Volkswagen Budd-E apresentado - concept

Curioso como uma feira de tecnologia de consumo tornou-se (em mais um) salão automóvel - este é o Budd-E, um concept elétrico que estreia uma nova plataforma para automóveis elétricos e para acalmar os fãs da marca nos EUA também abre a possibilidade de produção a este modelo inspirado no celebre "Pão de forma".

Apesar do nome seguir a mesma estrutura dos elétricos da marca alemã (e-Golf, e-Up) mas para apresentar a sua nova plataforma especifica para automóveis elétricos MEB (Modular Electric Drive) a Volkswagen enfim parece ter percebido que para os elétricos terem sucesso têm que ser "diferentes" e trouxe uma evolução do (também concept) New Bulli de 2011 que poderá vir a ser produzido em 2019.


É um meio caminho entre o monovolume e o furgão comercial, tem 4,60 metros de comprimento, a motorização elétrica de um motor elétrico em cada eixo (à frente um motor de 100 kW/136 cavalos e 200 Nm e à frente e um de 125 kW/170 cavalos e 290 Nm de binário atrás) é alimentada por uma bateria de 92,4 kWh e segundo o ciclo NEDC tem uma autonomia de mais de 500 quilómetros. Se esta ficha técnica soa familiar é porque é muito semelhante à do recentes concepts do grupo Volkswagen: Porsche Mission E e Audi e-Tron Quattro. 

O interior é bastante avançado, afinal é uma exposição de tecnologia - É um "lounge" espaçoso com assentos reconfiguráveis, comandos gestuais, com um grande ecrã de 12.3 polegadas, superfícies tacteis até para abrir a porta de correr e grande ênfase na conectividade e interação com a residência ou escritório inteligente. 

Recupera o sistema de câmaras que substitui o espelho retrovisor do Volkswagen XL1 e o grande ecrã substitui/funde os tradicionais combinados de instrumentos e sistema multimédia.


Mas o mais importante é mesmo a plataforma MEB: é que até agora a Volkswagen desenvolvia plataformas modulares capazes de incorporar todas as motorizações possíveis o que trazia muitos compromissos. Esta MEB foi desenhada de raiz a pensar nas motorizações elétricas: baterias no fundo, motores elétricos compactos em cada extremidade maximizando espaço interior e tração integral - sim, tal como no Tesla Model S. Segundo a VW, esta plataforma dará a autonomia, custo e praticabilidade necessária para tornar o automóvel elétrico no automóvel primário e não apenas um segundo automóvel.

Mas segundo a volkswagen é mais uma demonstração de tecnologia futura do que reimaginar um clássico. Até as capacidades da motorização elétrica são teóricas - a marca admite que são projeções baseadas no que se espera da tecnologia até ao fim da década e ainda estão à procura de fornecedores que possam desenvolver a tecnologia. É mais uma declaração de intenções que propriamente realidade. Nem há garantias de que este formato possa vir a ser produzido - Herbert Diess disse que uma versão de produção poderá chegar em 2020 mas o porta-voz da VW Harrison disse que "o Budd-e não é indicativo de uma direção futura, apenas joga com a ideia de um automóvel ser um espaço ativo". Resumindo - é um concentrado de tecnologias que a VW diz querer desenvolver no futuro.

Algo mais realista foi apresentado noutro concept da Volkswagen - o e-Golf Touch concept anuncia o controlo de funções do automóvel por gestos em automóveis comuns (essa tecnologia acabou de chegar com o novo BMW Série 7). A tecnologia não é novidade porque no CES de 2014 a VW trouxe o Golf R Touch que já tinha essa tecnologia, esta nova versão apresentado no e-Golf é quase de série que poderá chegar (a VW não o confirmou oficialmente) com o restyling do Golf que se avizinha (provavelmente mais para o fim de 2016).
Aproveita o mais recente sistema multimédia MIB da VW com um ecrã de 9.2 polegadas e resolução de 1280 x 640 pixels e poderá ser personalizado para ter as funções mais usadas pelo condutor no ecrã de abertura (que podem ser armazenadas para a Cloud e descarregadas para outro VW compatível via o Personalization 2.0), recebe suporte para (smartphones (MirrorLink, Android Auto e Apple CarPlay) e suporte para controlos vocais. É possível carregar os telemóveis por indução num suporte por debaixo do sistema multimédia ou no apoio de braços traseiros, ou ainda via as portas USB3 que permitem também a transferência ultra-rápida de ficheiros. Recebe também a 3ª geração do Media Control que dá acesso a várias funções do automóvel aos passageiros traseiros via um tablet.


0 comentários:

"