Google Glass tão perigoso como smartphone ao volante

Já surgiram vários casos nos EUA de condutores apanhados a conduzir com o Google Glass - o que colocou uma pergunta interessante: será mais ou menos perigoso que conduzem com um smartphone? Bem, um estudo recente concluiu que é exactamente a mesma coisa.

Este estudo (já revisto e confirmado) da University of Central Florida em parceria com o laboratório de pesquisa da Força Aerea americana foi feito em simulador, com os condutores a utilizarem o Google Glasse e smartphones e a conclusão foi que o tempo de resposta é igualmente lento em ambos os casos - o que significa que eram mais lentos a responder às situações de perigo apresentadas. Quem usava o Google Glass conseguia recuperar o tempo de resposta padrão mais rapidamente que quem utilizava um smartphone mas mesmo assim não o suficiente para ser seguro.

Como se costuma dizer entre os engenheiros, uma máquina que faz 2 trabalhos ao mesmo tempo não faz nenhum deles bem - nós somos uma máquina, faça uma coisa de cada vez.

Sou sincero - não tenho assim tantos leitores como gostaria daí que não quero que nenhum de vocês "fique na estrada". Recebi por email a informação da campanha para a segurança rodoviária da Brisa, com o endosso da ANSR (Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária), e o apoio da MEO, da NOS e da Vodafone. Sabiam que:
- é 23 vezes mais perigoso conduzir e falar ao telemóvel
- Portugal é um dos países do mundo onde há registo de maior intensidade de utilização de telemóvel ao volante:
- 31% dos portugueses admitem enviar e ler SMS enquanto conduzem;
- 59% dos portugueses admitem falar ao telemóvel enquanto conduzem. No Reino Unido, por exemplo, a percentagem é de 20%.

Neste sentido, a Campanha Verão Seguro, que irá prolongar-se até 31 de Agosto, quer que as famílias portuguesas tomem consciência do risco real do uso do telemóvel durante a condução.
A divulgação será realizada nos próprios meios da Brisa, na rede MOP, televisão, rádio, internet e imprensa, de forma a sensibilizar e alertar a generalidade da população para um perigo cada vez mais presente no nosso dia-a-dia

0 comentários:

"