Governo português castiga os deficientes

Poucas coisas me fazem ferver o sangue, uma delas é ver alguém pontapear alguém indefeso quando está no chão e hoje temos o Partido Socialista, Bloco de Esquerda e Partido Comunista a fazerem exatamente isso - o alvo? Os deficientes.
(...lixar toda a gente)

A vida já é suficientemente difícil para pessoas com mobilidade completa, imaginem os deficientes. Que tem lidar com um pais em que quase nada foi feito a pensar neles, e as poucas benesses que têm vão sendo aos poucos retiradas. A mais recente é o fim da isenção do imposto automóvel a deficientes.

Todos os que têm um carro com um imposto acima de 200 euros vão ter que pagar o valor acima desses 200 euros e apenas são isentos automóveis com emissões de CO2 acima de 180g/km. 

Qualquer carro acima dos 1.7 litros a gasolina ou um 2 litros diesel atinge estes valores. É importante manter em mente que pessoas deficientes não podem ir na sua maioria para automóveis pequenos ou compactos porque não têm espaço para cadeiras de rodas ou opção de caixa de velocidades automática. Ainda pior no caso de pais de deficientes mais profundos que tenham que ir para versões de turismo de carrinhas comerciais que têm emissões mais elevadas e classe 2 em todo o lado.

Para esfregar sal na ferida, o governo que veio salvar o povo português da austeridade fez questão de colocar em vigor esta lei num mês em que a maioria das pessoas está de férias escondida no meio de um longo decreto (Decreto-Lei n.º 41/2016) que inclui também a mudança na fórmula de cálculo para efeitos do imposto municipal sobre imóveis IMI.

0 comentários:

"