Jaguar - Land-Rover no Salão Automovel de Paris 2014

Estava muito curioso para ver de perto o expositor da Jaguar e Land-Rover, ambas marcas do grupo Tata, porque no mesmo local estão 2 dos modelos mais "interessantes" para 2015: o novo Land-Rover Discovery Sport e o novo Jaguar XE. Infelizmente era daqueles expositores com acesso limitado - longa fila de espera.


 
No lado da Land-Rover o novo Discovery Sport acabadinho de apresentar em Paris era a peça central - segundo um representante eram ainda protótipos e não versões de produção em série.

 
Até recentemente não parecia haver lógica ou ligação entre os diferentes modelos da marca, mas depois de reorganizarem os Range-Rover, os ingleses estão a fazer o mesmo na Land-Rover e este Discovery Sport é o primeiro passo nesse caminho.

 
 
Apesar de ser fácil ver a ligação ao Evoque (a frente até ao para-brisas é a mesma) daí para trás é todo diferente - os Ingleses querem manter o Evoque mais premium e elitista, e o Discovery Sport mais "familiar" se me é permitida a frase. Mas muito menos "maezinha" que o Freelander: mais baixo e largo, o pilar A é mais inclinado, o pilar c no sentido opos e as nervuras laterais criam um look mais moderno, actual.
 
Apesar de alguns plásticos menos agradáveis e de haverem botões espalhados um pouco por todo o lado (reparem nas portas), até é agradável - especialmente se for para a versão mais luxuosa.


O interior é espaçoso, há arrumos um pouco por todo o lado, e apesar de alguns plásticos parecerem um pouco fracos parecem robustos e o sistema multimédia InControl funcionava bastante bem.

 
Assentos são confortáveis e não tive qualquer problema em encontrar lugar para o meu 1,84 metros costas largas.




 
Isto é até olhar para a 3ª fileira de bancos - apesar de muitos se referirem a este modelo como de 7 lugares, é na verdade um 5+2 e só mesmo por crianças talvez até aos 12 anos. Eu consegui sentar-me atrás mas sem espaço para as pernas e com a cabeça esmagada no tejadilho.

 
 E para esfregar sal na ferida ao tentar sair a abertura era apertada demais, prendi um pé e ia-me espalhando ao comprido em frente a meio mundo...não correu bem.
 
Gostei do designe deste novo Land-Rover e não duvido que tenha sucesso no mercado - apenas uma dica: não conte com os 7 lugares na sua decisão.
 
Outros modelos estavam expostos - o eterno Defender...
 
...desde o Range Rover...

 
...e Range Rover Sport hibrido.

 
O Range Rover mais rápido do mundo esteve presente cortesia do departamento SVR


...e ofuscado pelo mano mais novo Discovery Sport, o Range Rover Evoque que poucos prestavam atenção.
Mas logo ao lado estava a Jaguar e outro modelo que promete tornar 2015 num ano muito interessante para o automovel - o novo Jaguar XE. E o que posso dizer? Bem, não desapontou.

Estave presente em vários sabores - o "bem-passado" Pure (em branco), uma "no ponto" prestige (em cinza ) e uma versão "au point" S (num vermelho delicioso). 



O Jaguar XE consegue ser desportivo mas ao mesmo tempo conservador - algo necessário para ir atrás dos BMW Serie 3 e Audi A4, mas a marca adoptou o mesmo esquema dos alemães em oferecer um look para cada tipo cliente: do Pure ao S (se bem que parajá bloqueado com o V6 segundo um representante este look ira chegar a toda a gama).


Aceder ao XE não é dificil já que as portas abrem bastante, se bem que sair dos lugares traseiro pode exigir algum cuidado com a cabeça versus pilar C (facil, sente-se ao volante).
Sentamo-nos bastante baixo no carro e o tablier envolve o condutor criando uma sensação de abraço. À minha frente tinha um conjunto de instrumentos clássicos mas desportivos.
Mas ao olhar à minha volta vejo que não tem aqueles acabamentos de luxo que esperava, é simples mas talvez simples demais - provavelmente terá que se passar pelos opcionais. Resumindo, falta no interior o "uau" do exterior. O sistema multimédia InControl parece funcionar bastante bem, se bem que não evita talvez alguns botões a mais no interior.



O Jaguar XE consegue ser desportivo mas ao mesmo tempo conservador - algo necessário para ir atrás dos BMW Serie 3 e Audi A4, mas a marca adoptou o mesmo esquema dos alemães em oferecer um look para cada tipo cliente: do Pure ao S (se bem que parajá bloqueado com o V6 segundo um representante este look ira chegar a toda a gama).

O designe é claramente em linha com a restante gama, o que acontece pela primeira vez já que antes parecia não haver qualquer ligação entre os modelos da marca - complica os clientes identificarem-se com a marca.

Temos um longo capot com uma boça, a cabina está bastante recuada e a versão S com aquelas jantes largas ficam a matar como as costas nuas num longo vestido de noite...especialmente com aquelas nervuras que correm na lateral para acentuar as cavas das rodas.
Mas logo ali ao lado 2 belas feras com 4 rodas chamavam - esta é Angelina Jolie ;)...




E a versão coupe era sinceramente demoniaca - Angelina Jolie juntou-se ao lado negro!











O XF carrinha também esteve presente...

...mas sinceramente continuo com um fraquinho por este, o XJ.
Nota - as imagens estão na definição original e se clicarem podem ver as imagens em maior dimensão.

1 comentários:

  • H. Costa says:
    28 de outubro de 2014 às 18:30

    Eu vou fazer queixa desta página, por excessivo uso de pornografia num post... Hehe, estou só a brincar, não se preocupe.

    Piadas à parte, nunca a dupla Land Rover\Jaguar teve um aspecto mais fresco até agora, ambas as gamas tem um pouco de tudo. O novo Discovery Sport pode prejudicar o irmão Evoque um pouco, mas provavelmente não será nada de grave (o Evoque vende-se como pãezinhos quentes, por isso...). O Range Rover SVR desafia as convenções Todo-o-terreno que vemos num Range Rover, mas é um demónio com tracção integral e um V8 furioso debaixo do capot. Acho que o Jeep Cherokee SRT8 tem de ter cuidado a partir de agora...

    A Jaguar é a menina dos olhos negros, como de costume. A "Angelina Coupé" em preto é o tipo de carro que devia ter um poster gigante, para poder coloca-lo numa capa e mostrar aos netos no futuro, mas o carro mais importante é o XE. Se correr mal, é o regresso do caso X-Type, e a Jaguar leva um golpe em cheio na cabeça por parte dos alemães. Se correr bem, é dinheiro no banco, como dizem os americanos. O design da traseira é o que me preocupa; parece menos Jaguar e mais Audi A7 Sportback, não me parece tão original (ou tradicional da marca). Mas os donos é que ditarão se o plano funcionou ou não...

"