Trivialidades de 4 rodas


Edição "Faça-se luz"

Luz. Está a nossa volta e os nossos sentidos apenas conseguem processar uma pequena porção do espectro. Mas a luz no interior dos nossos automóveis é algo mais recente que possam pensar.

O primeiro conjunto de instrumentos retro-iluminado foi instalado no Jaguar Mk VII em 1950.

O Jensen Interceptor de 1966 foi o primeiro automóvel com iluminação interior com atraso, permitindo que as luzes continuassem ligadas algum tempo depois do condutor se ter sentado e fechado a porta.

O Lexus SC430 de 2001 foi o primeiro automóvel com proteções das embaladeiras retro-iluminadas - a palavra Lexus acendia-se à noite quando a porta era aberta.


O primeiro Audi R8 de 2007 era particularmente "iluminado" - as luzes diurnas eram constituídas por 2 fitas de 24 LEDs de alta intensidade e atrás 186 LEDs avisavam quem seguia atrás que acabou de calcar nos travões de carbono.

Na lista de opcionais podia também acrescentar os primeiros faróis LED do mundo da AL-Automotive Lighting e mais interessante podia acrescentar iluminação LED ao compartimento traseiro do motor V8 para que todos pudessem apreciar o motor através do capot de vidro.

A BMW trouxe-nos as luzes de cortesia nas portas- utilizando a tecnologia LED, um projetor nos espelhos retrovisores ou fundo da porta projecta (ao abrir a porta) o logo da BMW no chão à saída.

Mas não de ficar atrás da BMW em 2013 a Mercedes apresentou a Estrela Mercedes luminosa - um opcional que promete agradar a todos que querem exibir o facto que compraram um Mercedes.
Combinando fibra óptica iluminada por LEDs a "Illuminated Star" brilha quando o automóvel é destrancado, portas abertas/fechadas ou o motor é desligado. Disponível como opcional em quase toda a gama para afagar o ego do seu proprietário por 300 euros.

0 comentários:

"