PSA Peugeot-Citroën compra Opel

A grande noticia do salão de Genebra é sem duvida a união entre a (Peugeot, Citroën, DS) e Opel - há muito metal novinho em folha para rever mas esta é sem dúvida a maior noticia e também incógnita do mercado automóvel atual. Afinal como é que isto vai funcionar?
Por 2.2 mil milhões de euros (1.3 mil milhões pelo negocio automóvel que inclui as marcar Opel e Vauxhall, 6 fabricas de montagem, 5 fabricas de componentes, um centro de engenharia e 40.000 funcionários; e 900 milhões pelo ramo financeiro) a Citroën, Peugeot e DS acolhem a Opel e a filial inglesa Vauxhall (sim, a Holden ou Buick não estão incluídas no negócio) colocando o grupo logo atrás do grupo Volkswagen na Europa (16% do mercado europeu com 2,4 milhões de unidades atrás dos 24% da VW com quase 3.5 milhões de unidades mas bem à frente da Renault/Dacia com 1.5 milhões de unidades- em 2016 PSA e GM Europa entregaram 4.3 milhões de unidades).

Carlos Tavares já prometeu trazer a Opel de volta aos lucros e tem como objectivo atingir uma margem operacional de 2% nos próximos 3 anos e 6% até 2026 com base em poupanças conjuntas de 1.7 mil milhões de euros. Essas poupanças vão vir de partilha de compras, pesquisa e desenvolvimento, evitando (para já) o encerramento de fábricas. Em particular já terá começado o trabalho de converter a gama Opel a plataformas e tecnologias PSA - segundo Carlos Tavares o primeiro será o próximo Opel Corsa que já foi adiado para 2020 e 5 outros modelos (modelo Opel baseados em produtos PSA) até 2023 (entre eles o próximo Astra previsto para 2021).

A PSA reiterou que pretende manter a Opel como uma subsidiaria alemã distinta e manter os empregos atuais, algo que cobre a produção dos modelos atuais - a questão é depois da conversão para bases PSA e aí o futuro das fábricas Opel fica mais incerto, especialmente porque na Europa em média as fabricas automóveis estão a trabalhar a 80% da capacidade máxima. Alguns analistas prevêem que o grupo (PSA-Opel) terá no futuro que fechar 2 a 3 fábricas nos próximos 5 anos - as do Reino Unido são as mais tremidas graças ao Brexit.

Já a GM basicamente abandona a Europa (mantém apenas o centro de engenharia diesel em Torino Itália) para se concentrar no mercado norte-americano e asiático - a venda inclui também o ramo financeiro da marca americana GM Financial à PSA e BNP Paribas. A colaboração entre PSA e GM continuará com o fornecimento de certos modelos da Buick e Holden (que são basicamente Opels como outras grelhas), tecnologias de electrificação incluindo possivelmente entrada na parceria entre a GM e Honda para o desenvolvimento de tecnologia de pilha de combustível.

Enfim, é um recomeço da Opel - depois de quase 90 anos sob tutela da General Motors provavelmente foi o melhor para a marca alemã - a Opel esteve quase 90 anos na GM mas os últimos anos têm sido muito atribulados. A Opel foi fundada em 1862 por Adam Opel para a produção de máquinas de costura, mas com o apoio dos filhos começou a produzir bicicletas e o seu primeiro automóvel surgiu em 1899. Mas com a crise económica de 1929 os herdeiros de Adam Opel venderam a marca alemã à GM, recuperando a marca e antes da segunda grande guerra em 1939 era pela 4ª vez o maior construtor automóvel europeu. 
Durante a Segunda grande guerra o construtor foi tomado pelos nazis, mas depois de terminado esse período negro da historia a marca voltou a renascer com a GM, e em 1972 gozava de uma fama Premium e vendia mais automóveis na Alemanha que a Volkswagen
Mas apartir dai foi sempre a descer - a Volkswagen apresentou o primeiro Golf e a crise petrolífera foi extremamente pesada nos automóveis da Opel. A GM enviou Jose Ignacio Lopez para cortar custos mas com isso a qualidade da marca caiu arrastando as vendas consigo para baixo. Em 1995 a Opel e a Volkswagen detiam ambas 17% do mercado alemão mas em 2008 a Opel já só tinha 8.4% do mercado.
Subsequentes CEOs da Opel pouco tentaram manter a marca sem grande interesse no crescimento, mas em 2009 com a crise económica instalada a GM abria falência. Os americanos tentaram vender a Opel aos Canadianos da Magna International mas safos pelo governo norte-americano a GM mudou de ideias e passou a espremer os governos europeus onde tinha fabricas para assegurar postos de trabalho. 
A crise continuou a aprofundar-se na industria automóvel europeia e as manobras da GM em grande destaque nas noticias apenas afundaram a marca ainda mais. A marca acabou por encerrar as unidades de Antuérpia, Bochum e Azambuja.

Foi preciso a GM ir buscar um gestor fora do grupo, Karl-Thomas Neumann anterior CEO da Continental e da Volkswagen China, para recolocar a marca de volta no caminho certo mas infelizmente já era tarde demais: perde dinheiro à 16 anos e queimava mil milhões de euros por ano, algo que mais cedo ou mais tarde iria ter que acabar.

8 anos depois de quase vendida aos canadianos da Magna International e dos assédios da Fiat Chrysler em 2015 olhemos em frente, mas perguntas continuam no ar...
- Sobreposição geográfica e de gamas: uma aliança automóvel de sucesso deve complementar-se e não sobreporem-se uma à outra, mas no caso desta união PSA e Opel isso não acontece.
- Opel perde dinheiro e imagem: há 16 anos que a Opel perde dinheiro, a sua gama recente não tem propriamente sobressaído à concorrência (acompanha mas nunca ultrapassa) e acima de tudo só é conhecida na Europa e Rússia.
- Parceria difícil em vista: a parceria PSA-GM data de 2012 e até agora só resultou no Crossland X baseado no proximo em C3 Aircross e eventualmente no Grandland X baseado no Peugeot 3008. Se em 5 anos só se conseguiram entender e realizar apenas 1 produto real, como é que se vão entender a partilhar tecnologias de electrificação ou fornecimento de outros produtos? E não esquecer que os alemães desenvolveram muitos produtos da GM incluindo certos Buick, Chevrolet e Holden que deram muito lucro à GM e a PSA vai ter que continuar a honrar sem receber grande parte do lucro da venda. E segundo o jornal The Times a GM não quer a Opel na China.
- Entrada no mercado americano: a PSA pode negociar uma entrada no mercado norte-americano mas tendo a GM abandonado a Europa e concentrado a sua atenção nos seus mercados-chave será que os americanos vão aceitar ter mais um rival no seu quintal?

Carlos Tavares espera tornar a Opel-PSA num líder europeu cortando custos, combinar esforços de desenvolvimento e aproveitar a popularidade da "engenharia alemã" - basicamente replicar na Opel o que fez à PSA. O que não é necessariamente mau: afinal de quase falência em 2012 já dava lucros em 2015 e pela primeira vez desde 2011 pagou dividendos aos accionistas no ano passado.

0 comentários:

"