União Europeia aperta testes de emissões e consumos

Recentemente escrevi sobre porque é que os consumos homologados raramente ou nunca correspondem com os consumos na vida real, e depois de muito barulho nos EUA com vários construtores automóveis a serem processados por consumos optimistas parece que enfim a União Europeia está a preparar legislação que torne estes testes mais realistas.
 
Uma nota antes de mais: o ciclo de homologação nunca foi pensado para determinar os consumos de um automóvel, mas antes para comparar consumos de automóveis em igualdade de condições - o problema foi a percepção criada pelas autoridades e construtores.
 
A comissão europeia esta a preparar legislação para que o consumo de um veiculo seja determinado na estrada e não em laboratório e tapar outros buracos e truques na metodologia que permite estes consumos tão bons...para serem verdade. Apartir de 1 de Setembro já entram em vigor testes mais exigentes, mas testes ainda mais exigentes devem chegar no fim do ano.
 
O problema é que terá que ser aceite por todos os países e o mais certo é termos os alemães à perna.
 
O principal alvo são as emissões de óxido de azoto (NOx) que já se provaram ser mais perigosas (cancerígenas) que as de CO2 e parece que as emissões reais de NOx são 4 a 5 vezes maiores que as de homologadas. Apartir de 1 de Setembro o limite de NOX passa a ser 0.08 gramas de NOX por quilometro quando antes era de 0.180 g/km. Só que primeiro é preciso tapar os buracos nos procedimentos.

0 comentários:

"