[update videos]Rolls-Royce Phantom o oitavo apresentado

Custa a acreditar mas o anterior Phantom já cá andava desde 2003! 14 anos no mercado - mas o tempo não perdoa, nem a um "Rolls" e a marca inglesa apresentou a nova geração do Phantom. Foi apresentado no âmbito de uma exposição no Mayfair que celebrava os 92 anos do nome Phantom, que contou com 1 exemplar famoso de cada geração, e sim, pode não parecer mas é um carro completamente novo.
O estilo é uma evolução cuidada do anterior Phantom - frente curta, traseira comprida, o grande pilar C e a frente vertical. A grelha dianteira e faróis de peça única estão mais bem integrados, de forma moderna. O perfil pouco mudou, mas nota-se que os vidros laterais são diferentes e a traseira é mais fluída. Atrás é fácil de notar os novos faróis. E tal como antes, este Phantom estará disponível com duas distancias entre eixos.



As maiores mudanças estão ocultas - recebe uma nova plataforma quase toda em alumínio que servirá de base aos próximos modelos da marca. Mas não é um monocoque como nos "restantes automóveis", algo que permite maior liberdade de design e cada novo modelo será mais um trabalho de carroçador que outra coisa - vai ser possível oferecer aos clientes mais variantes que apenas um interior específico. Um pouco como o Sweptail que fizeram recentemente para um cliente mais exclusivo. Esta plataforma também poderá receber novos sistemas de propulsão - provavelmente estamos a falar de uma versão híbrida.

Consegue ser mais rígido e leve, mas tratando-se de um Rolls-Royce é acima de tudo mais confortável. Recebe vidros duplos de 6 milímetros de espessura e 130 quilogramas em material isolantes, a suspensão pneumática com uma câmara à frente que analisa continuamente a estrada para preparar os amortecedores e direção às 4 rodas para que uma curva mais apertada não entorne o seu champanhe.

No interior apenas o melhor - desde vários tipos de madeira rara, couro, o tejadilho "Starlight" que combina perfeitamente com o bar de bordo.

A "piece de resistance" é que pode ter, a todo comprimento do tablier, uma representação da sua obra de arte favorita - algo que a Rolls-Royce chama: "The Gallery."
O tablier é tradicionalmente bastante vertical, o conjunto de instrumentos pode ser digital mas o relógio, o item mais ruidoso num Rolls, continua analógico. Mas para assegurar que o tablier não é apenas um suporte para airbags e outros componentes a marca inglesa oferece a possibilidade do cliente de levar consigo a sua peça de arte favorita.

Debaixo do capot a cilindrada mantém-se nos 6.75 litros mas recebe a ajuda de 2 turbos - o que significa que a potencia passa de 460 para 563 cavalos e o binário de 720 para 900 Nm. Toda a potencia vai para as rodas traseiras via a caixa automática ZF de 8 velocidades assistida pelo GPS.



update 14-08-2017

0 comentários:

"