Roubo automovel versão 2.0

Sempre que houve propriedade houve sempre alguém a querer ficar com ela de forma indevida e tendo passado algum tempo com a Policia (por boas razões) aprendi algo de novo sobre um crescente risco a propriedade carro - recomendo a leitura aos que estão interessados na compra ou venda de carros usados.
Graças à evolução tecnológica o roubo de automóveis tem-se tornado cada vez mais complicado - seja pela acção da policial, seja pela tecnologia carro: ainda recordo o meu 1º carro (um Opel 1204 carrinha branco de 1976 - tinha a minha idade) que podia abrir com uma faca de cozinha e actualmente não é assim tão fácil. Mas infelizmente esta evolução tecnológica foi acompanhada pela evolução do larápio.
No passado recente (e ainda actualmente) o roubo de um carro tinha 3 principais objectivos - obter uma viatura para praticar outros roubos, exportar para Europa de leste ou norte de África, e para aproveitar peças. Mas cada vez mais estes objectivos têm sido substituídos por outro mais lucrativo, mais rápidos e mais seguros - clonar automóveis. Se esta a pensar na clonagem de telemoveis, o principio é o mesmo - basicamente trata-se de roubar um carro e criar um novo registo e número de VIN baseado num já existente e legal mais de forma a que seja difícil às autoridades de detectar. Não é propriamente novidade, mas esta a tornar-se cada vez mais popular.
A maneira mais simples e comum de clonagem envolve em primeiro lugar anotar o VIN de um determinado marca e modelo de carro - por exemplo, ir a um centro comercial ou a um stand da Audi e anotar o VIN de um Audi A6. Depois vão roubar outro A6 do mesmo modelo e colocam os VIN do carro legal no roubado, nova matricula e com algum trabalho de falsificação de documentos conseguem criar um titulo de propriedade falso. Se for parado pela Policia os números batem certo e não acontece nada.
Mas aí entram 2 factores que trabalham contra o ladrão - a verdade é que o número de VIN esta repetido em 20 sítios diferentes num carro (alguns desses locais é difícil acesso) e um policia ou técnico treinado procura sempre em mais de 1 local.
E ainda pode ter o azar de encontrar uma brigada com acesso informático ao registo carro - mas a verdade é que não são assim tantas patrulhas com esse acesso.
Mas entra em campo outra fonte de clonagem e esta mais difícil de apanhar - sucateiros. É que se comprar um veiculo acidentado (em qualquer pais), fica com um VIN e documentação de propriedade sobre essa viatura e VIN.
E muitos automóveis acidentados estão a ser comprados na Europa por pessoal de países de leste para depois usarem essa informação para clonar carros roubados e em seguida vende-los em Portugal e no resto da Europa. E atravessando tantas fronteiras torna-se basicamente impossível verificar a verdadeira propriedade ou estado de uma viatura.
Escrevo não para ensinar como roubar um carro, mas como um aviso a quem pensa em comprar um carro usado, particularmente um importado - verifique que vem de fonte de confiança, leve a viatura a uma inspeção técnica antes de adquirir a viatura e acima de tudo quando olhar para o preço de carros lembre-se do velho adágio - "quando algo parece bom demais para ser verdade, é porque o é".
E ultima dica que apanhei com a Polícia - se um dia receber uma multa de trânsito ou estacionamento com a sua matricula, mas que é impossivel ser o seu automovel, pode já ter sido clonado...

0 comentários:

"