[update]O teu automóvel dá-te asas

Eis algo para passar o tempo - recordar as maiores asas/ailerons traseiros instaladas num automóvel. Sim, porque em certas coisas o tamanho importa para o que queres fazer...com o automóvel! Para fim desta lista só contam os ailerons ou asas montados pelos construtores - tuning não conta.


Mercedes-Benz 190E 2.5-16 Evo II - 1990
Os Mercedes 190 Evolution eram a resposta da Mercedes ao eterno rival, na estrada e nas pistas do DTM, o BMW M3 Sport Evolution - e segundo as regras do DTM a Mercedes produziu os Evo I e em 1990 o Evo II com a sua enorme asa traseira. Sim, 502 destas magnificas máquinas foram produzidas para a estrada.

A asa ajudou não só a aumentar o apoio aerodinâmico mas também melhorar o coeficiente aerodinâmico para 0,29 Cd. Curiosamente inicialmente a asa traseira era ilegal para a estrada porque tapava parte da visão para trás - a solução foi original: taparam com uma peça de plástico a parte de cima do vidro traseiro que ficava bloqueada pela asa traseira.



Mercedes C112 - 1991
Antes de falarmos do C112 temos que falar no seu antecessor - o Mercedes C111. Este foi um prototipo 100% funcional que a Mercedes usou para testar novas tecnologias - a certo ponto testaram um motor rotativo de 4 rotores!

Foi tão bem recebido e apreciado pelos fãs da marca que a Mercedes decidiu pegar em tudo o que aprendeu com o C111 e produzir uma versão para a estrada - o C112.

Tinha um V12 a gasolina em posição central, direção às 4 rodas, suspensão active body control e aerodinâmica activa.
Ambos os spoilers dianteiros e traseiros são activos com o traseiro a ter múltiplas posições. Podem ver minuto 3:20 do video abaixo.
Mas depois de receber mais de 700 cheques de deposito, a Mercedes mudou de ideias (ainda não se sabe bem porque) e resolveu não produzir o C112 e devolveu todo o dinheiro aos clientes. Segundo a historia, foi a maior devolução monetária de toda a historia automóvel.



Porsche Panamera Turbo - 2017
Se houvesse uma versão automóvel da cauda do majestoso pavão então seria a asa traseira do Porsche Panamera Turbo. A baixas velocidades está oculta não perturbando as linhas mais agradáveis à vista do segundo Panamera. Mas quando chega a altura certa, tal como no Pavão, esta abre-se e levanta para dar apoio aerodinâmico mas também para se exibir a quem segue atrás.
Esta asa tem mais de 300 componentes individuais ativados por 2 motores eléctricos para que as 3 peças que compõem a parte visível da asa sejam colocadas criando uma asa única de 147 centímetros que apartir dos 200 km\h inclina-se para gerar ainda mais apoio aerodinâmico. Uma magnifica fusão de função e design que apenas os alemães conseguem.



Ford GT - 2017
Confesso que não sou um dos maiores fãs do novo Ford GT mas admiro a engenharia por debaixo deste hiper-carro - especialmente a asa traseira activa.
Esta asa levanta e ajusta-se constantemente de forma automática graças a 2 atuadores apartir dos 145 km\h ao conduzir em modo Normal ou Wet (chuva) mas se for em Sport levanta a partir dos 110 km\h para dar apoio adicional. Também funciona como travão aerodinâmico em qualquer modo de condução a partir dos 120 km\h. Em modo Track fica fixa na posição de máximo apoio e em modo Vmax desce para, em conjunto com o fecho de algumas entradas de ar, melhorar a performance aerodinâmica e atingir uma maior velocidade de ponta.



Plymouth Roadrunner Superbird - 1970
Antes de falar no Plymouth Roadrunner Superbird temos que falar no Dodge Charger de 1968 que muitos de nós conhecemos da série de televisão 3 Duques ou do filme Bullit.

Quando foi desenhado o seu designer queria o maior apoio aerodinâmico possível mas infelizmente teve o efeito exactamente oposto e a grande velocidade o carro levantava. Daí que foi preciso criar para a competição o Dodge Charger Daytona e a minha versão favorita o Plymouth Roadrunner Superbird, principalmente pelo nome.
A Plymouth produziu versões de estrada para poder competir e incluía uma das mais incríveis asas traseiras além de autocolantes e uma buzina com o som do famoso Roadrunner (aka Pápá-léguas).



McLaren Senna - 2017
O McLaren Senna é o mais recente elemento da gama Ultimate Series da McLaren e inclui uma asa traseira capaz de gerar até 800 quilogramas de apoio aerodinâmico a altas velocidades.

Completamente construída em fibra de carbono para controlar o peso e assegurar a resistência. É também activa variando o ângulo de acordo com a velocidade e se está a acelerar ou travar. Para ajudar ar é alimentado por uma abertura na carroçaria criando uma área de baixa pressão para desviar o ar quente do motor por cima da superfície da asa para mais apoio.



BMW 3.0 CSL "Batmobile" - 1973
O famoso "Batmobile" foi o BMW mais exótico dos anos 70, um modelo de estrada construído exclusivamente para homologar modificações ao CSL para que se mantivesse competitivo nas pistas. Mas curiosamente nenhum dos 39 BMW 3.0 CSL (que na realidade tinha um 3,2 litros debaixo do capot) produzidos deixou a linha de montagem com aquela famosa asa traseira.
É que aquela asa traseira era ilegal na estrada - para contornar esse problema a BMW colocava a asa dentro da mala e os proprietários é que a montavam. Já o pequeno aileron por cima do vidro traseiro, o spoiler dianteiro e as barbatanas verticais nos para-lamas dianteiros para permitir melhor estabilidade a alta velocidade eram completamente legais...

0 comentários: