[update]Nova Renault Scénic apresentada

Mais imagens da nova Renault Scenic em Genebra e uma informação interessante - segundo um amigo na Renault Portugal esta Scenic 5 lugares não vem para Portugal, apenas será importada a Grand Scenic de 7 lugares. É uma escolha lógica: esta Scenic é um cross-over e iria roubar clientela ao Kadjar.









Update 04-03-2016
Depois das imagens do exterior temos imagens do interior e dados técnicos sobre o novo Renault Scénic, a 4ª geração...e adianto já que vejo um sério problema.


Em termos visuais é um grande corte com as 3 gerações anteriores - claramente inspirado no concept R-Space de 2011 com uns pozinhos da actual Espace e o look bicolor do Captur. Tem um ar bastante dinâmico, fluido, parece inclinada para a frente que funciona muito bem com a traseira curta e com as grandes rodas de 20 polegadas de série - definitivamente tem presença.

Pela primeira vez poderá ter uma carroçaria bicolor numa monovolume (opcional excepto no modelo de topo) e tejadilho de vidro em 2 tons (Preto Estrela e Cinzento Cassiopeia) conforme a cor da carroçaria. Relativamente aos pneus de jante de 20 polegadas com pneus 195/55 são mais finos que o normal (como os BMW i3 ou i8) definitivamente funcionam na imagem da nova Scenic mas levanta 2 questões: quanto vai custar cada pneu e será que vai comprometer o conforto?


Baseado na arquitetura modular CMF C/D (tal com as nova Espace, Talisman e Megane) é, relativamente à anterior geração, maior em todas as direções: 13 milímetros mais alta (1.65 metros), 40 milímetros mais comprida (4.406 metros), 20 milímetros mais larga (1.865 metros) e mais 32 milímetros na distancia entre eixos) 2.73 metros.
O interior é espaçoso e transpira conforto - os bancos dianteiros aproveitam a estrutura dos bancos da Espace, dispõem de regulação elétrica de oito modos, função de massagem e aquecimento nas versões topo de gama e o banco do passageiro dianteiro pode ser colocado em posição de mesa, em algumas versões. 

A consola central continua a ser deslizante para poder ser usada pelos passageiros dianteiros (disponibiliza um espaço de arrumação iluminado e fechado por uma cortina, com apoio de braço integrado, e as tomadas para os ocupantes dianteiros) e traseiros (2 tomadas USB, uma tomada jack, uma tomada de 12 V e um espaço de arrumação).
Desaparece a instrumentação central e passamos a ter o tablier da restante gama Megane, o que não é necessariamente mau - mas o que é, para mim, o GRANDE problema da nova Scenic: abandonou os assentos traseiros individuais por assentos normais, corrediços de forma independente (1/3, 2/3) em todas as versões. À primeira vista parecem assentos individuais mas por trás dá para ver que não são.

Yup, a monovolume compacta original abandonou um dos pormenores que definem essencialmente as monovolumes: os assentos individuais reclináveis/extractiveis. Agora terá o normal banco traseiro que pode ser rebatido apartir da mala - basicamente os mesmos assentos da Megane carrinha com um aspeto diferente. A minha cara-metade gosta de monovolumes, e gostou das imagens da nova Scenic - mas mal lhe referi a questão dos assentos traseiros rapidamente disse que não estava interessada. Calculo que seja uma medida economista (tal como o tablier) mas creio que esta escolha poderá custar caro à Renault.

A mala do novo Scenic passa a ter um volume de 496 litros VDA, é 26 litros mais que a geração anterior, a que acrescem 63 litros em espaços de arrumação adicionais um pouco por todo o lado. 

Um desses espaços é o porta-luvas Easy Life da nova Espace iluminada, climatizada e de abertura elétrica por intermédio de um sensor.
Em alguns níveis de equipamento o “One Touch Folding” (via o R-Link2 ou o comando na mala) rebater automaticamente os bancos traseiros criando um piso QUASE plano.

Debaixo do capot vai ter seis motores diesel (o 1.5 litros dCi com 95 cavalos de caixa manual ou 110 cavalos de caixa manual ou EDC de 6 velocidades, e o 1.6 litros dCi com 130 cavalos com caixa manual de 6 velocidades ou 160 cavalos com caixa automática EDC de 6 velocidades) e dois motores a gasolina (o 1.2 litros TCe com 100 ou 130 cavalos a gasolina ambos com a caixa manual de 6 velocidades).

Em 2017 ira receber o "Hybrid Assist" que combina o 1.5 litros dCi de 110 cavalos com caixa manual de 6 velocidades ajudado por um motor elétrico para ajudar. O sistema permitirá aumentar a força de aceleração em determinadas fases de utilização,particularmente a baixo regime. 

Com este sistema, que permite a recuperação de energia nas fases de desaceleração e de travagem numa bateria de 48 V, que alimentará o motor elétrico que auxilia o motor térmico, que se mantém em funcionamento contínuo.

A versão de 7 lugares Grand Scenic deve ser apresentada antes do verão - será que essa versão terá assentos individuais?



Post original de 23-02-2016
Eis as primeiras imagens da nova Renault Scenic, a 4ª geração do monovolume compacto que em era de SUV adopta a mesma receita da nova Espace.
Dá para perceber que a Renault tentou trazer o monovolume para o look cross-country/SUV - o look é uma mistura do Captur com a Espace, o vidro dianteiro em 3 partes é da Espace, a distancia ao solo é maior e as vias alargadas, a linha mais trabalhado especialmente a dos vidros, a traseira mais curta e o que parecem ser jantes de 20 polegadas num monovolume de série!
São pneus finos e altos, tal como temos no Toyota GT96, Prius, BMW i3 e i8 - exactamente qual é a razão para esta solução ou se são de série e como é o interior são questões que vão ter que esperar um pouco mais. Os rumores indicam que abandona os instrumentos centrais da geração anterior e a Autocar diz que poderá perder os assentos individuais tipo monovolume por troca por assentos de um sedan normal!

0 comentários:

"