[update]Bugatti Chiron apresentado

Dos primeiros artigos que escrevi no 4Rodas1Volante foi sobre como o Bugatti Veyron é o automóvel que não devia existir, um automóvel que muitos gozaram durante o desenvolvimento porque seria impossível cumprir o caderno de encargos e no final todos tivemos de engolir as palavras porque conseguiram não só cumprir todos os objectivos como redefiniram o hiper-carro. E depois de uma carreira de 10 anos eis que a referencia é novamente atirada para cima com o novo Bugatti Chiron - o automóvel de série mais rápido e potente do mundo.
Em 2005 o mundo dos hiper-carros, e automóvel em geral, foi sacudido pela chegada do Veyron com o seu motor W16 de 8 litros e 4 turbos que debitava 1.001 cavalos e mais tarde 1.200 cavalos e 1.500 Nm de binário na versão SuperSport - agora tremam de novo com o Chiron que debita 1.500 cavalos e 1.600 Nm de binário entre as 2000 e 6000rpm, e atinge 420 km\h (limitados) de velocidade máxima! E sem recorrer a qualquer sistema híbrido como a Ferrari ou Porsche fazem.

O design é uma versão suave do concept Vision Gran Turismo que esteve no salão de Frankfurt em 2015 com alguns detalhes inspirados no Type 57SC Atlantic, mantendo as grandes aberturas de ar que forma um arco que ligam o fundo, portas e tejadilho do Chiron. Pode ter perdido muitos dos detalhes mais de competição mas ainda se nota a barbatana traseira sobre o capot e definitivamente tem o look a condizer com as performances.
Recebe um novo chassis monocoque em fibra de carbono semelhante ao dos usados nos protótipos LMP1, coberto por uma carroçaria em fibra de carbono que leva 6 camadas de verniz só para assegurar a resistência e brilho. Relativamente ao Veyron o Chiron é 8 centímetros mais comprido, 4 centímetros mais largo e 1 centímetro mais alto, mas mantém a mesma distancia entre eixos de 2,71 metros e é mais leve - peso seco apenas 1.900 quilogramas.
O interior continua a ser opulento, feito por medida aos gostos do cliente e nenhum pedido é extravagante demais. Apesar de mais rápido o Chiron é mais largo e mais alto, permitindo uma cabine mais espaçosa, conseguindo até ter algo que o Veyron não conseguia - tem uma bagageira de 44 litros à frente.
Regressa o W16 de 8 litros mas graças a materiais nobres (admissão e correia de distribuição é em fibra de carbono) e muita magia negra certamente conseguiram aumentar a potencia em 25%. Recebe novos pistões, cambota, escape de titânio, novos turbos de 2 fases 30% maiores que no Veyron Super Sport. Inicialmente arranca com 2 turbos e acima das 3800 rpm os outros 2 entram em acção para criar uma curva de potencia linear. Resultado final 1480 cavalos entregues de forma suave e controlável às 4 rodas via a caixa DSG de 7 velocidades.
Para terem uma ideia do quanto extremo este motor é, ele engole 60.000 litros de ar por minuto e nesse minuto circula 800 litros de água para manter a temperatura do motor sob controlo! Na era dourada dos Formula 1 Turbo os motores de qualificação debitavam cerca de 1.200 cavalos e só aguentavam algumas voltas - este tem mais que isso é pode ser usado para ir às compras...
Tal como no Veyron a aerodinâmica é activa: entradas dinâmicas dianteiras controlam a entrada de ar para arrefecer os travões ou fecham para melhorar a performance aerodinâmica, a suspensão activa tem 5 programas: Lift (para lombas de velocidade), Auto (por defeito e dinâmico), Autobahn (estabilidade a alta-velocidade), Handling (máxima agilidade) e Top Speed (com a segunda chave 420km\h torna-se possível). O aileron traseiro activo com 4 posições: recolhido, parcialmente levantado (modo Top Speed), completamente levantado para os modos Handling e Autobahn, e posição de travão aerodinâmico.
Recebe novos e maiores discos de carbono e novos pneus da Michelin com maior área de contacto (285/30 R20 à frente e 355/25 R21 atrás) mas mesmo assim continuam a ser o elemento que mais limita o Chiron - mais rápido e auto-destroem-se em poucos minutos.
Tudo somado e o resultado é: 0 aos 10km\h em 2,5 segundos tal como no Veyron Super Sport, 0 aos 200 km\h em 6,5 segundos e 0 aos 300 km/h em 13,6 segundos quando o Veyron SS "demorava" 14,6 segundos. Novamente a velocidade máxima é em 2 fases: em modo normal é limitado a 380 km/h e usando a chave especial consegue atingir (se bem que novamente limitado para que os pneus sobrevivam) 420 km/h que são mais 5 km\h que o Super Sport fazia. Sem limitador o Veyron SS atingiu 432 km\h, de quanto será capaz este Chiron sem limitador?
Vão ser produzidos 500 unidades destas orgias de números, e segundo a Buggati um terço da produção já esta reservada, basicamente ao mesmo preço base do Veyron 2,4 milhões de euros o que faz do Chiron uma pechincha.
Update 04-03-2016

0 comentários:

"