Novo Nissan Note - ensaio

Estava curioso por ensaiar esta segunda geração do Nissan Note - numa fase em que personalização e individualismo parece ser a palavra chave neste segmento a verdade é que há muita gente que apenas quer um automóvel simples, confortável, fiável, moderno e acessível. Como usei as palavras "moderno" e "confortável" não estou claro a falar de Dacias claro.
 
1º contacto
Este novo Nissan Note é muito menos "utilitário" que a primeira geração, recebendo uma nova plataforma (a do novo Micra mas alongada) e motores. Segundo a Nissan é também mais leve e mais fiável.

A ideia é pegar no formato mini-monovolume espaçoso interior e torna-lo mais atraente e agradável a um publico mais amplo. E sinceramente acho que conseguiram - este Note é mais musculado, moderno sem ser exagerado e cortaram 20 milímetros à altura.


Mas se tem visto os anúncios na televisão a Nissan tem insistido na segurança do Note ao oferecer num automóvel tão pequenos sistemas normalmente oferecidos em automóveis maiores - o Nissan Safety Shield. Creio que é um opcional que combina 3 sistemas diferentes (vigiar de ângulo morto, alerta de saída de faixa de rodagem e detecção de outros veículos/objectos) numa forma fácil de compreender e usar.
 
 
Bem-vindo a bordo
Aceder ao interior do Nissan Note é fácil graças ao ângulo da abertura de portas ajuda bastante. A posição de condução é bastante próxima da de um mono-volume, os assentos são confortáveis e todos os controlos estão ao alcance.

O centro do tablier é em plástico acetinado agrupando o sistema multimédia, comandos de climatização - simples mas belo, não há exageros. É tudo bastante funcional, pratico, há arrumos um pouco por todo o lado, plásticos duros mas tudo parece resistente - bom mas não é propriamente "uau" se me percebem.

Não impressiona. O banco traseiro tem bastante espaço e é possível deslizar o banco para trocar capacidade de mala por espaço para as pernas, se bem que para as cabeças pode ser limitado. Capacidade da mala é boa.


Tem alguns pormenores estranhos - por exemplo, a alavanca para abrir o depósito da gasolina é uma pequena alavanca abaixo e à esquerda no fundo do tablier, e para abrir o capot é uma pequena alavanca abaixo e à esquerda no fundo do tablier ao lado da do abrir o tanque.

Se numa área de serviço vir o condutor de um destes Nissan Note a abrir e fechar o capot antes de o abastecer não estranhe - é inevitável. Também não percebi porque é que colocaram a porta USB para ligar o smartphone ou flash drive ser dentro do porta-luvas?

O Note tem 2 relógios - um à frente do condutor e outro no ecrã no sistema multimédia, mas ambos tinham horas diferentes, ou seja, tem 2 relógios para acertar no seu Note sempre que tiver que mudar a hora?

E se quiser usar o botão para o reóstato da luz do tablier o melhor é fazê-lo parado porque tem que meter o braço pelo meio do volante para lá chegar...
 
Condução
A nível de motores (todos de origem Renault) pode ter o Nissan Note com 3 cilindros de 1.2 litros a gasolina atmosférico de 80 cavalos, uma versão comprimida com 98 cavalos e uma versão diesel com o 4 cilindros 1.5 dCi com 90 cavalos. Todos recebem uma caixa manual de 5 velocidades ou uma CVT opcional.

 O que me calhou foi a versão menos potente, e sinceramente só a posso recomendar a quem nunca tenha pressa - dos 0 aos 100km\h foram cerca de 13 segundos e se souber esperar ele lá chega ao limitador mas é capaz de demorar. Para prelivigiar a economia e emissões, a caixa tem relações bastante longas daí que a resposta do motor é lenta.

Sinceramente, se transporta mais que uma pessoa consigo regularmente irá preferir o 1,5 dCi de origem Renault. O 1.2 litros atmosférico simplesmente não tem força e a caixa de velocidades tem relações longas demais tornando as ultrapassagens problemáticas e vi-me a ter que trabalhar a caixa mais vezes que preferia: fossem subidas ou ultrapassar alguém.

Mas não é só de motor que se faz o comportamento em estrada e novamente a Nissan resolveu apontar a um público diferente - enquanto a Peugeot, Ford, Renault fizeram ponto de honra de fazer os seus divertidos e excitantes de conduzir, a Nissan fez o Note não tão divertido/dinâmico mas estável, confortável e o ruído esta bem controlado.

O Note está à vontade na cidade, o motor é linear e o comando da caixa de velocidades é preciso se bem que as suspensões podem ser um pouco secas a baixa velocidade. Na estrada o motor é discreto, excepto claro nas (numerosas) reduções necessárias, e a suspensão digere bem as irregularidades. Pode inclinar um pouco nas curvas, mas não o suficiente para estragar a condução - a direcção e a suspensão é precisa em suficiente mas não demais para estragar o conforto ou permitir grandes movimentos do automóvel.
 
 
Concluindo
O Peugeot 208, Renault Clio ou o Ford Fiesta conseguem ser mais cativantes e divertidos de conduzir, mas a Nissan previligou o conforto e habitabilidade. Por fora pode parecer "convencional" mas é espaçoso e muito pratico.
 
Se é uma pessoa objectiva, se não é "daqueles apaixonados pela condução" (eu incluo-me nesse grupo) e se procura um automóvel bem contruido, sólido, fiável, honesto experimente o Nissan Note.
 
Pontos positivos
-Interior espaçoso e pratico
-Confortável
-Tecnologia de segurança
 
Pontos negativos
-Condução pouco comunicativa
-Alguns detalhes interiores
-Motor 1.2 litros atmosférico a evitar

4 comentários:

  • Anónimo says:
    6 de janeiro de 2015 às 00:33

    Percebes tanto de carros como eu de bois: isto é, nada!

  • Turbo-lento says:
    6 de janeiro de 2015 às 12:54

    Comentários desses são faceis - já explicar porque é que achas isso seria mais util e sensato.

  • Marco C. says:
    6 de janeiro de 2015 às 15:46

    lol
    Sobre o ensaio acho resume o carro, não à muito a acrescentar. Mal vi o carro disse logo que desilusão...

    Á várias escolhas para o mesmo segmento, mais bonitos, tão bem equipados que quem escolher este está mesmo com falta de gosto e não aprecia conduzir.

    Aliás é indicado para quem não gosta de conduzir lol

  • Turbo-lento says:
    6 de janeiro de 2015 às 18:40

    Creio que a Nissan fez essa "escolha" - bons mas "pouco aliciantes" sedans (temos o Micra, Note...) e os SUV's (juke, qashqai...) mais aliciantes.

    E em breve devo dizer mais porque estou a terminar o ensaio do C4 Cactus (que conduzi 2) e do novo Renault Twingo.

"