista do segundo Panamera. Mas quando chega a altura certa, tal como no Pavão, esta abre-se e levanta para dar apoio aerodinâmico mas também para se exibir a quem segue atrás.
Esta asa tem mais de 300 componentes individuais ativados por 2 motores eléctricos para que as 3 peças que compõem a parte visível da asa sejam colocadas criando uma asa única de 147 centímetros que apartir dos 200 km\h inclina-se para gerar ainda mais apoio aerodinâmico. Uma magnifica fusão de função e design que apenas os alemães conseguem.



Ford GT - 2017
Confesso que não sou um dos maiores fãs do novo Ford GT mas admiro a engenharia por debaixo deste hiper-carro - especialmente a asa traseira activa.
Esta asa levanta e ajusta-se constantemente de forma automática graças a 2 atuadores apartir dos 145 km\h ao conduzir em modo Normal ou Wet (chuva) mas se for em Sport levanta a partir dos 110 km\h para dar apoio adicional. Também funciona como travão aerodinâmico em qualquer modo de condução a partir dos 120 km\h. Em modo Track fica fixa na posição de máximo apoio e em modo Vmax desce para, em conjunto com o fecho de algumas entradas de ar, melhorar a performance aerodinâmica e atingir uma maior velocidade de ponta.



Plymouth Roadrunner Superbird - 1970
Antes de falar no Plymouth Roadrunner Superbird temos que falar no Dodge Charger de 1968 que muitos de nós conhecemos da série de televisão 3 Duques ou do filme Bullit.

Quando foi desenhado o seu designer queria o maior apoio aerodinâmico possível mas infelizmente teve o efeito exactamente oposto e a grande velocidade o carro levantava. Daí que foi preciso criar para a competição o Dodge Charger Daytona e a minha versão favorita o Plymouth Roadrunner Superbird, principalmente pelo nome.
A Plymouth produziu versões de estrada para poder competir e incluía uma das mais incríveis asas traseiras além de autocolantes e uma buzina com o som do famoso Roadrunner (aka Pápá-léguas).

0 comentários: