DieselGate - ponto de situação 04-04-2017

Tempo e momento para mais um ponto de situação do dieselgate, e algumas noticias bem interessantes - como sempre sem tretas, conservantes ou adoçantes acrescentados.
Funcionários da Daimler investigados
Segundo a Bloomberg procuradores de Estugarda foi aberta uma investigação a funcionários da Daimler-Mercedes por possível fraude e publicidade falsa relacionadas com manipulação de emissões diesel. O jornal Die Zeit noticiou que um funcionário da Daimler testemunhou que a empresa poderá ter manipulado os seus motores diesel para passarem nos testes de emissões. A Daimler não comenta as acusações e diz está a colaborar com a investigação.
A Mercedes já recolheu, voluntariamente, vários dos seus automóveis depois da KBA ter concluído que estariam (bem como a Volkswagen, Audi, Porsche e Opel) a abusar da "janela térmica" - no total das marcas foram recolhidos 630 mil automóveis em que as temperaturas tiveram de ser "corrigidas". Dito isto, nos Estados Unidos a Mercedes foi acusada de falsear as emissões nos seus diesel Bluetec e foi ilibada.


KBA processada pela DUH 
O grupo ambientalista Deutsche Umwelthilfe (DUH) processou a autoridade automóvel alemã KBA por esta não ter agido mais vigorosamente no dieselgate.


Renault continua sobre a lupa
O Banco Europeu de Investimento (EIB) pediu aos investigadores franceses que verificassem se 800 milhões de euros em empréstimos da instituição foram usados para o desenvolvimento das tecnologias que permitiram à Renault falsear os testes de emissões. Desde 2009 o EIB emprestou mais de 8 mil milhões de euros para apoiar o desenvolvimento de veículos com baixas emissões de CO2, ou seja, preferencialmente o desenvolvimento de motores diesel que produzem menos CO2 mas mais NOx que cada vez mais construtores se esforçaram por encobrir. Segundo a DGCCRF, esta encontrou na documentação técnica da Renault parâmetros de software que desligariam parcial ou totalmente os sistemas de controlo de emissões quando o carro não estaria a ser testado. Ou seja, a DGCCRF acusa a Renault de fazer EXATAMENTE o mesmo que a Volkswagen fez.


Alemães voltam a acusar a Fiat
O ministro alemão dos transportes anunciou que encontraram um novo dispositivo para falsear as emissões num automóvel da Fiat. O ministro não deu grandes detalhes, mas irá enviar os resultados à comissão europeia para análise. A Fiat, obviamente, nega tudo. O Der Spiegel cita resultados de testes da KBA em que detectaram que os sistemas de controlo de emissões do Fiat 500X desligam-se ao fim de 90 minutos após arranque. Testes anteriores também detectaram que em algumas condições o sistema desligava-se ao fim de 22 minutos, 2 minutos mais que a duração do teste de homologação de emissões europeu.


VW apresenta queixa sobre a busca na auditora
Como seria de esperar o grupo Volkswagen apresentou uma queixa num tribunal em Munique para tentar bloquear o uso de material e informações obtidos durante as buscas à Jones Day que fez a auditoria interna ao grupo alemão no âmbito do Dieselgate. Esta auditoria decorria desde 2015 e o relatório final nunca foi tornado público - a grande discussão agora é se existe privilégio advogado-cliente entre a Jones Day e o grupo VW, o busílis é que a empresa de advocacia não foi contratada para representar o grupo alemão apenas auditá-lo...

Algo que o tribunal recusou - o tribunal decidiu que os raides à Jones Day, VW e Audi foram legitimos e toda a informação foi obtida legalmente. Claro que esta decisão ainda vai a recurso, mas é um passo na direção de se tornar público o relatório interno que a VW tanto procura esconder - não esqueçamos que quando a auditoria começou a VW disse que o relatório seria tornado publico mas a meio do processo mudou de ideias.


Reparações desestabilizarão automóveis? 
Segundo o jornal inglês The Guardian proprietários de automóveis da VW, Audi, Seat e Skoda equipados com o 1.6 litros TDI estão a ter vários problemas depois da "reparação". Há pessoas a queixarem-se de cortes intermitentes do motor, dificuldades no arranque e regenerações muito mais frequentes. Curioso que o artigo diz a certa altura que o Golf de um senhor chamado James Harrison antes da reparação apenas fazia uma regeneração por ano...uma vez por ano?!

Mas "o problema" poderá não ser a reparação propriamente dita - não esqueçamos que os sistemas anti-poluição destes motores passavam grande parte do tempo desligados (total ou parcialmente) e agora que estão a funcionar "correctamente" os proprietários podem estar a sentir as consequências de conduzir um diesel em cidade ou em viagens curtas demais para um motor diesel.

0 comentários:

"